O poder da imaginação

A vida real é dura, há responsabilidades e compromissos. Mas é preciso buscar o equilíbrio e não deixar jamais de sonhar, de imaginar

Elaine Cruz - 12/07/2018 09h32

É impressionante como uma criança consegue transpor o mundo real. Uma bola de meia se torna uma bola de futebol, uma cabo de vassoura se transforma em um cavalo, uma agasalho enrolado é carregado como se fosse um bebê. Mesmo quando utiliza brinquedos reais, como carros e bonecas, estes realizam, por meio da imaginação infantil, várias façanhas que vão muito além do universo cotidiano da criança.

A vida real, entretanto, vai se mostrando cada vez mais realista. Afinal, não podemos viver num mundo idealista, sonhando acordados com coisas impossíveis, nos colocando metas inalcançáveis e julgando ser o que não somos. A maturidade nos faz enxergar as discrepâncias de uma imaginação destoante da vida cotidiana, mas muitos insistem em permanecer num universo virtual, projetando e nada realizando, não aceitando a necessidade de amadurecer para os papéis sociais da vida adulta, carregados de responsabilidades.

Por outro lado, é muito triste quando constatamos que muitos adultos perdem totalmente a ferramenta imaginativa para gerar perspectivas, projetar novos caminhos e estabelecer diferentes planejamentos, visando melhorar e superar sua realidade de vida atual. Muitos são os que desistem de sonhar, e não conseguem se imaginar mais felizes do que são, cruzando os braços para executarem tarefas simples de forma a melhorarem seus relacionamentos pessoais e suas vidas profissionais. Idealizar e projetar o futuro, usando nossa imaginação e cognição, nos ajuda a direcionar as tomadas de decisões necessárias para mudanças pequenas, mas estruturais, para uma qualidade de vida melhor.

Precisamos buscar o equilíbrio. Podemos ser imaginativos e maduros, gerando projetos e perspectivas possíveis a curto, médio e longo prazo. Não precisamos viver no mundo da lua, mas precisamos sempre imaginar o melhor para a vida, os outros para nós mesmos. Afinal, “assim como o homem imagina em sua alma, assim ele é” (Provérbios 23:7).

Elaine Cruz é pastora no Ministério Fronteira, na Barra da Tijuca, Rio de Janeiro; Psicóloga clínica e escolar, especializada em Terapia Familiar, Dificuldades de Aprendizagem e Psicomotricidade; Mestre em Educação pela Universidade Federal Fluminense; palestrante e conferencista internacional, com trabalhos publicados no Brasil e no exterior; Mestre em Teologia pelo Bethel Bible College (EUA); e membro da Academia Evangélica de Letras do Brasil, com oito livros publicados.