2018 é “amanhã”!

Todos nós, na essência, dependemos da política, ela afeta diretamente nosso dia a dia

Fábio Guimarães - 04/12/2017 09h53

Os brasileiros estão estafados, não necessariamente de trabalho, infelizmente mais de 14 milhões de desempregados não possuem nem “esse privilégio”. Nós não aguentamos mais os noticiários sobre corrupção, impunidade, maracutaias, executivo irresponsável, legislativo corporativista e judiciário midiático.

É neste contexto de “enjoo social” que temos muitas decisões importantes para tomar e elas irão pautar as próximas décadas do país.

O que a imprensa e os políticos chamam de reformas, seja ela política, previdenciária, trabalhista, tributária, sindical, penal ou outro tema específico, nós brasileiros entendemos como decisões importantes para o futuro. Elas precisam ser discutidas com honestidade intelectual, responsabilidade social e, principalmente, acima das conveniências políticas.

Todos nós, na essência dependemos da política. Ela afeta diretamente nosso dia a dia; não apenas a política partidária e nossos representantes indiretos, mas também no contexto do nosso papel social enquanto ser político, pensante, e que de alguma forma podemos e devemos neste momento refletir, formular, discutir e apresentar respostas para as dificuldades de rumo do país.

 

A sociedade tem a sensação de que estamos “embalsamados” em um mar de lama. Como esperar que os tomadores de decisão tenham espírito puro, republicano, neste contexto? Não sei a resposta para essa pergunta, porém é responsabilidade nossa. Não se esqueça: 2018 é “amanhã”!

 

Fábio Guimarães é economista, formado pela UFRRJ com MBA em Gestão de Negócios pelo IBMEC-RJ. Palestrante, consultor e debatedor, atuou por mais de 10 anos como gestor nas áreas de trabalho e renda e desenvolvimento econômico.