Opinião Ellen Sarmento: Você tolera sua família?

3 dicas para você desenvolver mais tolerância na vida familiar

Ellen Sarmento - 06/04/2018 11h15

Queridos leitores do Pleno.News, hoje trarei um tema que será de grande valor e crescimento na vida em família.

Eu pergunto: Você tolera sua família?

Imagino que essa pergunta assuste, mas a tolerância é muito mais do que “aguentar” ou “ suportar” pai, mãe, marido, esposa, filhos e irmãos. Tolerância significa aceitar as diferenças de comportamento, crenças e ideias alheias. Significa também valorizar a própria família sem desqualificar a família do outro, buscando aceitar os parceiros amorosos dos familiares, por exemplo, como fruto de suas escolhas individuais.

Outro aspecto importante da tolerância familiar é reconhecer as possibilidades de tempo e espaço para cada encontro. Por exemplo, de um mate gelado em pé, num balcão da lanchonete da esquina; até umas férias todos juntos na casa da serra.

Uma coisa é fato: adquirir tolerância pelos familiares é assegurar a harmonia em seus relacionamentos. Essa é uma maneira de se centrar em sua própria vida, para que sendo potente em suas realizações, não precise exercer poder na vida dos outros.

Quero compartilhar três dicas de como ser mais tolerante:

1. Esteja aberto a opiniões diferentes
Somente quem é intolerante não aceita que as pessoas tenham a própria maneira de pensar e se manifestar. Mesmo que você mantenha a sua opinião, precisa aceitar outras possibilidades e você pode aprender e muito com elas.

2. Cultive o respeito mútuo
A despeito de qualquer situação, mesmo que de alguma forma você venha a se sentir ofendido, mantenha o respeito em relação ao seu familiar. Jamais o desconsidere, ridicularize ou humilhe. Lembre-se de que todos possuem direitos e nada justifica o desrespeito. No entanto, respeitar não é aceitar a ofensa, muito pelo contrário, é não deixar que ela nos abale emocionalmente.

3. Influencie pelo que você é
Não queira impor sua vontade, tampouco colonizar a mente dos seus familiares. No entanto, quando achar necessário influenciá-los analise muito bem se é realmente para o bem deles e, só se empenhe nisso na medida de seus direitos. Demonstre por palavras afetuosas e, principalmente, pelo exemplo que as coisas podem ser melhores, se vistas de outra forma. A linguagem da afetividade e da pacificação são capazes de grandes transformações.

O que quero dizer com tudo isso, é que a vida em família é de extrema importância para toda pessoa, para seu desenvolvimento emocional e social. Portanto, o lar deve ser construído como um refugio em meio à tempestade, pois é na família que devemos encontrar as forças necessárias para enfrentar as dificuldades do mundo. Então, exercendo e buscando a tolerância somamos amor e disposição para manter a unidade familiar e os maiores beneficiados seremos, certamente, nós mesmos.

Desejo que essa semente possa vir a ser multiplicada, e que essa informação lhe seja útil, queridos leitores!!!

Ellen Sarmento é psicóloga clínica e palestrante, com formação em terapia sistêmica familiar pela Núcleo Pesquisas. Especializada em atendimento familiar e de casal. Capacitada pelo Ackerman Institute, em Nova York, e pelo Instituto Bowen, em Washington.