Privilégio da criatividade: fazer qualquer coisa de forma diferente

JR Vargas - 19/06/2018 15h30

A criatividade é uma das ferramentas mais poderosas que Deus nos confiou para reformar esse mundo. Contudo, caímos no abismo do “fazer o que alguém fez e deu certo”, e perdemos a oportunidade riquíssima de criar e de ir além.

Há um número importante de modelos que nos são apresentados para serem seguidos como se somente eles tivessem descoberto o portal do êxito. As publicações de negócios revelam, ainda que sem querer, o caminho original, do qual nos desviamos por causa do pecado da vaidade. São inúmeras matérias que apontam “os segredos por trás das mudanças”. Muitos leem e pesquisam para saber “o que o fulano fez”. E assim, replicam em seus empreendimentos as práticas que levaram o fulano ao sucesso.

Nada há de mal em se aplicar estratégias prósperas, entretanto esse processo de replicar é limitado e pode encontrar o maior de todos os obstáculos: a diferença. Se o seu contexto não for exatamente igual, as suas chances de êxito são nulas.

É bem comum ver pessoas que viram ou ouviram dizer que alguém fez, e “igualzinho”, porém não teve o mesmo resultado. O que houve? As circunstâncias são diferentes, as questões são outras e a conclusão não poderia ser mais óbvia.

O que proponho? O caminho mais simples e natural: fazer algo novo e diferente. Pense comigo: se a atriz Fernanda Torres quisesse ser a nova Fernanda Montenegro não teríamos a exímia e divertida escritora, além da intérprete de papéis cômicos e também dramáticos. Haveria tão somente a tentativa de filha ser igual a mãe, como aconteceu com outros atores que se anularam na tentativa infrutífera de serem iguais aos seus pais, ainda que seguissem na mesma trilha.

A igualdade de características não existe. Deus nos fez diferentes e concluo que essas diferenças não foram gratuitas, mas que existem a fim de que façamos diferente e diferença. Retorno ao que mencionei antes, às publicações de negócios. Ao contarem o que fulano fez observo mais o fulano do que suas práticas. E justifico: o segredo não é ele ou ela, todavia a possibilidade incrível de alguém fazer a mesma coisa de outra forma, de inovar e renovar, de criar e recriar, de formar e reformar. Logo, o ponto é o ser humano e o desenvolvimento de uma capacidade que Deus nos concedeu e deve ser usada como uma ferramenta extraordinária em todos os campos de nossa atuação.

A vaidade de querer ser o melhor, e por isso a busca por repetir os passos para o pódio, nos afasta de querer fazer o melhor. Precisamos de modelos inspiradores, contudo carecemos ainda mais de sermos inspiração para todos quantos nos cercam hoje e pelos que ainda virão. No centro de todo esse processo não estão as práticas de sucesso, nem o ser humano que as cria, e sim o Senhor Deus, que nos confiou essa missão, da qual não podemos nos afastar jamais.

JR Vargas é pai do Lucas Campos Vargas; Pastor Plantador da Igreja Presbiteriana das Américas, na Barra da Tijuca, RJ; Radialista, Apresentador do Debate 93, da Rádio 93FM; Escritor; Graduado e Pós-graduado em Comunicação Social e Teologia.