Leia também:
X O que o PT esconde sobre Lula

Governos esquerdistas e suas políticas revoltantes

Soltura em massa de presos, legalização do aborto e perseguição religiosa

Marco Feliciano - 28/09/2022 12h37

Foro de São Paulo, em 2019, na Venezuela Foto: EFE/ Rayner Peña

Alô, irmãos! Existem dados que precisam ser atualizados constantemente. A verdade é que quando aconselhamos algum esquerdista a experimentar a vida em Cuba ou na Venezuela estamos muito atrasados em relação aos fatos ocorridos recentemente em nosso continente.

O que aconteceu foi que com a abstenção de grande parte de eleitores – os famosos “isentões” – os mais envolvidos votaram em candidatos esquerdistas na Colômbia, no Chile e na Argentina; assim, muito mais rápido que imediatamente, as primeiras medidas tomadas por esses novos governantes escancararam o erro crasso dessa infeliz escolha.

Governos esquerdistas recém-eleitos demonstram engajamento com o Foro de São Paulo – organismo fundado pelos senhores Lula da Silva e Fidel Castro – base da sonhada, por eles, União das Repúblicas Socialistas da América Latina.

As notícias vindas desses países dão conta das violentas revoltas populares, por um povo indignado com medidas dos programas esquerdistas de soltura em massa de presos comuns, assassinos, ladrões estupradores. E muitos mais, liberação das drogas, confisco de armas do cidadão de bem, legalização do aborto, perseguição religiosa e feroz censura aos meios democráticos de comunicação.

Finalizo pedindo a Deus que tire a trave dos olhos das pessoas que ainda acreditam nas mentiras das esquerdas – até estas tomarem o poder pois, depois, caem as máscaras, mas o estrago já está feito. E peço que Ele derrame as mais escolhidas bênçãos celestiais a todos os irmãos brasileiros neste próximo domingo, dia 2.

Marco Feliciano é pastor e está em seu terceiro mandato consecutivo como deputado federal pelo Estado de São Paulo. Ele também é escritor, cantor e presidente da Assembleia de Deus Ministério Catedral do Avivamento.

* Este texto reflete a opinião do autor e não, necessariamente, a do Pleno.News.
Siga-nos nas nossas redes!
WhatsApp
Entre e receba as notícias do dia
Entrar no Grupo
Telegram Entre e receba as notícias do dia Entrar no Grupo
O autor da mensagem, e não o Pleno.News, é o responsável pelo comentário.