Seu casamento é uma sociedade – parte 3

A transparência, baseada no princípio cristão da verdade, é como um muro que nós levantamos em torno do nosso casamento. É ela que sustenta essa sociedade

Josué Gonçalves - 18/08/2018 08h00

Prezados leitores do Pleno.News, quero dar continuidade à série de reflexões do casamento como sociedade. Hoje quero abordar um tema bem delicado: a necessidade de se construir um espaço seguro, onde os dois possam confessar suas tentações…

Essa tem sido uma das bandeiras que tenho levantado dentro do meu ministério, seja nas ministrações que faço em igrejas e congressos Brasil adentro, seja na televisão e no rádio também. Pois o casal precisa ter maturidade, criando um espaço seguro dentro de casa, onde ambos tenham a liberdade de confessar as tentações a que são submetidos, sem medo da estupidez e da ignorância do outro. E para que isso aconteça é preciso que cada um seja maduro o suficiente para ouvir e estender ajuda.

Quem ganha ou quem lucra com isso? O casamento, a sociedade conjugal que vocês têm mantido.

Cabe aqui outra pergunta, agora às mulheres. Imagine se o seu marido viesse até você e dissesse: “Querida, lá onde eu trabalho tem uma mulher que há um mês vem me perturbando. Por último, ela mandou esse bilhete para mim, me convidando para sair com ela. Eu não cedi. Mas confesso que está mexendo comigo. Por isso, estou contando para você, porque você é a mulher da minha aliança. Você é a minha sócia nesse casamento”.

Pergunto: O que você faria ou diria ao seu marido?

Se bem conheço algumas esposas, estas diriam: “Para cima de mim, meu querido? Você já foi para cama com essa sem-vergonha. Olha bem nos meus olhos e diga que não foi!”.

Que tipo de reação seria essa? É típica de quem recebeu uma informação e não a processou adequadamente. Uma notícia como essa, dada por esse marido, não pode ser tratada de tal maneira, levianamente, porque nenhum marido seria estúpido o suficiente para expor-se num nível desses, num assunto tão delicado para as mulheres como é a traição.

Geralmente, quando um homem chega a ponto de compartilhar essa situação com sua esposa, é porque ele está sendo sincero e precisa de ajuda. Se ele sorriu para ela no começo, se ele foi gentil com ela e deu ocasião para chegarem a esse ponto, essa não é a questão-chave agora. Do contrário, se ele tivesse tirado proveito da situação, guardaria silêncio sobre o caso até que alguém o desmascarasse ou até que ele mesmo tivesse a iniciativa de parar com as suas aventuras extraconjugais.

A esposa que reage assim demonstra imaturidade e falta de sabedoria? A Bíblia diz: “A mulher sábia edifica a sua casa (seu casamento)” (Provérbios 14:1). Algumas mulheres fazem uma leitura equivocada das informações e dos sinais que seus maridos dão, e em vez de ajudá-los a vencer a tentação, elas o empurram para o colo da outra interessada. Assim, a precipitação acaba gerando o resultado contrário ao que elas queriam obter – isso quando não acontece algo pior, como inibir para sempre o marido de ser transparente com sua esposa.

Há maridos que desenvolveram tão alto grau de desconfiança e temor sobre as possíveis reações de suas esposas, que acabam se fechando e vivem sofrendo solitariamente, carregando fardos que poderiam ser facilmente aliviados se houvesse um gesto de compreensão e a transparência fosse promovida na sua sociedade.

Eu já tive a oportunidade de viver uma experiência na qual coloquei à prova a transparência na minha sociedade com a minha esposa, Rousemary.

Na ocasião, eu confessei uma tentação a ela e tivemos uma ocorrência diferente da que relatei nos parágrafos anteriores. Passamos uma crise de dois meses, é verdade. Sim, houve inicialmente uma resposta não muito amistosa, o que não significa que houve uma reação negativa. Um clima tenso ficou instalado, mas até hoje eu aplaudo a atitude que a minha esposa teve comigo. Em nenhum momento, após ela ouvir o que eu compartilhei, fui chamado de safado, sem-vergonha ou de adúltero, até porque eu estava confessando uma tentação.

De minha parte, foi preciso muita responsabilidade e dignidade. Ela chorou comigo, nós oramos juntos e aconteceu o que era previsto, o que a Palavra de Deus nos garante: o Diabo foi vencido e o nosso casamento saiu fortalecido.

O que é preferível: confessar uma tentação ou confessar um adultério consumado?

Maridos: habituem-se à ideia de sentar com suas esposas e abrir o coração para elas. As esposas também devem praticar o princípio da transparência quanto às suas tentações.
Esposas: aprendam a ouvir o que o seu marido tem a dizer para que possam ajudá-lo.
E vice-versa.

Quem não quer ouvir hoje que seu cônjuge está sendo tentado, pode ser obrigado a ouvir amanhã que ele já adulterou. Você prefere que ele confesse uma tentação? Ou quer esperar que amanhã ele confesse um adultério?

Um adultério, quando consumado, arrebenta a alma da família, viola a reputação do evangelho, deixa todos envergonhados. Sejamos, então, sensatos, e vamos aprender a lidar com o mal de maneira madura, responsável e enquanto ele pode ser removido e o corpo, curado. Lemos na epístola de Tiago: “Confessai, pois, os vossos pecados uns aos outros e orai uns pelos outros, para serdes curados. Muito pode, por sua eficácia, a súplica do justo” (5:16).

INTERNET: BÊNÇÃO OU MALDIÇÃO NA VIDA DOS CASAIS
A situação na qual um cônjuge é posto no limite de suas forças, onde a tentação vem ostensivamente, pode ser outra. As redes sociais, por exemplo, são uma realidade cada vez mais presente na vida das pessoas. Sites de relacionamentos, sites que convidam a conhecer novas pessoas e até mesmo os mais explícitos, os sites pornográficos. Essa também é uma questão que precisa ser levada à mesa de discussões. Essa é uma situação que precisa ser relatada, porque também faz parte da prestação de contas relacionadas à transparência.

Há maridos, e também esposas, que não estão conseguindo lidar bem com essas novas tecnologias. E sabemos que o que há por trás é o velho pecado, que nunca vem vestido de luto – ele sempre se apresenta em trajes de gala. Quando há o descuido, a desatenção, o momento nebuloso na sociedade com o seu cônjuge, então temos criado o cenário perfeito para o problema que queremos evitar.

A questão dos relacionamentos virtuais há muito deixou de estar restrita aos bate-papos ou somente aos adolescentes, e passou para a vida real dos casais e das famílias. No início, esses sites eram novidade no Brasil, os educadores diziam que os relacionamentos que eram frutos desse ambiente virtual não deveriam receber atenção, porque eles não se consumavam em aproximação efetiva e humanos necessitam de aproximação.

Hoje a situação é bem outra. De manhã um casal se conhece pela internet, no almoço já pode encontrar-se, sair juntos, arruinar sua vida, carreira, reputação e ferir profundamente aqueles a quem ambos amam e de quem recebem amor.

Essa é uma situação que também precisa ser tratada por meio do diálogo transparente. E quero registrar que caso você não saiba como lidar com essa questão, nós temos em nosso ministério uma equipe treinada que poderá auxiliá-lo no tratamento adequado para vencer esse mal. Procure-nos e nós daremos uma direção a você: “Portanto, confessem os seus pecados uns aos outros e orem uns pelos outros para serem curados” (Tiago 5:16).

Alguém está sendo tentado a fazer um negócio imoral, que envolve muito dinheiro, mas que é ilegal? Abra o coração com o seu cônjuge, confesse ao seu sócio matrimonial. E aplique esse princípio em cada área de sua vida onde você avista um problema futuro. Aprenda a estreitar os laços de confiança, respeito e amor mútuos, para que ter uma família sadia. Quando tivermos um casamento ajustado, teremos uma família sadia.

E sabe quando é que a Igreja vai ser uma referência nesse país? Quando os maridos cristãos cuidarem bem das esposas e quando as esposas cuidarem bem dos maridos e houver entre os dois lealdade, transparência e prestação de contas. Teremos saúde e maturidade quando o marido puder discipular a sua mulher e a mulher puder ajudar o seu marido, e isso só será possível no dia em que ambos se exercitarem na transparência, sentando-se para prestar contas um ao outro.

As implicações desse comportamento serão maiores ainda. E posso adiantar que casais que se permitem abrir o coração um ao outro vão lucrar até mesmo em suas vidas espirituais. A sua vida com Deus será afetada, para melhor, pois o Senhor sempre recompensa casais que, juntos, diante de uma questão problemática, oram, jejuam, fazem novas alianças e têm novos objetivos um com o outro e com Deus.

Vejam, como os lucros são cumulativos numa questão que poderia ser a própria ruína da sua sociedade. Se optasse por ocultar o problema de uma aparente tentação ela poderia evoluir para um fato consumado e desembocar num litígio, num dano muito maior. No entanto, ao escolher ser transparente, fazer a prestação de contas do que você receia e do que ronda o seu coração, você se aproxima mais ainda do seu sócio e isso o leva para mais perto do Senhor; que, por sua vez, contempla a sinceridade e a seriedade com que vocês cuidam da sua relação. Isso jamais poderá causar prejuízos a alguém. É impossível que uma atitude dessas redunde em danos para alguém. Vocês só sairão ganhando se agirem dessa forma.

A transparência, baseada no princípio cristão da verdade, é como um muro que nós levantamos em torno do nosso casamento. A partir de hoje, sejam mais transparentes no seu relacionamento. Esposas, sejam mais sinceras com seus maridos; maridos sejam mais abertos com suas esposas e levantem uma muralha de proteção em torno do seu principal negócio: o seu casamento, a sua família, o seu lar.

E para finalizar este ponto, preciso dizer que o momento mais fácil para você resistir à tentação é quando ela começa. Você conhece o ditado que diz que o mal deve ser cortado pela raiz. Acredite nisso. O ditado é popular, não está escrito dessa forma na Bíblia, mas acredite: ele expressa a verdade, que é o que nos interessa.

Conhecer a realidade sobre o que está no coração da pessoa com quem vivemos equivale a ter segurança. Quem constrói sua vida, seus projetos, suas expectativas sobre fatos verdadeiros tem mais segurança. Jesus mesmo disse que quem edifica sobre a Rocha (que é a Verdade) não tem surpresas desagradáveis no dia da tempestade: “Quem ouve estas minhas palavras e as pratica é como um homem prudente que construiu a sua casa sobre a rocha. Caiu a chuva, transbordaram os rios, sopraram os ventos e deram contra aquela casa, e ela não caiu, porque tinha seus alicerces na rocha” (Mateus 7:24,25).

É tão bom vermos quando o homem é tão íntegro no trato com sua mulher amada, que quando surge uma calúnia ela pode dizer: “Eu conheço a índole do meu marido e ele seria incapaz de fazer isso”.

Do mesmo modo como é tão bom quando o marido conhece bem o caráter e a integridade da sua esposa, comprometida com a verdade, que quando alguém vem contar-lhe alguma falsa notícia ele pode dizer: “Eu conheço a índole da minha mulher e sei que ela seria incapaz de fazer isso”.

Nós só chegaremos a esse nível, a esse estado, se levarmos muito a sério a transparência em nosso relacionamento conjugal.

Josué Gonçalves é terapeuta familiar, escritor, pastor e apresentador do programa Família Debaixo da Graça, transmitido pela RedeTV!. Trabalha com o tema Família há 27 anos.