Leia também:
X Declaração de Toffoli sobre ‘semipresidencialismo’ no Brasil é um escândalo

A linguagem neutra e a agressão ao nosso idioma pátrio

Estamos atentos à qualquer agressão às nossas crianças e aos nossos jovens

Marco Feliciano - 19/11/2021 15h26

Linguagem neutra Foto: Pixabay // Arte: Pleno.News

Nós, parlamentares cristãos evangélicos, sempre nos deparamos com questionamentos sobre assuntos que pululam nas redes sociais e na imprensa e que nos dizem respeito, em razão do nosso posicionamento conservador em defesa da família tradicional, de nossas crianças e da tradição judaico-cristã. Assim, quando os ataques a estas recomeçam, analisamos com a nossa assessoria o caminho a tomar.

Recentemente, estão tentando impingir uma agressão ao idioma pátrio, com a chamada linguagem neutra. Desse modo, creio que a maioria já teve conhecimento de que, além dos clássicos pronomes masculinos [como, por exemplo, ele(s), dele(s), seu(s), todo/todos] e dos femininos [por exemplo, ela(s), dela(s), sua(s), toda(s)], vem sendo propostos os esdrúxulos “eli”, “elu” “deli”, “delu”, “todes”, “todxs” ou “todys” como linguagem neutra, para designar e avalizar os que se consideram de sexo indefinido/não binário – uma minúscula minoria que, ao nosso ver, não justifica tamanha agressão à norma culta da língua portuguesa e aos costumes tradicionais do povo brasileiro.

Poderia eu, comodamente, apresentar um Projeto de Lei (PL) para impedir o progresso dessa lide entre nós, conservadores, combatendo pautas dos defensores do movimento LGBT. Mas, dessa forma, eu os municiaria com infindáveis debates no parlamento e fora dele, dando cartaz a quem deve recolher-se ao seu tamanho, ou seja, o de minoria da minoria.

Então, a todos os irmãos que me acompanham – e friso: na língua portuguesa, quando dizemos “irmãos”, está implícito “irmãs” também -, lembro que estamos atentos à qualquer agressão às nossas crianças e jovens e que o único órgão que pode executar mudanças em nossa ordenação linguística é o Congresso Nacional, após votação nas duas casas legislativas.

Finalizo agradecendo a Deus por nos dar meios legais de agir em defesa dos pequeninos do Mestre Jesus e peço que Ele derrame as mais escolhidas bênçãos celestiais sobre todas as nossas crianças e todos os nossos jovens!

Marco Feliciano é pastor e está em seu terceiro mandato consecutivo como deputado federal pelo Estado de São Paulo. Ele também é escritor, cantor e presidente da Assembleia de Deus Ministério Catedral do Avivamento.

* Este texto reflete a opinião do autor e não, necessariamente, a do Pleno.News.

Leia também1 Zambelli desafia seguidores a ouvirem 'linguagem neutra'
2 Universidade pública é criticada após uso de linguagem neutra
3 Fachin suspende lei que proíbe linguagem neutra em escolas
4 Avon faz anúncio para 'mulheres com próstata' e 'homens com seios'
5 Portaria do governo que proíbe linguagem neutra é alvo do MPF

Siga-nos nas nossas redes!
WhatsApp
Entre e receba as notícias do dia
Entrar no Grupo
Telegram Entre e receba as notícias do dia Entrar no Grupo
O autor da mensagem, e não o Pleno.News, é o responsável pelo comentário.