Você usa maquiagem?

A maquiagem esconde, disfarça, embeleza, traz um ar saudável. Mas não trata, nem cura

Elaine Cruz - 10/05/2018 09h33

Os tempos estão mudando. Há agora maquiagens para homens, para esconder as olheiras e alisar a pele marcada pelas espinhas da adolescência. Para o público feminino, o que não faltam são editoriais na internet, inúmeras marcas novas no mercado, e cremes e águas termais para antes e depois do maquiar.

Por mais inovadoras que sejam as técnicas e matérias-primas utilizadas para esconder marcas, afinar o rosto ou provocar luminosidade no olhar e na face, quando tiramos a maquiagem nossa pele está nua e as marcas permanecem. A maquiagem escondeu, disfarçou, mas não tratou ou curou.

O mesmo acontece com a nossa vida. Uma boa maquiagem pode esconder o cansaço, uma boa roupa esconde uma baixa autoestima, um belo penteado emoldura a face de um coração que chora por dentro. As vezes precisamos de retoques, de forçar um sorriso educado, de dizer um bom-dia educado quando o que mais queremos é abraçar o outro e chorar. Mas seguimos em frente: o outro não é confiável, e pessoas estranhas não necessitam ouvir nossas lamúrias.

Só precisamos ter o cuidado de tirarmos a maquiagem para tratar a pele – ou a alma, que precisa respirar, ser limpa e cuidada. Há pessoas que não conseguem se enxergar sem maquiagem, que nesses casos funcionam como máscaras para esconder as feridas internas. Portanto, tire sua maquiagem e aprenda a se tratar para se sentir bem também de cara/alma lavada. Reorganize suas emoções, trate seu temperamento, limpe sua consciência. Peça ajuda a Deus, que sempre olha você sem maquiagem, mesmo quando você a usa.

Elaine Cruz é pastora no Ministério Fronteira, na Barra da Tijuca, Rio de Janeiro; Psicóloga clínica e escolar, especializada em Terapia Familiar, Dificuldades de Aprendizagem e Psicomotricidade; Mestre em Educação pela Universidade Federal Fluminense; palestrante e conferencista internacional, com trabalhos publicados no Brasil e no exterior; Mestre em Teologia pelo Bethel Bible College (EUA); e membro da Academia Evangélica de Letras do Brasil, com oito livros publicados.