CORONAVÍRUS
- Tudo o que você precisa saber
-->
Leia também:
X Opinião Fábio Guimarães: A agenda da semana! Acerto de contas

Opinião Pr. Lucas: E se Judas fosse…?

Jesus escolheu doze homens para andar com Ele. Esses doze não foram sorteados, foram escolhidos. Entre eles estava Judas, um cara que roubava dinheiro das ofertas feitas ao ministério

Pr. Lucas - 30/04/2018 10h42

Olá meu amigo(a) leitor(a) do Pleno.News, que prazer compartilhar mais este artigo com você. Meu desejo é que o Senhor abençoe sua vida!

Quero introduzir o assunto de hoje, pensando com você, sobre que tipo de falha ou pecado, Jesus não toleraria. Já pensou sobre isso? Será que biblicamente encontramos referência para afirmar que um pecado tem mais importância que outro, para Deus? Será que algumas coisas Deus tolera e outras são intoleráveis para Ele?

A resposta é: espiritualmente, depois da cruz, não há mais distinção entre pecado e pecado. Mas, todavia, nesta vida, há consequências distintas para cada tipo de pecado.

“Não erreis: Deus não se deixa escarnecer; porque tudo o que o homem semear, isso também ceifará. Porque o que semeia na sua carne, da carne ceifará a corrupção; mas o que semeia no Espírito, do Espírito ceifará a vida eterna” (Gálatas 6:7,8).

Biblicamente todo pecado leva à morte. Ou seja, todo pecado é condenável diante de Deus. “Porque o salário do pecado é a morte, mas o dom gratuito de Deus é a vida eterna, por Cristo Jesus nosso Senhor” (Romanos 6:23).

Vou ampliar isso um pouco mais.

Todos estamos debaixo do pecado, todos fomos espiritualmente nivelados no nível do pecado. E, só em Cristo podemos sair dessa condição de pecadores, só através do sacrifício da cruz é que podemos mudar de posição. “Isto é, a justiça de Deus pela fé em Jesus Cristo para todos e sobre todos os que creem; porque não há diferença. Porque todos pecaram e destituídos estão da glória de Deus. Sendo justificados gratuitamente pela sua graça, pela redenção que há em Cristo Jesus” (Romanos 3:22-24).

Bom, estabelecendo essa base, eu quero reconfigurar algumas ideias.

Jesus escolheu doze homens dentre todas as pessoas para andar com Ele. Esses doze não foram sorteados, foram escolhidos. Entre eles estava Pedro que o negaria três vezes. Também estava Judas, um cara que roubava dinheiro das ofertas feitas ao seu ministério. E Jesus sabia disso? SIM.

Poxa…isso é sério!

Em qualquer empresa em que um funcionário for pego roubando, ele é imediatamente demitido por justa causa. Mas no ministério de Jesus, aconteceu o inusitado: durante os três anos de ministério, Jesus permitiu Judas estar perto dele mesmo sabendo do seu desvio de caráter. “Então um dos seus discípulos, Judas Iscariotes, filho de Simão, o que havia de traí-lo, disse: ‘Porque não se vendeu este unguento por trezentos dinheiros e não se deu aos pobres?’. Ora ele disse isto, não pelo cuidado que tivesse dos pobres, mas porque era ladrão, e tinha a bolsa, e tirava o que ali se lançava” (João 12:4-6).

Então, Jesus tolerava um discípulo ladrão. Pior, Jesus deixou esse homem andar com Ele todos os dias do seu ministério.

Aí começam a me surgir perguntas:

  • “E se Judas fosse adúltero?”. “Jesus ainda assim o permitiria ficar perto dele?”.
  • “E se Judas fosse fofoqueiro?”. Ainda assim Jesus permitiria que ele ficasse no grupo?”.
  • “E se Judas fosse viciado em pornografia e masturbação?”. “Jesus o deixaria entre os discípulos?”.
  • “E se Judas fosse homossexual?”…

“Onde você quer chegar, pastor?”.
Ainda bem que você perguntou isso!!!

Bom, em primeiro lugar, eu não quero manchar a santidade de Jesus. Também não quero apoiar nem concordar com uma vida de e no pecado. Porém, eu creio que há alguns tipos de pecadores que nunca buscarão perdão em nossas igrejas, porque os tratamos com uma postura que dá a entender que eles já estão condenados. Já pensou nisso?

Quero mencionar, de forma clara, que existem homossexuais em nossas igrejas. Alguns agem de forma bem visível, detectáveis, outros são discretos. Deus sabe que eles estão em nosso meio. Alguns praticam a homossexualidade, outros lutam para não cair nesse pecado; mas é importante que eles saibam que são bem-vindos. Alguns provaram de Jesus e serão transformados. Outros negarão a Jesus. Mas, assim como Judas pôde estar perto e teve a mesma possibilidade de provar de Jesus como, Lázaro, Zaqueu, a mulher adúltera, Marta e Maria, Bartimeu e outros tantos, aos homossexuais também deve ser dado o mesmo direito.

Agora, só não posso deixar de mencionar que Judas não quis ser transformado. Ele apenas ampliou as falhas de seu caráter, a ponto de vender Jesus.

Jesus não irá ignorar ninguém nessa vida por seus pecados. Enquanto houver fôlego, haverá uma chance de transformação. Porém, na vida eterna, as coisas terão outro peso. Porque se você se encontrar com a morte sem se encontrar com Jesus, então você estará no grupo dos pecadores. E aí, não haverá mais possibilidade de remissão.

Sendo assim, você tem a sua vida inteira para andar com Jesus sem ser excluído ou julgado. No entanto, se durante esta vida você não agarrar a chance de ser perdoado, então durante toda a eternidade você viverá longe de Jesus, no inferno. Essa é a mais pura verdade!

Vou ratificar: Jesus andará com você toda esta vida. Ele sempre estará ao seu lado, sem lhe julgar pelo que você faz. Porém, se você não o aceitar, na eternidade, Ele será o juiz e o julgará. E a maior prova contra você serão todos os dias de sua própria vida.

Lembrando que, este é um espaço de opinião pessoal, e eu posso falar em nome de minha Igreja, mas não posso afirmar que todos os pregadores do Evangelho enxergam assim, ok?

Contudo, meu objetivo, neste texto, foi mostrar com clareza que, espiritualmente falando, não há distinção entre um pecador homossexual e um pecador fofoqueiro. Também quero deixar claro que não posso condenar ninguém pelo pecado que pratica, mas que haverá um dia em que todos os que não foram justificados serão julgados e aí não haverá desculpas.

Quero deixar aqui alguns rastros para o meu próximo texto, semana que vem. Quero abordar abertamente sobre como enxergo, como me comporto e como aconselho um homossexual quando ele decide participar da Igreja.

Lembrando que a Igreja, o Evangelho, é uma porta estreita; mas ela não é fechada ou exclusiva para os “melhorzinhos”. A Igreja existe e é para todo aquele que crê!

Boa semana!

Pastor Lucas nasceu em Santa Vitória, em Minas Gerais. Sua carreira de compositor começou em 2011. Há quatro anos como cantor, lançou três CDs. Congrega na Comunidade Evangélica Vida no Altar, em São Paulo. É casado com Thaisa Rahmé e pai de Gabriel e Samuel.