Gerenciamento das emoções: Autonomia emocional

Autonomia emocional é uma competência ampla, que inclui autoestima, autoconfiança e automotivação

Ellen Sarmento - 08/12/2017 09h10

Queridos leitores, compartilharei sobre um tema de extrema relevância para nossa convivência em família: Gerenciamento das emoções. Meu desejo é que possamos mergulhar e adentrar em assuntos que serão uma grande ferramenta para gerar maior qualidade de vida emocional e familiar.

Então hoje abordaremos a autonomia emocional. O que é autonomia emocional? Você sabe? Não? Então vamos lá desvendá-la.

A autonomia emocional é uma competência ampla, que inclui autoestima, autoconfiança e automotivação. Envolve também uma atitude positiva diante da vida; a responsabilidade e a capacidade para analisar de forma crítica as normas e relações sociais. É ainda a capacidade para buscar ajuda e recurso e avaliar criticamente as mensagens que recebemos. Além disso é a capacidade para enfrentar situações adversas.

Essa autonomia emocional favorece a capacidade de gerar, em si próprio, as emoções convenientes no momento adequado, o que é muito difícil nas situações de alta pressão que muitas vezes passamos.

É importante mencionar, que desde o nascimento até os 12 anos, construímos nossa individualidade, principalmente pelo que vemos os outros fazerem ao nosso redor: família, professores e amigos.

Vale destacar, que se uma criança recebe a constante mensagem: “Você é uma criança muito responsável”, ou “você faz as coisas muito bem”, ou ainda “que bom! você sabe ouvir os outros”… Esse tipo de mensagem influenciará na construção de uma imagem positiva de si mesmo e isso colaborará para que ela se sinta segura emocionalmente, o que ao mesmo tempo favorece o desenvolvimento e a aprendizagem.

Se, de forma contrária, recebe mensagens como: “Você é uma criança má, não faz nada direito!” ou “você não sabe escutar os outros”… Essa criança construirá uma imagem negativa de si, e isso desencadeará sentimentos negativos que poderão favorecer o bloqueio do desenvolvimento e da aprendizagem.

Portanto, podemos concluir que a autonomia emocional é uma ferramenta que abre caminho para a empatia e o desenvolvimento das competências sociais, já que ser autônomo emocionalmente implica ter responsabilidade de respeitar os demais e desenvolver habilidades sociais positivas.

Desejo que esse conhecimento ajude você e venha a ser multiplicado!

Ellen Sarmento é psicóloga clínica e palestrante, com formação em terapia sistêmica familiar pela Núcleo Pesquisas. Especializada em atendimento familiar e de casal. Capacitada pelo Ackerman Institute, em Nova York, e pelo Instituto Bowen, em Washington.