A eleição de 2018 selará o fim da esquerda dando as cartas

Será o fim dos benefícios distribuídos sem contrapartida dos meios produtivos e da corrupção desenfreada, que quebrou a economia de nossos país

Marco Feliciano - 20/07/2018 11h14

Alô, amigos, alô, irmãos que me acompanham no Pleno.News, hoje quero falar sobre as eleições que se aproximam.

Quero tocar nesse assunto, pois não falta muito tempo para escolhermos nossos próximos governantes. E sei que esta eleição marcará e selará o fim de uma época na qual as esquerdas deram as cartas e conseguiram esgotar todas as artimanhas contidas nas caixinhas de promessas que, pareciam inesgotáveis. Será o fim dos benefícios distribuídos sem contrapartida dos meios produtivos e fim também da corrupção desenfreada, que quebrou a economia de nossos país e o mergulhou numa crise sem precedentes, alcançando um número de desempregados recorde.

Sim, com o desencanto com os governos populistas e a ascendência dos conservadores, nas pesquisas de opinião, as máscaras de alguns meios de comunicação vem sistematicamente caindo.

Afirmo isso, pois nessa mesma época, no ano de 2014, com as esquerdas na dianteira, o Jornal Nacional, da Rede Globo de Televisão, diariamente noticiava as tendências das pesquisas. E o que vemos hoje é apenas o silêncio sobre esse assunto.

Com o banimento do candidato petista, Luís Inácio Lula da Silva, por estar inelegível, finalmente os institutos de pesquisa retiraram o nome dele dos questionários. E o que se constata é uma vantagem para o pré-candidato conservador Jair Bolsonaro, seguido de outros pré-candidatos representantes de várias correntes ideológicas.

Winston Churchill disse:

A democracia é o pior dos regimes políticos, mas não há nenhum sistema melhor que ela.

Concordo totalmente com isso, pois quando se esgota uma tendência, as urnas fazem a troca e se joga o jogo. O resto é o direito de espernear. Eu creio que sendo assim, nossa bandeira verde-amarela continuará tremulando e nosso governo será sempre exercido pelo povo, em nome de Deus.

Finalizo pedindo a Deus que continue a derramar as mais escolhidas bênçãos celestiais sobre todos.

Marco Feliciano é pastor, foi reeleito Deputado Federal por São Paulo com quase 400 mil votos e preside a Assembleia de Deus Ministério Catedral do Avivamento.