CORONAVÍRUS
- Tudo o que você precisa saber
-->
Leia também:
X Quem não aprender a perdoar sofrerá para sempre

O povo na rua é sinal de vitalidade da democracia

O dia 15 de março será marcado por manifestação popular

Marco Feliciano - 01/03/2020 19h28

Manifestação teve tomataço contra ministros Foto: Reprodução

Alô, irmãos e amigos que me dão a honra de me acompanharem no Pleno. News. Chamo a atenção de todos para o massacre que alguns maus brasileiros tentam impingir ao nosso presidente Jair Bolsonaro. Tudo por conta de declarações corriqueiras de qualquer cidadão sobre a manifestação popular marcada para o dia 15 de março.

A esquerda maldosamente rotula de afronta à democracia, mas em nenhum momento o presidente se referiu a nenhum dos outros poderes e, reitero, povo na rua é sinal de vitalidade da democracia.

Ninguém dizia nada quando o bêbado de São Bernardo visitava os acampamentos do MST e dava aval presidencial a um movimento terrorista armado que ameaçava a democracia. Eles matavam inocentes, pregavam revolução armada e invadiam propriedade privada, mas não era acusado de crime de responsabilidade. Cito isso apenas como um lembrete, pois todos conhecem a doutrina esquerdista do quanto pior melhor.

Felizmente nosso país está liberto e não cai mais nas conversas de petistas e psolistas. Esses grupos nada mais fazem do que tentar a discórdia e a luta de classes em nome de doutrinas que embasaram tiranos ditadores que dizimaram o seu próprio povo.

Quando o presidente da Câmara dos Deputados Rodrigo Maia circula o mundo se reunindo com autoridades estrangeiras e posa de Chefe de Estado é tudo perfeitamente normal. Mas querem fazer crer que o presidente Jair Bolsonaro é quem ataca às instituições.

Os ministros do STF, juízes que são, se manifestam fora dos autos em declarações políticas, inclusive com críticas pessoais ao presidente, Ai pode, não transgride a separação de poderes.

Finalizo pedindo a Deus que olhe pelo povo ordeiro no dia 15 de março e derrame as mais escolhidas bênçãos celestiais a todos manifestantes.

Marco Feliciano é pastor, deputado federal por São Paulo e preside a Assembleia de Deus Ministério Catedral do Avivamento.
Telegram Entre e receba as notícias do dia Entrar no Grupo