Leia também:
X A revista Time hoje é porta-voz da esquerda mundial

Lula na revista Time ecoa a diplomacia da “mesa de bar”

Luiz Inácio Lula da Silva novamente insistiu em sua vexatória diplomacia de botequim

Lawrence Maximo - 05/05/2022 17h47

Lula na revista Time ecoa a diplomacia da “mesa de bar” Foto: EFE/André Coelho

Capa da revista americana Time desta semana, o ex-presidiário e pré-candidato à Presidência – de forma arbitrária pelo Supremo Tribunal Federal (STF) – Luiz Inácio Lula da Silva (PT), novamente insistiu em sua vexatória diplomacia de botequim. Lula ecoou seu fatídico discurso da UERJ, de 4 de abril, quando fez seu convite diplomático para a “mesa do bar”, na companhia de Biden, Zelensky e Putin, para oferecer um acordo de paz, a base de rodadas de cervejas – a obsessão do ex-condenado por bebidas não é novidade!

Em entrevista ao periódico americano, concedida no final de março, o condenado da Lava Jato, de forma esdrúxula, responsabilizou o presidente da Rússia, Vladimir Putin, o presidente da Ucrânia, Volodmir Zelensky, a União Europeia e os Estados Unidos pela guerra em curso na Ucrânia.

A embaixada da Ucrânia no Brasil reagiu à declaração de Lula à revista Time. A representação diplomática disse que o petista está “mal-informado”. E, por isso, será convidado para uma audiência com o encarregado de Negócios da Ucrânia no Brasil, senhor Anatoliy Tkach.

Ainda na entrevista, o petista disse que “nunca desistiu da política”. Na versão em inglês, o título atribuiu a corrida presidencial deste ano como “o segundo ato de Lula”, chamando-o de “presidente mais popular do Brasil”. O texto, assinado pela jornalista Cyara Nugent, traça um perfil do retorno do petista à disputa eleitoral após passar 580 dias preso no âmbito da operação Lava Jato.

Por fim, a posição sobre a guerra do presidente Jair Bolsonaro, principal rival de Lula na disputa, também já foi alvo de críticas pelo mundo político. Embora o Brasil tenha votado pela condenação da invasão, Bolsonaro tem preferido adotar um discurso de suposta neutralidade no conflito, para evitar arranhões diplomáticos com a Rússia, país exportador de fertilizantes essenciais para o agronegócio brasileiro. Uma semana antes da guerra, Bolsonaro esteve com o presidente da Rússia, Vladimir Putin, em Moscou.

Diante dessa embriaguez eleitoral, o ex-presidiário permanece segurando o copo de cerveja na mesa do Partido dos Trabalhadores…

Lawrence Maximo é analista político, professor universitário e escritor. Mestrando em Ciências Políticas Internacionais: Cooperação Internacional, Mestre em Missiologia, Pós-graduado em Ciência Política: Cidadania e Governação e Pós-graduado em Antropologia da Religião. Historiador e Teólogo. Escreve artigos para o jornal Gazeta do Povo e Revista Esmeril.

* Este texto reflete a opinião do autor e não, necessariamente, a do Pleno.News.

Leia também1 Imprensa estrangeira repercute falas de Lula sobre Ucrânia
2 Embaixada da Ucrânia diz que Lula está "mal-informado"
3 Após matéria, repórter da Time agradece a Boulos e Felipe Neto
4 Heleno: "A Time menospreza a inteligência dos brasileiros"
5 Time estampa Lula na capa e o chama de "líder mais popular"

Siga-nos nas nossas redes!
WhatsApp
Entre e receba as notícias do dia
Entrar no Grupo
Telegram Entre e receba as notícias do dia Entrar no Grupo
O autor da mensagem, e não o Pleno.News, é o responsável pelo comentário.