Só tem valor aquilo que você valoriza

Amar é demonstrar o quanto o outro é importante dentro e fora do ambiente do lar

Josué Gonçalves - 21/07/2018 08h00

Prezados leitores do Pleno.News, hoje quero tratar de um assunto muito importante dentro de um relacionamento: a valorização do outro. Pois é impossível amar e não demonstrar. Por isso, eu digo: reconheça sempre o valor do seu cônjuge!

No livro de Cantares, de Salomão, está escrito: “Ele me leva ao salão de festas e mostra a todos o quanto me ama” (2:4). Uma das razões porque todas as mulheres gostam de andar de mãos dadas com o marido em público é porque, dessa forma, ele está demonstrando seu amor. E isso lhe dá segurança. A mulher tem necessidade de expressar e experimentar amor dessa maneira.

A Bíblia, no livro de Provérbios, capítulo 31, traça o perfil de uma mulher cujo valor é reconhecido por aqueles que lhes são importantes: marido e filhos. Vamos considerar apenas seis qualidades dessa mulher:

  1. Generosa (v. 20): Sabe ouvir o coração.
  2. Criativa (v. 16): Usa seus dons em benefício da família.
  3. Otimista (v. 25): É capaz de enxergar possibilidades nas dificuldades.
  4. Trabalhadora (v. 27): Não come o pão da preguiça.
  5. Precavida (v. 21): Pensa antecipadamente.
  6. Grande esposa e mãe excelente (vs. 16,29-30): É a causadora do sucesso do marido e dos filhos.

Mas, o texto do capítulo 31 de Provérbios estaria incompleto se não houvesse o registro dos versos 29 e 30: “Seus filhos dizem aos colegas: ‘Minha mãe é formidável! ’ É a melhor mãe do mundo! Seu marido diz a ela, cheio de orgulho: ‘Pode haver muitas boas esposas neste mundo, mas eu tenho certeza que nenhuma delas é melhor que você”. Isso é reconhecimento!

O reconhecimento dos filhos e do marido eleva a autoestima da esposa e contribui para que o casamento se torne cada vez mais prazeroso.

No ano de 2007, no mês de maio, no dia do aniversário da minha esposa, Rousemary, nós estávamos em um encontro nacional de pastores, na cidade de Santos, São Paulo. Eu era um dos pastores convidados para ministrar naquela manhã.

Quando assumi a plataforma para falar aos 3.500 líderes presentes, resolvi fazer uma surpresa para minha esposa com uma declaração pública de amor, reconhecendo o seu valor. Anunciei que era o aniversário dela, pedi para que ela ficasse em pé e disse: “Minha querida, nos invernos rigorosos da vida, você foi o cobertor que não deixou a minha alma morrer de frio. Te amo muito! Feliz aniversário!!!”.

Naquele dia, ficou claro que, de todos os presentes que ela ganhou, esse reconhecimento público foi o que mais marcou o seu coração.

Os casais precisam descobrir “o poder da apreciação” e o reconhecimento público do valor do outro. Esta é uma necessidade da alma de todos nós. Amar é demonstrar o quanto o outro é importante dentro e fora do ambiente do lar.

O reconhecimento do valor do outro pode desencadear processos de cura, de libertação e mudanças que não podem ser dimensionadas. Eu sempre recebo histórias interessantes através de emails, mas uma que recebi, recentemente, chamou minha atenção e me fez repensar a vida. Quero compartilhá-la com vocês.

“O mistério da fita azul
Uma professora de determinado colégio decidiu homenagear cada um dos seus formandos dizendo-lhes da diferença que tinham feito em sua vida de mestra. Chamou um de cada vez para a frente da classe. Começou dizendo a eles a diferença que tinham feito para ela e para os outros da turma. Então deu a cada um uma fita azul, gravada com letras douradas que diziam: ‘Quem Eu Sou Faz a Diferença’.

Mais adiante, resolveu propor um projeto de classe para a turma, para que pudessem ver o impacto que o reconhecimento positivo pode ter sobre uma comunidade. Deu aos alunos mais três fitas azuis para cada um deles, com os mesmos dizeres, e os orientou a entregarem as fitas para as pessoas de seu conhecimento, aquelas que eles consideravam que desempenhavam um papel diferente. No entanto, alertou aos alunos que os mesmos deveriam acompanhar o “jogo” para ver quem homenagearia quem e, ao final de uma semana, informar os resultados à classe.

Um dos rapazes procurou um executivo iniciante em uma empresa próxima e o homenageou por tê-lo ajudado a planejar sua carreira. Deu-lhe uma fita azul, pregando-a em sua camisa. Feito isso, deu-lhe as outras duas fitas, dizendo: “Estamos desenvolvendo um projeto de classe sobre reconhecimento e gostaríamos que você escolhesse alguém para homenagear. Vou lhe dar mais duas outras fitas para que você também possa homenagear outra pessoa e, assim, manter esse projeto vivo. Mas, depois, por favor, conte-me o que percebeu ter acontecido”.

Mais tarde, naquele dia, o executivo iniciante procurou seu chefe, que era conhecido, por sinal, como uma pessoa de difícil trato. Pediu que seu chefe se sentasse e disse-lhe o quanto o admirava pelo seu gênio criativo.

O chefe pareceu ficar muito surpreso. O executivo subalterno perguntou se ele aceitaria uma fita azul e se lhe permitiria colocá-la nele. O chefe, surpreso, respondeu-lhe: “É claro”. Afixando a fita no bolso da lapela, bem acima do coração, o executivo deu-lhe mais uma fita azul igual e pediu: “Leve esta outra fita e passe-a a alguém que você também admira muito”. E explicou sobre o projeto de classe do menino que havia dado a fita a ele próprio.

No final do dia, quando o chefe chegou à sua casa, chamou seu filho de 14 anos e o fez sentar-se diante dele. E disse-lhe: “Uma coisa incrível me aconteceu hoje. Eu estava em minha sala e um dos executivos subalternos veio e me deu uma fita azul pelo meu gênio criativo. Imagine só! Ele acha que sou um gênio! Então me colocou esta fita que diz que ‘Quem Eu Sou Faz a Diferença’. Deu-me uma fita a mais, pedindo que eu escolhesse alguma outra pessoa que eu achasse merecedora de igual reconhecimento. Quando vinha para casa, enquanto dirigia, fiquei pensando em quem eu escolheria e pensei em você. Gostaria de homenageá-lo. Meus dias são muito caóticos e quando chego em casa, não dou muita atenção a você. Às vezes, grito com você por não conseguir notas melhores na escola e por seu quarto estar sempre uma bagunça. Mas, por alguma razão, hoje, agora, me deu vontade de tê-lo à minha frente, simplesmente para dizer que você faz uma grande diferença para mim. Além de sua mãe, você é a pessoa mais importante da minha vida. Você é um grande garoto, filho. Sua mãe e eu te amamos!”.

O menino, pego de surpresa, desandou a chorar convulsivamente, sem parar. Ele olhou seu pai e falou, entre lágrimas: “Pai, poucas horas atrás eu estava no meu quarto e escrevi uma carta de despedida endereçada a você e à mamãe explicando porque havia decidido suicidar e lhes pedindo perdão. Pretendia me matar enquanto vocês dormiam. Achei que vocês não se importavam comigo. A carta está lá em cima, mas acho que, afinal, não vou mais precisar dela!”.

O pai foi lá em cima e encontrou uma carta cheia de angústia e de dor.

Aquele homem foi para o trabalho no dia seguinte completamente transformado. Ele não estava mais ranzinza e fez questão de que seus subordinados soubessem a diferença que cada um deles fazia. O executivo que deu origem a isso ajudou muitos outros a planejar suas carreiras e nunca esqueceu de lhes dizer como cada um havia feito uma diferença grande em sua vida, sendo um deles o filho do próprio chefe.

A consequência desse projeto é que cada um dos alunos que participou dele aprendeu uma grande lição: de que ‘quem você é faz, sim, uma Grande Diferença’”.

Observe que o fato de o pai não reconhecer o valor do filho estava gerando naquele garoto o desejo de tirar a própria vida. Nada é pior do que viver em um ambiente onde um não reconhece o valor do outro. “O que não é reconhecido não é celebrado”, disse o escritor e pastor, Mike Murdock.

Essa história nos mostra que as coisas de maior valor em um relacionamento não custam dinheiro. Lembre-se:

  • O seu cônjuge quer sentir que tem valor para você.
  • Um elogio afirma o valor da pessoa e a fortalece.
  • Os elogios que você faz em público são mais produtivos.
  • A motivação é o oxigênio da alma.
  • Não espere que o seu cônjuge adivinhe o que você deveria declarar em forma de palavras e gestos.
  • Surpreenda seu cônjuge com atitudes carregadas de reconhecimento. Isso vai fazer toda a diferença no casamento.

Só tem valor aquilo que você valoriza. Não podemos ser como as crianças, que abrem mão de uma barra de ouro por uma barra de chocolate porque não sabem diferenciar o valor do “ouro” em relação ao “chocolate”.

Todos nós temos qualidades e defeitos. Você seria capaz de listar as qualidades do seu cônjuge, ou seja, aquilo que você reconhece que faz parte do seu lado bom? Proponho um pequeno exercício. Pegue uma caneta, um papel e vá copiando da lista que coloco a seguir, as qualidades que você percebe em seu(sua) companheiro(a):

  1. Trabalhador(a)
  2. Honesto(a)
  3. Paciente
  4. Disciplinado
  5. Organizado(a)
  6. Determinado(a)
  7. Corajoso(a)
  8. Grato(a)
  9. Conciliador(a)
  10. Gentil
  11. Perdoador(a)
  12. Sensível
  13. Otimista
  14. Caprichoso(a)
  15. Romântico(a)
  16. Generoso(a)
  17. Visionário(a)
  18. Prudente
  19. Humilde
  20. Bem-humorado(a)

Reconhecer os pontos positivos do cônjuge contribui para o seu crescimento. Ninguém melhora apenas quando os seus defeitos são observados. Amar é acreditar no potencial oculto da pessoa amada.

O pastor David J. Merkh, em uma das suas palestras para casais, contou que um casal, após a cerimônia do casamento, viajou para passar a lua de mel em um lugar muito interessante. Ao chegar ao hotel onde ficariam hospedado, ainda no corredor, indo para o quarto, o marido, num gesto muito romântico, pegou a jovem esposa no colo e a levou até a cama.

Num ato impensado, querendo logo no começo corrigir a esposa, disse-lhe: “Querida, durante esse tempo de convivência, observei alguns defeitinhos em você. Será que eu posso falar sobre isso agora?”.

Ela respondeu: “Querido, acho que não. Eu convivo com esses defeitinhos há muito mais tempo que você. Por isso, eu os conheço muito bem e, se eu não os tivesse, teria arrumado um marido melhor do que você”.

Dá para imaginar como ficou o clima na primeira noite de lua de mel?

A unidade conjugal cresce quando o casal busca fortalecer as qualidades do outro, reconhecendo assim o seu valor.

Lembre-se: Só tem valor aquilo que você valoriza! E que Deus os abençoe!

Josué Gonçalves é terapeuta familiar, escritor, pastor e apresentador do programa Família Debaixo da Graça, transmitido pela RedeTV!. Trabalha com o tema Família há 27 anos.