Empreender agrada a Deus

Jesus ama ver as pessoas agindo em fé para intentar algo, mudar uma realidade, abençoar a sociedade e salvar cidades

Josué Valandro Jr. - 10/04/2019 13h34


Falar de negócios, para muitos, é interromper qualquer fala sobre coisas espirituais. Alguns ainda caem na tentação de desassociar os sonhos de Deus para nós dos sonhos de empreendedorismo que consigamos construir. Será que isso realmente tem que ser assim? Pensando nisso e consultando as Escrituras Sagradas, descobrimos que Jesus falou sobre negócios e empreendedorismo em uma das mais famosas parábolas que contou.

Em Mateus 25:14-30 Jesus conta a seguinte história: “Tendo um homem a necessidade de viajar, reuniu seus servos e lhes confiou seus bens. A um deu cinco talentos; a outro dois; e a outro um, segundo a capacidade de cada um. Depois partiu. Logo em seguida, aquele que recebeu cinco talentos negociou com eles; fê-los produzir e ganhou outros cinco. Do mesmo modo, o que recebeu dois, ganhou outros dois. Mas, o que recebeu apenas um, foi cavar a terra e escondeu o dinheiro de seu senhor. Muito tempo depois, o senhor daqueles servos voltou e pediu-lhes as contas. O que recebeu cinco talentos aproximou-se, apresentou outros cinco e disse: “Senhor, confiaste-me cinco talentos; eis aqui outros cinco que ganhei”. Disse-lhe seu senhor: “Muito bem, servo bom e fiel; já que foste fiel no pouco, eu te confiarei muito. Vem regozijar-te com teu senhor”. O que recebeu dois talentos, adiantou-se também e disse: “Senhor, confiaste-me dois talentos; eis aqui os dois outros que lucrei”. Disse-lhe seu senhor: “Muito bem, servo bom e fiel; já que foste fiel no pouco, eu te confiarei muito. Vem regozijar-te com teu senhor”. Veio, por fim, o que recebeu só um talento: “Senhor, disse-lhe, sabia que és um homem duro, que colhes onde não semeaste e recolhes onde não espalhaste. Por isso, tive medo e fui esconder teu talento na terra. Eis aqui, toma o que te pertence”. Respondeu-lhe seu senhor: “Servo mau e preguiçoso! Sabias que colho onde não semeei e que recolho onde não espalhei. Devias, pois, levar meu dinheiro ao banco e, à minha volta, eu receberia com os juros o que é meu. Tirai-lhe este talento e dai-o ao que tem dez. Dar-se-á ao que tem e terá em abundância. Mas ao que não tem, tirar-se-á mesmo aquilo que julga ter. E a esse servo inútil, jogai-o nas trevas exteriores; ali haverá choro e ranger de dentes”.

Nesta parábola, Jesus está claramente dando um exemplo dos negócios para ensinar sobre o Reino de Deus. Ele não está declarando que o objetivo do homem deve ser seus negócios, mas que empreender é o que se espera de todos nós. Em Lucas 18:25, Jesus alerta sobre o risco da riqueza: “É mais fácil um camelo passar pelo buraco da agulha do que um rico entrar no reino dos céus”. Vemos ainda que, quando as pessoas fizeram do Templo de Jerusalém uma feira de negócios, ele os exortou com veemência.

Jesus mostra na parábola, e em muitas situações, que ama ver as pessoas agindo em fé para intentar algo, mudar uma realidade, abençoar a sociedade e salvar cidades. A questão é que Jesus tinha critérios nos negócios. Ele apoiava quando estes eram moralmente dignos, se os negócios não eram mais importantes do que as pessoas e se os negócios eram instrumentos para a vida, e não a própria vida.

Deus não tem nada contra a riqueza, vide Salomão, Abraão e Isaque. Deus não tem problema com a fama, vide Daniel, o Rei Davi e José do Egito. Deus só quer que o dinheiro seja um meio e nunca um fim para nossos sonhos. Enfim, Deus se agrada em ver as pessoas saindo de sua zona de conforto e fazendo algo produtivo que traga resultados para as pessoas, ainda que também isso lhes traga lucro financeiro.

O próprio Jesus aprendeu uma profissão, herdou uma carpintaria do pai e decidiu abandonar os negócios da família para montar sua própria missão, atendendo ao chamado do Pai. Jesus foi um tremendo empreendedor. Seu empreendimento alcançou o mundo e resistiu a dois mil anos de ataques. Este empreendedorismo lhe custou a vida, mas também lhe garantiu a ressurreição, que nos garante vida eterna.

Empreenda! Acredite! Deus é com aqueles que vivem pela fé!

Josué Valandro Jr. é o pastor presidente da Igreja Batista Atitude da Barra, no Rio. Mestre em Teologia pelo Southeastern Baptist Theological Seminary, na Carolina do Norte (USA), se graduou pelo Seminário Teológico Batista do Sul do Brasil e também em Informática pela PUC-RJ. Possui pós-graduação em gestão estratégica de recursos humanos pela UNILESTE-MG. Casado com Bianca, Valandro é pai do Lucas e do Gabriel. Acompanhe no Instagram, Facebook, Twitter e Youtube.

Clique para receber notícias
WhatsApp
Entre e receba as notícias do dia
Entrar no Grupo