Com ajuda de Huck, Doria tenta pavimentar seu caminho insano à Presidência

O governador tem usado a TV Cultura, uma concessão pública, para sua precoce campanha

Marco Feliciano - 16/08/2019 13h33

João Doria e Luciano Huck Foto: Marcelo Chello/CJPress/Folhapress

Alô, amigos e irmãos que me dão a honra de me acompanharem no Pleno.News. Estamos vivendo novos tempos com valores mudados. Nossa democracia hoje nos enche de orgulho por estarmos combatendo décadas de descalabro como o dinheiro público. Seja através da corrupção desenfreada, seja com o mau uso do dinheiro público financiando ditaduras comunistas mundo afora com o dinheiro do trabalhador, ludibriado com falsos programas sociais que esgotaram os recursos públicos.

Todos reconhecem os esforços do presidente Jair Bolsonaro para levar adiante o ajuste das contas públicas. Ele trabalha para evitar o colapso da máquina estatal, mas tal qual Judas ou Brutus, traidores modernos usam das mais vis artimanhas para minar seu governo com mentiras e críticas genéricas de cunho ideológico. Me refiro ao ex-BolsoDoria que, na campanha ao governo do estado de São Paulo, num esforço imenso para reverter o quadro eleitoral, bolsonarizou sua campanha. Ele perdia para o então governador Marcio França e venceu por apenas um ponto percentual.

O governador João Doria tem usado a TV Cultura, uma concessão pública de propriedade do governo do estado, para sua precoce campanha à Presidência da República. Ele vem franqueando suas câmeras para notórios adversários do presidente Bolsonaro fazerem críticas pessoais e ideológicas que nada contribuem para o bem comum. A não ser, claro, para pavimentar seu caminho insano à Presidência. Ele renunciou à Prefeitura e não hesitará em renunciar ao Governo do Estado nessa busca de poder a qualquer custo.

Lembro também que Doria tem um parceiro que age separadamente, mas com os mesmos propósitos e métodos. Falo de Luciano Huck, pau mandado da Globo para dividir votos em 2022 e viabilizar uma candidatura de seu interesse. Em evento recente em Vila Velha/ES, Huck disse “Esse governo é o último capítulo do que não deu certo“. Sim, não deu certo para ele que vai ter de explicar a compra de um jato da Embraer com dinheiro público do BNDES a juros de pai (Lula) para filho.

+ Bolsonaro revida contra Huck: “Fica arrotando honestidade
+ Huck ataca Bolsonaro: ‘Último capítulo que não deu certo’

+ Bolsonaro rebate Huck e cita empréstimo para jatinho

Finalizo pedindo a Deus que livre nosso presidente dos falsos amigos de ocasião e derrame as mais escolhidas bênçãos celestiais a todos.

Marco Feliciano é pastor, foi reeleito Deputado Federal por São Paulo com quase 400 mil votos e preside a Assembleia de Deus Ministério Catedral do Avivamento.

Clique para receber notícias
WhatsApp
Entre e receba as notícias do dia
Entrar no Grupo