Sinergia social. O foco é servir!

Seremos mais felizes quando a soma de nossos propósitos individuais conseguir convergir para um acréscimo na melhoria da qualidade de vida de todos

Fábio Guimarães - 13/08/2018 13h01

“As pessoas importam”. “O bem-estar do próximo influência em minha vida”. Muitos concordam com estas afirmações, nem todos vivem por elas.

O mundo “eclesiástico, corporativo, esportivo etc…” está descobrindo a importância do bem-estar coletivo. Na igreja, você sempre ouviu “ame seu irmão como ama a si mesmo”. A frase é linda, a operacionalização dela nem tanto.

“Jesus te ama, Ele está contigo, vai te ajudar no que você precisar”. A afirmação não é tão difícil de balbuciar. Já parar, refletir e agir no sentido de que se “o Espírito Santo habita em mim, Santíssima Trindade, então Jesus habita em mim, logo se Jesus ama meu irmão de forma incondicional eu também preciso amá-lo, se Jesus está com ele eu também preciso estar, se Jesus vai ajudá-lo no que ele precisar eu também preciso ajudá-lo.” Agora a afirmação já ficou mais complicada, você deixou de terceirizar para um Jesus “exterior” suas afirmações e passou a fazer parte da resolução da obra de Cristo na vida do seu irmão. Preparado para isso? Espero que sim.

O mundo corporativo também já descobriu que a afirmação “o freguês tem sempre razão” não é suficiente. Temos milhares de clientes insatisfeitos com produtos e serviços. Reclamações de telemarketing, propagação de ações públicas de fiscalizações, PROCON, juizados especiais, empresas de cliente oculto, sites especializados em resolução de conflitos e reclamações.

Especialistas em administração, nas últimas décadas, já trabalham com o conceito de “pirâmide invertida”, onde o cliente é o centro de gravitação das empresas, a chamada “revolução do cliente”. Empresas de ponta tentam mudar sua cultura organizacional no sentido de introduzir em seus colaboradores o conceito de que, no longo prazo, só as empresas que conseguirem desviar a atenção de si mesmas para concentrar suas energias em servir seus clientes vão sobreviver.

Os esportes coletivos cada vez mais dão ênfase a preparação física e técnica de seus atletas, mas sempre buscando que a sinergia entre eles prevaleça em relação à individualidade. Um superatleta que não entender que ele faz parte de um todo, mais do que nunca, terá dificuldade de atuar em alto nível.

O ser humano é individualista por natureza, não existe nada de errado em querer o melhor pra si, mas o fato é que seremos mais felizes quando a soma de nossos propósitos individuais conseguir convergir para um acréscimo na melhoria da qualidade de vida de todos. Podemos denominar este conceito como sinergia social.

Vamos em frente. Boa semana a todos.

Fábio Guimarães é economista, formado pela UFRRJ com MBA em Gestão de Negócios pelo IBMEC-RJ. Palestrante, consultor e debatedor, atuou por mais de 10 anos como gestor nas áreas de trabalho e renda e desenvolvimento econômico.