CORONAVÍRUS
- Tudo o que você precisa saber
-->
Leia também:
X Coluna Leandro Sauerbronn: O que move um apreciador de carros?

Coluna JR Vargas: O que nos falta?

É possível viver num mundo de opiniões divergentes, mas sem hostilidades

JR Vargas - 17/01/2018 10h30

Grupos étnicos americanos vivem em constante atrito. Possivelmente você já tenha visto pessoas protestando contra um tema e os favoráveis protestando contra a manifestação dos primeiros. Uma pesquisa da Barna Research revelou, recentemente, que 84% dos adultos americanos reconhecem que há muita hostilidade e raiva entre grupos étnicos. A novidade é que dos pesquisados, 73% creem que igrejas têm um papel importante na promoção da reconciliação.

Essa expectativa tem sido frustrada, para muitos, em grande parte, pela omissão da igreja no exercício do ministério da reconciliação. Infelizmente, em vez de acalmar os ânimos e apelar para o equilíbrio, as opiniões pessoais estão sobressaindo e os conflitos prosseguem. Os discursos nas redes sociais estão bem agressivos e bélicos. Não sei, sinceramente, aonde vamos parar com tudo isso.

Deus confiou a Paulo uma mensagem valiosa para a Igreja de Corinto, que, obviamente, também se aplica a nós hoje. Em 2 Coríntios 5:18 e 19 está escrito: “Ora, tudo provém de Deus, que nos reconciliou consigo mesmo por meio de Cristo e nos deu o ministério da reconciliação, a saber, que Deus estava em Cristo reconciliando consigo o mundo, não imputando aos homens as suas transgressões, e nos confiou a palavra da reconciliação”. Jesus reconciliou o homem com Deus através do seu sangue. Essa mensagem foi confiada à Igreja a fim de que muitos reconheçam Deus como o Pai e tratem uns aos outros como irmãos.

Minha conclusão é simples, mas não simplista. É possível viver num mundo de opiniões divergentes, mas sem hostilidades, se a Igreja realizar o seu trabalho de reconciliação. Não se pode querer reconciliar alguém à distância. A proximidade é importante para se lograr êxito. É o que as pesquisas indicam. Assim como é a instrução das Sagradas Escrituras. O que nos falta?

JR Vargas é pai do Lucas Campos Vargas; Pastor Plantador da Igreja Presbiteriana das Américas, na Barra da Tijuca, RJ; Radialista, Apresentador do Debate 93, da Rádio 93FM; Escritor; Graduado e Pós-graduado em Comunicação Social e Teologia.