Redação Enem 2017 – tema perfeito!

O desenvolvimento de uma nação passa pelo poder de inclusão, respeito às diferenças e mudanças culturais de padrões estabelecidos, hábitos e atitudes

Fábio Guimarães - 06/11/2017 11h11

 

Nosso bate papo na coluna desta semana seria sobre a geração de empregos no país, não será mais, mudamos de ideia. O motivo dessa mudança foi o acontecimento, ontem, da primeira fase da prova do Enem 2017. Mais de 6,7 milhões de brasileiros estavam inscritos para realizar o exame unificado que é a porta de entrada para as universidades brasileiras.

Por que mudamos o assunto da coluna? Porque precisamos falar sobre o tema da redação do ENEM ocorrido ontem: Os desafios para a formação educacional de surdos no Brasil.

Há anos os temas de redação do ENEM são controversos, questionados por gente da esquerda e da direita, muitos declarando que são eivados de conteúdo ideológico e coisas do gênero. Sem entrar no mérito das edições passadas o fato é que o Ministério da Educação fez um “gol de placa” com o tema deste ano. Ele é atual, importante, inclusivo e todos nós deveríamos investir algum tempo de nossas vidas para pensar neste tema; e, como se fôssemos fazer a redação, buscarmos argumentos e propostas para melhorar a vida das pessoas com deficiência em nosso país.

O desenvolvimento de uma nação passa pelo poder de inclusão, respeito às diferenças e mudanças culturais de padrões estabelecidos, hábitos e atitudes.

Sugiro aos amigos leitores que invistam alguns minutos do seu tempo hoje para pensar o que você faria para ajudar a sociedade a incluir as pessoas surdas no processo de educação e formação profissional.

Eu fiz minha primeira redação valendo nota para o vestibular (naquela época o Enem não existia… [risos]) há quase 20 anos e ainda hoje busco acompanhar o desenvolvimento da educação no Brasil.

Por fim, se você se empolgar, assim como eu me empolguei, tente fazer você a sua redação e assim explorar soluções para o problema real trazido à tona pelo tema redacional. Eu tentei. Os desafios são muitos, foquei em três. Segue abaixo o que seria a minha redação.

A inclusão é a solução

A educação é o único caminho possível para termos uma sociedades justa, com níveis de oportunidades iguais para todos. As pessoas surdas precisam ter as mesmas oportunidades de estudo e acesso ao mercado de trabalho. Para isso, temos muitos desafios a superar, dentre os quais destacamos a capacitação de professores na linguagem de sinais, a produção de material didático e pedagógico adequados à linguagem de LIBRAS e a conscientização da sociedade sobre a importância de seu papel social na inclusão dessas pessoas.

O bom professor rompe barreiras, é a porta de entrada para seus alunos adentrarem em um mundo novo. Estamos na era da informação, conhecimento é poder; com isso a nobre missão de educar ganha ainda mais importância, professores motivados, capacitados e em constante aperfeiçoamento profissional, em especial na linguagem de sinais e metodologia de ensino para esse público, poderão ensinar as pessoas surdas com a mesma qualidade que ensinam aos outros alunos.

A importância da sociedade investir em material didático transcrito para a linguagem de sinais é vital para o sucesso da formação educacional das pessoas surdas. Neste contexto, a tecnologia precisa ser utilizada de forma plena. Livros, textos, teses e artigos precisam estar disponíveis para acesso as pessoas surdas em sua plenitude.

Agora, sem dúvida, o maior desafio para o Brasil é romper valores culturais arraigados, entendendo e conscientizando a população sobre a importância de serem atores nesse processo de mudança social, valorizando cada indivíduo surdo, respeitando suas particularidades, estimulando seu desenvolvimento educacional e profissional, valorizando assim o saber de cada cidadão.

Por fim, não podemos deixar de destacar que a população surda cresce no país a cada ano e as matrículas em escolas, inclusivas e exclusivas, declinaram nos últimos cinco anos. Isso é um alerta de retrocesso, o governo e a sociedade precisam enfrentar com ousadia e responsabilidade esse desafio de buscar a inclusão dos surdos no contexto educacional brasileiro.

Fábio Guimarães é economista, formado pela UFRRJ com MBA em Gestão de Negócios pelo IBMEC-RJ. Palestrante, consultor e debatedor, atuou por mais de 10 anos como gestor nas áreas de trabalho e renda e desenvolvimento econômico.