Leia também:
X Atitudes para ser um conquistador

Não adianta criticar o feminismo e assistir à pornografia

A facilidade para encontrar pornografia hoje é fruto da revolução sexual

Pedro Augusto - 22/11/2021 11h22

Não adianta criticar o feminismo e assistir à pornografia Foto: Pixabay

Criticar o feminismo em vários ambientes, principalmente nas igrejas, é algo que ganhou força nos últimos anos. De fato, esse movimento político é problemático devido à sua defesa do aborto, à banalização das relações sexuais, aos ataques à família e à religião cristã etc.

No entanto, os cristãos não podem combater ou se dizer contrários a um movimento ideológico reforçando, em sua vida íntima, as horríveis consequências das bandeiras feministas, como o sexo livre e a objetificação da mulher e do homem.

No consumo pornográfico, os atores e atrizes são apenas meros objetos dos consumidores dos vídeos, ou seja, são pessoas simplesmente descartáveis e com apenas uma serventia: o prazer rápido e fácil.

Como escreveu o psiquiatra Theodore Dalrymple, em A Nossa Cultura ou o que Restou dela, o sexo, que é uma relação íntima entre duas pessoas, ao ser banalizado após a Revolução Sexual de 1960, produziu a perda da privacidade, o que proporcionou a perda da profundidade nos relacionamentos. Não é à toa que atualmente as relações estão tão frágeis e os divórcios batendo recordes.

O feminismo é problemático por vários motivos Foto: Pixabay

Se o prazer – que deve ser desfrutado dentro de um ambiente de intimidade, amor e profundidade – foi banalizado, reduzido a apenas um ato solitário, de curta duração, e assistido por pessoas desconhecidas, não é à toa que as relações humanas estejam tão frágeis.

Portanto, todos os cristãos e os que afirmam defender os valores da “família” não podem assistir à pornografia. Afinal, essa é uma prática que transforma pessoas em objetos, fomenta o sexo fora do casamento e ataca e destrói famílias. Quantos casamentos hoje não estão destruídos porque o marido ou a esposa estão viciados em pornografia?

Um discurso duro do Messias
Jesus Cristo, conforme registrou Mateus em seu Evangelho, no capítulo 5, foi muito além do que era ordenado pela Lei de Moisés. O Messias afirmou que apenas o olhar cobiçoso já poderia ser caracterizado como um adultério no coração. Isso reforça algo muito importante: cristão em um relacionamento jamais deve recorrer à pornografia, pois o desejo sexual pelos atores ou atrizes ali é adultério.

Pornografia jamais deve ser vista como algo normal nas igrejas, ainda mais entre aqueles que criticam o feminismo.

Clique aqui e siga-me nas redes sociais

Pedro Augusto é formado em Jornalismo, já escreveu para outros sites conservadores, possui redes sociais sobre história, é viciado em livros e em breve estará cursando Teologia.

* Este texto reflete a opinião do autor e não, necessariamente, a do Pleno.News.

Leia também1 Linguagem Neutra: O que estão escondendo de você?
2 Por que estão mudando os personagens nos filmes e desenhos?
3 Atriz diz que feminismo e Bíblia não são compatíveis e é criticada
4 Abreu: Demissão de Zé Mayer foi plantada por feministas
5 Zélia Duncan diz que "mulher antifeminista é uma aberração”

Siga-nos nas nossas redes!
WhatsApp
Entre e receba as notícias do dia
Entrar no Grupo
Telegram Entre e receba as notícias do dia Entrar no Grupo
O autor da mensagem, e não o Pleno.News, é o responsável pelo comentário.

Leia também: