Leia também:
X Precisamos estar atentos às doutrinas marxistas

Pagando o preço de oração

Para Jesus, orar significava estar em contato com o Pai

Edvaldo Oliveira - 24/10/2021 08h00

Algo que se tornou muito comum entre os cristãos, quando falamos sobre oração, é a expressão “pagar o preço”. Ela é mencionada quando queremos dizer que alguém precisa orar muito para conseguir algo – e principalmente quando estamos orando por alguém e dizemos: “estou pagando o preço pela sua vida”.

É uma pena que, para muitos cristãos, o ato de orar muito tenha virado sinônimo de “pagar o preço”. Jesus é o nosso referencial de vida, e Ele orava bastante. Por diversas vezes na Bíblia, vemos Jesus buscando ao Pai: durante a madrugada, nos montes, nos lugares afastados. E eu não creio que, para Jesus, esse estilo de vida de oração fosse visto como um preço que ele estava pagando.

O verdadeiro preço foi pago na cruz. E orar, para Ele, era um grande prazer. Assim também deveria ser conosco. Mas, infelizmente, a oração, que deveria ser algo que preenche o nosso ser, renova o nosso espírito e nos conecta a Deus, tornou-se um fardo, um preço a ser pago. Por isso, a oração é vista como algo penoso, um sacrifício.

Não pense, porém, que esse sentimento que associa a oração a um fardo pesado seja exclusividade dessa geração. Certa vez Jesus estava muito angustiado. Ele estava vivendo os últimos momentos antes de enfrentar o maior dos seus desafios, a morte na cruz. Ele estava em um jardim chamado Getsêmani, junto a seus melhores amigos, Pedro Tiago e João.

Ele pediu que os discípulos o ajudassem naquele momento de desespero e orassem com Ele. Primeiro se afastou – porque Jesus gostava de orar sozinho -, e, ao voltar, Ele se surpreendeu quando encontrou os discípulos dormindo. O texto está em Mateus 26:37-41 e diz assim:

Levando consigo Pedro e os dois filhos de Zebedeu, começou a entristecer-se e a angustiar-se. Disse-lhes então: “A minha alma está profundamente triste, numa tristeza mortal. Fiquem aqui e vigiem comigo”. Indo um pouco mais adiante, prostrou-se com o rosto em terra e orou: “Meu Pai, se for possível, afasta de mim este cálice; contudo, não seja como eu quero, mas sim como tu queres”. Então, voltou aos seus discípulos e os encontrou dormindo. “Vocês não puderam vigiar comigo nem por uma hora?”, perguntou ele a Pedro. “Vigiem e orem para que não caiam em tentação. O espírito está pronto, mas a carne é fraca”.

Essa situação aconteceu por mais duas vezes. Jesus se afastou e, quando voltou, encontrou os discípulos dormindo.

O Senhor nos deu um dia com 24 horas, e nós preenchemos o nosso tempo de tal forma que não conseguimos dar nem uma hora a ele. Conseguimos assistir a um filme de duas horas de duração ou um jogo de futebol, sem nenhum problema.

Conseguimos “maratonar” uma série com vários episódios e até várias temporadas incessantemente, mas não conseguimos parar nem meia hora para falar com Deus. E, quando fazemos isso, batemos no peito dizendo às pessoas que estamos “pagando o preço”.

Graças a Deus que o Senhor não nos ama à proporção nos entregamos a Ele, porque Jesus já se entregou por nós! Graças a Deus porque não somos atendidos em nossas petições por causa de nenhum mérito nosso ou por um preço que deveríamos pagar, pois Jesus já pagou o preço por nossa causa!

Então, eu oro para que essa palavra provoque em mim e em você um constrangimento, para que passemos a ter um tempo de qualidade com Deus, e não a sobra do nosso dia.

Em Gênesis, é dito que, na viração do dia, Deus ia se encontrar com o homem. Até hoje o Senhor espera por nós. Deus não criou o homem somente para governar a terra. Ele quer se relacionar conosco. O Senhor nos ama e tem prazer em estar ao nosso lado.

Eu o desafio a iniciar uma vida de oração como você nunca teve antes. Não como se estivesse pagando um preço, mas com o sentimento de que você está na companhia de alguém que é seu melhor amigo; alguém que o conhece mais do que você a si mesmo, que sabe dos seus defeitos e das suas qualidades, que conhece os seus mais íntimos pecados e iniquidades e que, mesmo assim, ama você.

Ele está de braços abertos o esperando. E, mesmo se você não souber o que Lhe dizer – porque, às vezes, não sabemos o que falar com Deus -, apenas pare e ouça a Sua voz falando ao seu espírito, porque, afinal de contas, se oração é uma conversa; precisamos falar, mas também precisamos ouvir. E, certamente, o que Deus tem a nos dizer é maior e melhor do que tudo que nossa boca possa pronunciar.

ORAÇÃO
Senhor, perdoa-nos porque temos a mente tão repleta com as coisas deste mundo que a oração para nós se tornou um preço a ser pago. Ajuda-nos a rever nossas prioridades, a reorganizar a nossa agenda, de maneira que o Senhor seja o centro da nossa vida. Que possamos Te ouvir mais e falar menos, porque a Tua voz diz tudo aquilo que precisamos ouvir. Por isso, nós oramos e Te agradecemos. Em nome de Jesus, amém!

Edvaldo Oliveira é coordenador e idealizador do Ministério Minuto com Deus. É formado em Teologia Ministerial pelo Seminário Cristo para as Nações e em Administração de Empresas. Mora em Belo Horizonte e congrega na Igreja Batista Videira.

* Este texto reflete a opinião do autor e não, necessariamente, a do Pleno.News.
Siga-nos nas nossas redes!
WhatsApp
Entre e receba as notícias do dia
Entrar no Grupo
Telegram Entre e receba as notícias do dia Entrar no Grupo
O autor da mensagem, e não o Pleno.News, é o responsável pelo comentário.