CORONAVÍRUS
- Tudo o que você precisa saber
-->
Leia também:
X O risco de cair para os ex-campeões

Ninguém jamais dá nada para alguém sem um propósito

A caridade, antes do cristianismo, era uma expressão de outros interesses

JR Vargas - 18/09/2017 10h25

Ninguém jamais dá nada para alguém sem um propósito / Foto: Pixabay

Vamos logo explicar o título. A caridade, antes do cristianismo, era uma expressão de outros interesses. Will Durant, em Cesar e Cristo, narra que a caridade teve pouco alcance nessa vida mesquinha. A hospitalidade sobreviveu como uma conveniência mútua em um tempo em que as tabernas eram pobres e distantes. Mas Políbio, o historiador, relata que “em Roma, ninguém jamais dá nada para alguém sem um propósito”. Dizem que de segundas intenções as primeiras estão cheias.

Um jogo de interesses é motivado por questões nem sempre republicanas ou publicáveis. Não à toa, as revelações de conversas supostamente secretas chamam tanto a atenção da população em geral. A lógica é que com as revelações as verdadeiras motivações, que produziram todas as ações anteriores, finalmente vieram à luz.

Estava conversando com meu filho, hoje com 12 anos, sobre a velha diferença entre o estadista e o político, atribuída a James Freeman Clarke. Não sei quando a aprendi, mas ela ficou guardada comigo: “Um político pensa na próxima eleição. Um estadista, na próxima geração”. Quando descobrimos quem é quem? Quase sempre somente após a eleição. E, na maioria dos casos, já é tarde demais.

Pego o título desse artigo, “Ninguém jamais dá nada para alguém sem um propósito”, e procuro fazer uma autoavaliação. Esse é um exame complicado. Julgo que seja mais fácil discutir a intenção do outro, a partir de critérios nem sempre saudáveis, do que fazer um mergulho dentro de mim. Aí reside um gravíssimo problema. Enquanto falo do outro, deixo de me analisar, e essa lacuna gera em mim dificuldades sérias. O que me resta? Enfrentar o caminho do sincero e verdadeiro enfrentamento. Só isso? Claro que não. Buscar a mais pura motivação e fazer tudo para a glória de Deus! Que o Senhor nos ajude!


JR Vargas é pai do Lucas Campos Vargas; Pastor Plantador da Igreja Presbiteriana das Américas, na Barra da Tijuca, RJ; Radialista, Apresentador do Debate 93, da Rádio 93FM; Escritor; Graduado e Pós-graduado em Comunicação Social e Teologia.