A ascensão de Bolsonaro e o desespero da imprensa tradicional

Não podemos comparar candidatos à presidência desta forma: um condenado com todos os recursos de mérito exauridos, por colegiado, cumprindo pena e outro candidato que nunca foi condenado a nada 

Fábio Guimarães - 06/06/2018 15h41

 

Amigos leitores do Pleno.News, nós já enfatizamos aqui a importância da defesa dos valores democráticos em outros artigos, dentre outros fatores essa defesa passa por entender o papel da imprensa neste processo. Ela é vital, precisa ser livre sim, mas íntegra também.

Há quem diga que a mídia precisa ser imparcial, o debate sobre o tema é bom, eu pessoalmente, discordo, na essência todos nós temos posicionamentos, em praticamente todo o mundo desenvolvido a imprensa tem lado, tem posicionamento, isso não necessariamente é ruim.

Na medida que amadurecemos no processo democrático podemos conviver com veículos de imprensa que possuem sim posicionamento definido, liberais ou conservadores, esquerda ou direita, pouco importa desde que sejam honestos em suas reportagens e busquem através da verdade e só através dela embasar seus pontos de vista.

Dessa forma naturalmente os leitores/expectadores/ouvintes poderão definir quais veículos irão acompanhar em virtude do natural tangenciamento da linha editorial do veículo com suas ideias e valores. Isso faz parte do amadurecimento democrático de uma nação.

O problema no Brasil não passa necessariamente pela parcialidade dos veículos de imprensa e sim pelas matérias tendenciosas, que muitas vezes flertam com o irreal. Isso é preocupante.

A foto abaixo e o link da reportagem da revista Veja ilustram bem isso. Colocar o Lula e o Bolsonaro lado a lado na foto com o título “TSE decide se réus, como Lula e Bolsonaro, podem disputar a presidência” é de uma covardia, de uma falta de compromisso com a verdade que assusta.

Diz a matéria “Segundo artigo 86 da Constituição, o presidente fica suspenso de suas funções, se tiver denúncia acolhida pelo Supremo Tribunal Federal”. As indagações feitas pelo Deputado Marcos Rogério (DEM-RO), são válidas e merecem apreciação pela corte eleitoral, mas repare que a reportagem em nenhum momento cita a condenação definitiva do Ex-Presidente Lula, fato que por si só já deixou ele inelegível pela Lei da ficha limpa, logo, esse questionamento não atinge em nada Lula, o resultado dessa consulta em nada muda a vida do presidiário Lula da Silva. Fica a pergunta: Por que Lula e Bolsonaro na foto da matéria se Lula possui uma situação jurídica completamente diferente do Bolsonaro?

Não se trata de defender Bolsonaro, não, absolutamente não, quem nos acompanha por aqui sabe bem disso.

Não podemos comparar candidatos à presidência desta forma, um condenado, com todos os recursos de mérito exauridos, por colegiado, cumprindo pena, tendo como única alternativa recursos em tribunais superiores para avaliar a legalidade do processo e não o mérito da ação, além de outros processos onde é réu mas ainda não foi julgado com outro candidato que nunca foi condenado a nada.

Essa vala escura, do desespero de parte da imprensa que não consegue balizar seu trabalho pelos valores éticos que permeiam a tão importante atividade jornalística só ajuda a atrasar o Brasil.

É neste processo que candidatos com o perfil do Bolsonaro crescem.

A convergência tecnológica horizontalizou as relações sociais e o acesso à informação é a principal vertente deste novo modo de viver, parte da imprensa ainda não entendeu que não existe mais espaço para deixar de lado valores democráticos como honestidade e ética. Isso nada tem a ver com a alardeada dicotomia “parcialidade & imparcialidade da mídia.”

https://veja.abril.com.br/politica/tse-decide-se-reus-como-lula-e-bolsonaro-podem-disputar-presidencia/