CORONAVÍRUS
- Tudo o que você precisa saber
-->
Leia também:
X A mente e o tempo

O dia seguinte à reforma

O tempo não foi capaz de apagar o fervor dos valores reformados

JR Vargas - 01/11/2017 15h45

A reforma protestante não foi feita por um homem, mas por Deus através de vários homens e mulheres Foto: Pixabay

A reforma protestante não aconteceu em 31 de outubro de 1517, nem começou nessa data. E, felizmente, não acabou na noite daquele dia. Escrever as 95 teses não foi o momento áureo da vida de Lutero. O mais valioso aconteceu antes e dentro dele.

A reforma protestante não foi feita por um homem, mas por Deus através de vários homens e mulheres. O Senhor é o protagonista e todos os demais são coadjuvantes. Não se pode subestimar a importância de vários nomes, contudo creditar a seres humanos a gestão de um movimento que atravessa séculos é conspirar contra a centralidade de Deus na história.

O tempo não foi capaz de apagar o fervor dos valores reformados. Exatamente em razão destes não estarem confinados a uma só mente, ou ainda a alguns valiosos servos de Deus. De igual forma, ainda que estes fossem silenciados, o mesmo Senhor que os levantou, levantaria outros, como o fez.

Assim, chegamos ao dia seguinte à reforma. Tudo que já foi escrito sobre o impacto na ambiência religiosa, nas esferas educacionais, políticas, econômicas e sociais, não havia produzido nenhum resultado aparente. A situação permanecia praticamente igual. Contudo, o não visto estava sendo gestado nas mentes e corações de quem Deus escolheu.

Esse entendimento acalenta o meu coração. Percebo que, a despeito da pouca visibilidade de mudanças reais e profundas, sonhadas por tantos na Igreja, o Senhor está agindo, como agiu antes. A Igreja é de Jesus. Homem algum poderá destruí-la, assim como as portas do inferno não prevalecerão contra ela. Dessa forma a esperança me inunda, não por ver tantos falando sobre a reforma, e sim pela convicção de que hoje e nos dias seguintes aos 500 anos a história continuará sendo escrita e vivida por milhões de pessoas. Mas aí são outros 500.

 

JR Vargas é pai do Lucas Campos Vargas; Pastor Plantador da Igreja Presbiteriana das Américas, na Barra da Tijuca, RJ; Radialista, Apresentador do Debate 93, da Rádio 93FM; Escritor; Graduado e Pós-graduado em Comunicação Social e Teologia.