Economia Solidária

Estudos apontam que aproximadamente 2 milhões de brasileiros atuam na esfera da economia solidária

Fábio Guimarães - 12/09/2017 16h40

Economia solidária / Foto: Pixabay

A economia solidária é uma importante alternativa para geração de trabalho, renda, inclusão social e promoção do desenvolvimento justo no Brasil.

As iniciativas econômicas de seus agentes são organizadas de forma coletiva, seja através de associação, cooperativas, grupos de produtores, redes de produção, clubes de troca, entre outras.

Neste contexto os trabalhadores são também gestores de seus negócios, trabalhando de forma conjunta, seja para produzir, trocar ou comercializar seus produtos. O resultado deste empreendimento é dividido entre seus participantes.

Os princípios que norteiam a economia solidária são:

Solidariedade – Preocupação constante com a justiça social, o bem-estar de todos os envolvidos no processo e, por fim, uma relação harmoniosa com a sociedade em todos os campos, com destaque para as ações ambientais, populares e de desenvolvimento sustentável.

Cooperação – Todos os trabalhadores atuam de forma colaborativa, numa união de esforços em prol de um objetivo comum.

Autogestão – As decisões são colegiadas, todos têm voz e voto. A construção participativa é o pilar que diferencia a cultura organizacional dos empreendimentos solidários.

Ação Econômica – A motivação da criação do empreendimento é econômica, seja para comprar ou vender; produzir, trocar ou prestar serviços; consumir ou financiar ações.

Estudos apontam que aproximadamente 2 milhões de brasileiros atuam na esfera da economia solidária, divididos em mais de 30.000 empreendimentos e movimentando 12 bilhões de reais anualmente por todo país.

É importante destacar que todas as pessoas interessadas em participar de um empreendimento solidário podem se inscrever no Cadastro Nacional de Empreendimentos Solidários (CADSOL). Após este cadastramento os empreendimentos passam por uma análise e, se aprovados, recebem a Declaração de Empreendimento Econômico Solidário (DCSOL). Dentre outras ações, o documento permite que os empreendimentos recebam apoio público para capacitação e financiamento, participem de compras governamentais e feiras de comercializações solidárias. Mais informações podem ser obtidas no site do Ministério do Trabalho.


Fábio Guimarães é economista, formado pela UFRRJ com MBA em Gestão de Negócios pelo IBMEC-RJ. Palestrante, consultor e debatedor, atuou por mais de 10 anos como gestor nas áreas de trabalho e renda e desenvolvimento econômico.