Leia também:
X Novelas, eu estou fora, e você?

E as suas emoções? Como você lida com elas?

Nós, mulheres, somos mais emotivas, eu sei. O que nos diferencia umas das outras é como escondemos o que sentimos

Mari Simionato - 23/05/2018 09h23

Oi, meninas que navegam no Pleno.News!

Nas últimas semanas falamos sobre moda, aqui na coluna. Mas como eu disse na primeira semana, este é um lugar para falarmos de beleza externa (moda e beleza) e também da beleza interior. Afinal, mais importante que a roupa é a vida que está dentro dela.

Então, hoje quero falar sobre como lidar com as emoções.

Não sei você, leitora, mas eu sempre lutei muito com minhas emoções. Nós, mulheres, somos mais emotivas, eu sei. O que nos diferencia umas das outras é como escondemos o que sentimos. Algumas parecem mais fortes enquanto outras expõem com mais facilidade o que sentem. O fato não é sentir, mas como reagimos àquilo que sentimos.

Na maioria das minhas fotos de infância estou chorando. E não é um chorinho simples, estou aos prantos! Lembro de chorar até dormir. Lembro das pessoas me perguntando o porquê do meu choro e eu inventar qualquer coisa, porque na real nem eu sabia a razão. Se eu estava feliz, chorava. Se eu estava triste, chorava. Se estava ansiosa, chorava. Chorava por precipitação, chorava de saudade, chorava porque me trazia alívio daquilo que nem eu mesma sabia bem o que era.

Por isso, sempre fui motivo de piada. Meus primos e irmãos zoavam de mim e, em vez de responder, eu chorava. (HAHAHA!) E antes que você me pergunte, eu tive uma infância feliz e tranquila, sempre fui rodeada de amor e cuidado. O fato é que o choro era a minha primeira reação aos meus sentimentos. Alguns comem, outros fazem piada, eu chorava.

Ao longo da minha caminhada com Deus aprendi – e ainda estou em processo constante de aprendizado – a liderar minhas emoções e não deixar que elas definam meu dia, meus relacionamentos e minha visão sobre a vida.

Já tive dias que acordei feliz e em paz, até que alguma situação me entristecia e minha tranquilidade era substituída por angústia. Ao mesmo tempo, já tive dias que acordei triste, recebi uma ótima notícia e fiquei feliz e radiante. Em ambos os casos, deixei o exterior coordenar meu interior. Deixei as circunstância definirem minhas emoções. Deixei a “vida me levar”.

 

JESUS, SENDO HOMEM E SENDO DEUS, TAMBÉM TINHA EMOÇÕES
A Bíblia diz que Jesus chorou, diz que Ele sorriu, diz que ficou bravo, diz que Ele quis ficar sozinho, diz que Ele ficou triste quando Lázaro morreu. Jesus era emocional. Mas, ao mesmo tempo, Ele controlava todos os seus sentimentos e não deixava nenhum deles impedir Sua missão na Terra.

Ele sabia para onde estava indo, sabia seu chamado e o trabalho que tinha pela frente. Jesus foi além do que sentia, inclusive na cruz. Ele disse, “Pai, se possível, passa de mim este cálice”. As emoções do Mestre estavam ali, expostas, gritando. Mas Ele foi além delas e disse “mas que seja feita a TUA vontade e não a minha”. Ele, mesmo em meio à dor e ao “mix” de emoções da morte e humilhação, não deixou nenhuma delas impedir o grande Plano de Salvação para o mundo.

Jesus é minha fonte máxima de inspiração, exemplo, reflexo perfeito de amor. Ele era Deus, soberano e dono de tudo. Mas era homem, cheio de emoções também. Por isso, Ele mais que ninguém entende o que sentimos. Foi Ele quem nos criou seres emocionais e isso nos torna tão únicos. Deus também mostra Seu amor à humanidade através das emoções.

O grande problema é quando nossas emoções definem a maneira como lidamos com as pessoas, quando nossos sentimentos embaçam o olhar e distorcemos nossa visão em relação a Deus. Não somos escravos do que sentimos, a menos que permitamos isso. Não somos o que sentimos, a menos que nossas escolhas sejam baseadas em nossos sentimentos naquele momento.

Nossas emoções fazem parte da maneira incrível e perfeita como Deus nos criou, mas não podem definir nossa identidade, nem nos impedir de fazer aquilo que Ele nos chamou a fazer.

Como eu controlo minhas emoções? Aprendi que existe apenas uma maneira: rendendo elas ao Mestre. Ao Deus que as fez, ao Deus que vê a imagem completa e não as partes, ao Deus que me fortalece nos dias de choro e se alegra comigo nos dias de dor.

Eu rendo a Ele minha ansiedade, porque sei que Ele está trabalhando a meu favor. Eu rendo a Ele meu medo, porque Ele tem poder sobre tudo e me protege do mal. Eu rendo a Ele a minha alegria, porque sei que Ele tem um futuro de paz para mim. Eu rendo a Ele as minhas emoções, deixado Ele controlar todas elas.

Renda-se ao Pai. Ele lhe dará constância e paz.

Com amor,

Mari Simionato é jornalista, escritora, blogueira e missionária na JOCUM em Los Angeles/USA. Viaja o mundo conversando com mulheres sobre relacionamento com Deus e identidade cristã. Trabalha anualmente nas semanas de moda de New York e Los Angeles com evangelismo a profissionais de moda.
Telegram Entre e receba as notícias do dia Entrar no Grupo
O autor da mensagem, e não o Pleno.News, é o responsável pelo comentário.