Leia também:
X Preciso falar sobre a capa da Folha deste domingo

Não há luta contra as fakes news, mas sim a Bolsonaro

Vale a pena darmos a pessoas que não confiamos o poder de dizer o que é verdade ou mentira?

Pedro Augusto - 24/10/2022 17h40

Não há luta contra as fakes news Foto: Pixabay

Notícias falsas são realmente problemáticas. Por sua causa, a Bolsa de Valores foi derrubada, um presidente quase sofreu impeachment por algo que não fez, pessoas morreram, partidos brigaram e pessoas foram enganadas.

Pior ou tão ruins são as propostas para contê-las. Hoje, no país, há quem defenda a ação das autoridades para coibir essa prática perigosa.

Diante de um país com histórico de abuso de poder por parte das autoridades, a questão que fica é: vale a pena darmos a pessoas que certamente não confiamos o poder de dizer o que é verdade ou mentira?

A história nos mostrou que a concentração de poder e das narrativas na mão de uma pessoa ou de um grupo é prejudicial para quem anseia pela liberdade.

Hoje não é diferente no Brasil e podemos testemunhar isso após ataques a empresas e cidadãos comuns.

LUTAR CONTRA FAKE NEWS NÃO É CENSURA
Essa é uma frase que tenho lido nas redes sociais. Eu acreditaria e defenderia essa bandeira se, de fato, houvesse uma ação contra mentiras. O problema é que não estamos vendo isso.

Comentaristas políticos da Jovem Pan foram proibidos de chamar Lula de “ex-condenado”, “ex-presidiário” ou “corrupto”, apesar do petista ter sido condenado em três instâncias e sua pena confirmada pelo STJ. A pergunta que fica é: qual foi a “fake news”?

A Jovem Pan foi acusada de parcialidade a favor do presidente, apesar de contar em sua grade com diversos jornalistas contrários ao Bolsonaro. Mas um ponto é ainda mais curioso: por que a Globo e Folha de SP, por exemplo, não foram acusadas de parcialidade já que passam o dia criticando o presidente?

Além disso, a campanha do presidente Jair Bolsonaro foi proibida de mostrar que Lula é favorável ao aborto, tema tão caro aos católicos e evangélicos, apesar de haver diversos vídeos do próprio petista afirmando que é favorável a prática.

Ponto ainda mais interessante foram as ameaças à Brasil Paralelo. A empresa, há mais de cinco anos, produziu uma série de documentários sobre as eleições do Brasil. O TSE afirmou que não havia mentiras ali, mas que poderiam induzir as pessoas a conclusões erradas.

Outro ponto que causa estranheza é a censura prévia a um vídeo da Brasil Paralelo que seria lançado no dia 24 de outubro sobre quem mandou matar Jair Bolsonaro. O TSE, apesar de não ter visto o vídeo, afirmou que o episódio poderia influenciar as eleições de forma negativa. Só que tem um detalhe: um dos sócios da empresa fez uma live dando vários spoilers sobre o vídeo e afirmou que a BP não acusou o PT de participação no episódio.

Causa ainda mais estranheza que o STE afirmou que chamar Bolsonaro de genocida é liberdade de expressão, enquanto tenta proibir algumas verdades sobre o Lula.

Não existe uma luta contra as fakes news, mas sim a Jair Messias Bolsonaro.

Clique aqui e siga-me no Instagram para saber mais de política, fé e cultura.

Pedro Augusto é formado em Jornalismo, já escreveu para outros sites conservadores, possui redes sociais sobre história, é viciado em livros e em breve estará cursando Teologia.

* Este texto reflete a opinião do autor e não, necessariamente, a do Pleno.News.

Leia também1 The Wall Street Journal critica esquerda e TSE por censura
2 Ator de Pantanal surpreende em protesto contra a censura do TSE
3 Analista da JP filiado ao PT diz que petistas quiseram expulsá-lo
4 Marco Aurélio após fala censurada: "Onde vamos parar?"
5 Boris Casoy diz que TSE favorece Lula: "Isto é uma vergonha"

Siga-nos nas nossas redes!
WhatsApp
Entre e receba as notícias do dia
Entrar no Grupo
Telegram Entre e receba as notícias do dia Entrar no Grupo
O autor da mensagem, e não o Pleno.News, é o responsável pelo comentário.