Leia também:
X Os valores do PT são inimigos do cristianismo

As máscaras da esquerda seguem caindo

Eles estão perdidos em seus discursos

Marco Feliciano - 20/10/2022 15h10

Haddad Foto: EFE / Marcelo Chello

As máscaras continuam a cair, pois os esquerdopatas não conseguem se conter e no desespero em que se encontram, com as pesquisas sendo obrigadas a reportar o avanço do presidente Jair Bolsonaro frente ao seu oponente, estão se confundindo em seu discurso.

Em evento de campanha nesta quarta-feira (19), o candidato Fernando Haddad disse; com todas as letras, para agradar seus seguidores do MST; que terras produtivas não devem ser invadidas. Mas aquelas que não estão cumprindo sua função social, estas sim podem ser invadidas. E disse mais: que assinará decreto de desapropriação dessas terras para fins de assentamento.

Pera aí! Quem definirá quais terras estão cumprindo a finalidade social? O MST do senhor Stedile? Que poder esse Haddad pensa possuir? Se por um acaso ele viesse a ocupar o governo do estado, podemos imaginar o estrago que essa turma faria no estado mais rico da federação, pois, esses senhores estão acostumados a serem um Rei Midas ao contrário. E como é isso? Eles transformam ouro em estrume, deixando para trás uma terra arrasada; tal qual fizeram no governo federal.

No próximo dia 30 de outubro, o povo liberto sufragará para colocar essa turma em seu devido lugar.

Finalizo agradecendo a Deus por nos permitir ver o que acontece ao nosso redor e por nos dar consciência para o voto. E pedindo que Ele derrame suas mais ricas bênçãos sobre todo o povo brasileiro.

Marco Feliciano é pastor e está em seu terceiro mandato consecutivo como deputado federal pelo Estado de São Paulo. Ele também é escritor, cantor e presidente da Assembleia de Deus Ministério Catedral do Avivamento.

* Este texto reflete a opinião do autor e não, necessariamente, a do Pleno.News.
Siga-nos nas nossas redes!
WhatsApp
Entre e receba as notícias do dia
Entrar no Grupo
Telegram Entre e receba as notícias do dia Entrar no Grupo
O autor da mensagem, e não o Pleno.News, é o responsável pelo comentário.