Leia também:
X #23 Quando perdemos a ética, vem a lei

Jogos de azar: Uma desgraça familiar e social

A Frente Parlamentar Mista quer a aprovação do Marco Regulatório do Jogos

Marco Feliciano - 23/09/2020 16h44

O mundo desconhece a desgraça familiar e social que atinge pessoas que se entregam ao vício do jogo, flagelo esse que atinge milhões de pessoas em todo mundo. Desde o inocente jogo do bicho, que de inocente não tem nada, pois, corrói a economia dos mais humildes, até a glamourosa corrida de cavalos, que nos hipódromos desfilam falidos apostadores que desafogam suas angústias no álcool.

Temos ainda as roletas dos cassinos. Eles nunca fecham e seus apostadores trocam o dia pela noite, regados a bebidas e drogas. Muitos não entendem o porque das janelas dos edifícios dos cassinos não se abrirem, são para evitar suicídios de perdedores arrependidos.

O que minimiza nossas perdas relacionadas ao jogo são as nossas leis que proíbem os jogos de azar, assim chamados porque os que têm sorte ganham com o azar dos outros jogadores. Estudos apontam que quase 5 milhões de brasileiros têm problemas com jogo legalizado, sorteios, loterias etc.

Mas o perigo ronda nesses tempos de pandemia devido às sessões online no Congresso Nacional. Foi criada a Frente Parlamentar Mista pela aprovação do Marco Regulatório do Jogos. O plano é a aprovação de resorts com cassinos em lugares específicos, de acordo com a população dos Estados.

A finalidade é aumentar a arrecadação. Para isso daremos legalidade para as máfias do jogo, das drogas e da prostituição. Quem tem juízo sabe o que está agregado ao jogo e suas consequências, um exército de zumbis que irão se compor com as cracolândias que proliferam nas grandes cidades. Os Estados terão que gastar toda a arrecadação não resolverão as mazelas que advém do vício do jogo.

Nós, deputados conservadores, estamos em vigília para impedir que se aprove o jogo em nosso parlamento. Que possamos livrar a família brasileira dessa epidemia que grassa em todo mundo com ilusão de ganho fácil.

Finalizo pedindo a Deus que nos livre das máfias do jogo e derrame as mais escolhidas bênçãos celestiais a todos nós.

Marco Feliciano é pastor, deputado federal por São Paulo e presidente da Assembleia de Deus Ministério Catedral do Avivamento.
WhatsApp
Entre e receba as notícias do dia
Entrar no Grupo
Telegram Entre e receba as notícias do dia Entrar no Grupo
O autor da mensagem, e não o Pleno.News, é o responsável pelo comentário.