Leia também:
X Tribunal da internet: Quem julga e condena precipitadamente contribui para a morte

O excesso de tecnologia e o apagão digital

Bilhões de pessoas em todo mundo ficaram desassistidas

Marco Feliciano - 05/10/2021 14h47

Facebook, Instagram e WhatApp sofreram quedas em todo o mundo Foto: EFE/EPA/ANDREJ CUKIC

O que parece um simples apagão digital deixou os aplicativos de Mark Zuckerberg (Facebook, WhatsApp e Instagram) sete horas fora do ar, e, com isto, bilhões de pessoas em todo mundo ficaram desassistidas – tanto as que usam as plataformas apenas para contato com os amigos e parentes, quanto as que as usam para alavancar seus negócios como uma ferramenta ágil e barata.

Mesmo com toda tecnologia anti-hackers, não foi possível detectar os motivos do apagão que originou uma confusão generalizada, uma vez que, hoje em dia, milhões de pessoas tocam seus negócios por meio das redes, firmando uma dependência considerável dessas mídias.

São raras essas falhas, mas elas servem como alertas para que busquemos soluções alternativas, caso esses apagões se repitam com mais frequência.

Finalizo pedindo a Deus que nos proteja do excesso de tecnologia apartada do humano e que Ele derrame as mais escolhidas bênçãos celestiais sobre os usuários das redes!

Marco Feliciano é pastor e está em seu terceiro mandato consecutivo como deputado federal pelo Estado de São Paulo. Ele também é escritor, cantor e presidente da Assembleia de Deus Ministério Catedral do Avivamento.

* Este texto reflete a opinião do autor e não, necessariamente, a do Pleno.News.

Leia também1 Facebook prejudica crianças e democracia, afirma ex-gerente
2 Facebook alega que mudança de configuração causou pane global
3 Após 'prejuízo bilionário', Mark Zuckerberg pede desculpas
4 Em horas, prejuízo de Mark Zuckerberg foi de R$ 32 bilhões
5 Ex-gerente denuncia: Facebook sabia dos danos a usuários

Siga-nos nas nossas redes!
WhatsApp
Entre e receba as notícias do dia
Entrar no Grupo
Telegram Entre e receba as notícias do dia Entrar no Grupo
O autor da mensagem, e não o Pleno.News, é o responsável pelo comentário.