CORONAVÍRUS
- Tudo o que você precisa saber
-->
Leia também:
X Rei dos reis e Senhor dos senhores – o Salmo 2

Coluna Leandro Sauerbronn: Sistema elétrico de partida

Como funciona o sistema de partida do seu carro?

Leandro Sauerbronn - 24/01/2018 08h00

Caro leitor do Pleno.News, ao sair com seu automóvel basta ter combustível e virar a chave, não é?

Para a maioria dos usuários é isso mesmo; alguns possuem carros há décadas, mas o que acontece debaixo do capô soa como mágica, um verdadeiro mistério da natureza. Ao contrário de você, tenho certeza.

Mas vou dar uma relembrada como o sistema funciona caso você tenha esquecido, vamos lá!

O carro com motor a combustão necessita de uma força na hora de ligar. Nos primórdios dos automóveis, essa “forcinha” vinha de uma alavanca em formato de manivela; era um processo “bem tranquilo”. Você podia apenas quebrar o pescoço e morrer ao tentar ligar o carro, o que não era raro, ou apenas quebrar os braços, ter uma luxação etc.

Com o passar do tempo apareceu a partida elétrica, invenção da Cadillac, em 1912, no modelo Touring Edition, para ser mais exato. Esse era um acessório de luxo e demorou muitos anos para se ter em todos os modelos.

Na partida elétrica, o processo se dá de forma simples: ao girar a chave no comutador de partida do seu veículo, o motor de arranque recebe a corrente oriunda da bateria e começa a funcionar. Ele, por sinal, está acoplado ao volante do motor através de uma cremalheira e com o seu girar, o motor vai tendo ignição e, com o combustível, acontece a mágica, o motor entra em funcionamento.

O motor de arranque é uma peça que tem desgastes internos; por isso, é recomendável parar para revisar de tempos em tempos. Esse desgaste depende muito do uso do carro, quanto mais liga/desliga mais rápido as escovas internas acabam, sem contar com a contaminação de óleo proveniente de vazamentos do motor e poeira.

Outra dica é que quando for fazer a revisão do arranque faça a do alternador, pelo menos um check-up, para não ter problemas quando for pegar estrada. Um “jeitinho” que se usa muito é o famoso “tranco”. Isso pode queimar o módulo do seu veículo, caso ele possua injeção eletrônica, e existem módulos que passam fácil da casa dos R$ 10 mil. Por isso, chame um reboque. Vá por mim, caso você fique enguiçado por causa do arranque.

Espero que tenha gostado.

Abraços e Pé no Porão!

Leandro Sauerbronn é aficionado por carros e motores; possui ferrugem e gasolina nas veias desde de nascença; começou a estudar o automóvel muito cedo, ainda criança. Hoje se tornou restaurador, customizador e educador; ensina a nobre arte da mecânica em seu curso.

Nos siga nas nossas redes sociais

Encontros pelo Brasil
Mande o seu evento para divulgação – sociedadeautomotiva@gmail.com