Coluna Elaine Cruz: Amadurecer é opcional

Esperamos que algumas atitudes egoístas e mesquinhas de algumas pessoas melhorem, mas algumas delas vão envelhecer e manter sua mesquinhez

Elaine Cruz - 01/02/2018 10h15

Em meio a uma viagem de carro, minha filha Pamela, na época com 2 anos de idade, mas seis anos mais nova que seu irmão Thiago, ao ser confrontada pelo fato dele ser mais velho, disse a ele: “Não tem problema: eu vou crescer muito rápido e ainda vou ser mais velha que você!”.

Ela ainda não havia compreendido que algumas coisas não mudam. Podemos parecer mais novos, mas sabemos da nossa real idade, que aumenta anualmente. Esperamos que algumas atitudes egoístas e mesquinhas de algumas pessoas melhorem, mas algumas delas vão envelhecer e manter sua mesquinhez. Não podemos mudar o passado, as escolhas de pessoas que nos prejudicaram, ou refazer uma experiência perdida. O que os outros que amamos fazem nos afeta, por mais que não gostemos disto. Não dá pra mudar o outro, pois o livre arbítrio é pessoal e intransferível. Já é muito difícil mudar a si mesmo!

Acreditamos que o avançar da idade traga maturidade, mas como o título já sugere, envelhecer é natural, mas amadurecer é opcional. A velhice não precisa incomodar, mas vai se instaurando sem pedir licença. Rugas e cabelos brancos evidenciam o passar da idade, e o confronto com o espelho é inevitável.

Entretanto, o mesmo não acontece com a maturidade emocional. Muitas pessoas, mesmo sendo confrontadas com suas escolhas, e vivenciarem no presente as consequências nefastas das escolhas do passado, ainda assim escolhem não amadurecer: se mantêm frias, distantes, fechadas em si mesmas, ingênuas para selecionar amigos, levianas para escolher relacionamentos, inconsequentes com dinheiro ou poder. Os anos passam, e elas teimam em manter seus erros, a intransigência da juventude, as manhas oriundas de uma má educação.

A riqueza da bela experiência de viver, é poder alterar quem somos, como respondemos, o que pensamos e realizamos. Poder manter em nós a boa educação, as boas escolhas e o bom caráter, manter por perto os bons amigos, a carreira, as lembranças que nos enriqueceram. Mas também poder escolher melhor, resolver mais sabiamente, agir de modo mais racional, demonstrar mais os afetos positivos, manter mais o autocontrole.

A vida nos faz refletir, a Bíblia nos ensina, e ainda podemos ter ajuda de Deus para sermos mais sábios, dependendo Dele para mudar quem somos. Se o amadurecimento emocional não vem naturalmente, vamos buscá-lo cotidianamente!

Elaine Cruz é pastora no Ministério Fronteira, na Barra da Tijuca, Rio de Janeiro; Psicóloga clínica e escolar, especializada em Terapia Familiar, Dificuldades de Aprendizagem e Psicomotricidade; Mestre em Educação pela Universidade Federal Fluminense; palestrante e conferencista internacional, com trabalhos publicados no Brasil e no exterior; Mestre em Teologia pelo Bethel Bible College (EUA); e membro da Academia Evangélica de Letras do Brasil, com oito livros publicados.