Leia também:
X A guerra a pastores e padres que ousarem denunciar a perseguição à Igreja

O poder do jejum

O jejum não é uma ordenança nem um mandamento

Edvaldo Oliveira - 05/09/2021 08h00

O poder do jejum Foto: Freepik

A paz do Senhor, meus irmãos!

Hoje quero falar sobre um tema sobre o qual percebo que muitas pessoas têm dúvida. Quero falar sobre o jejum. Vai ser um estudo breve, como a gente sempre faz aqui. Por isso, recomendo que, caso você queira aprofundar mais sobre o assunto, busque outras fontes de estudo, porque existe muito material a respeito.

O jejum é a abstinência total ou parcial de alimento por um período definido e por um propósito específico. O jejum pode ser feito com uma finalidade espiritual e até mesmo medicinal, uma vez que a sua prática traz benefícios físicos, como a desintoxicação.

O jejum não é uma ordenança nem um mandamento. Não existe no Antigo nem no Novo Testamento uma ordem de Deus para jejuarmos. É algo que decidimos fazer de forma espontânea.

Embora não seja uma ordem de Deus, em várias passagens bíblicas podemos observar que pessoas jejuaram. E um dos motivos para considerarmos o jejum como algo importante e que deva ser praticado é que ele foi mencionado pelo próprio Jesus.

Em Mateus 6, Jesus fala sobre as obras de caridade (v. 1-4), sobre a oração (v. 5-15) e sobre o jejum. Do versículo 16 ao 18 (NVI), o Mestre fala especificamente sobre o jejum. O texto diz assim:

“Quando jejuarem, não mostrem uma aparência triste como os hipócritas, pois eles mudam a aparência do rosto a fim de que os homens vejam que eles estão jejuando. Eu lhes digo verdadeiramente que eles já receberam sua plena recompensa. Ao jejuar, ponha óleo sobre a cabeça e lave o rosto, para que não pareça aos outros que você está jejuando, mas apenas a seu Pai, que vê no secreto. E seu Pai, que vê no secreto, o recompensará”.

Jesus afirma aqui que não devemos jejuar para impressionar as pessoas. Ele adverte que alguns querem usar o jejum como uma forma de mostrarem-se mais espirituais do que os outros. Esse tipo de jejum não tem efeito no mundo espiritual. Quem deve reconhecer o nosso jejum é Deus, e ninguém mais.

A segunda coisa a considerarmos nesse texto é que há uma recompensa para o jejum. Deus vê o nosso jejum que é feito em secreto e nos recompensará.

O sentido do jejum é o de romper com as limitações da nossa carne. Podemos entender que o propósito principal do jejum é mortificar a carne. A prática do jejum fortalece o nosso espírito, pois nos torna mais sensíveis ao Espírito Santo. Mas o jejum não é um passe de mágica nem uma ferramenta para mover o coração de Deus. O jejum não muda o coração de Deus. Muda o nosso coração.

Jesus, antes de iniciar o Seu ministério, teve que passar pelo deserto. Ali, Ele foi vitorioso sobre o diabo por três motivos. Primeiro, Jesus estava cheio do Espírito Santo, como podemos verificar no relato do seu batismo. Segundo, Ele tinha a Palavra de Deus no seu coração e soube usá-la diante de toda tentação à qual foi submetido. E, terceiro, Jesus estava em jejum. Na Bíblia, é dito que Ele ficou 40 dias sem comer. Fisicamente, Jesus estava debilitado, mas espiritualmente Ele estava forte.

Temos vários outros exemplos bíblicos, mas um que eu gostaria de mencionar está em 2 Crônicas 20. Eu sugiro que, depois, você leia esse capítulo todo, pois vai edificar a sua vida. O texto diz que os inimigos cercaram Judá. Os moabitas, os amonitas e os meunitas declararam guerra ao povo de Deus, e o rei Josafá ficou com medo.

Quando lemos todo o relato bíblico, vemos que essa batalha foi vencida porque Deus estava com os israelitas. Eles declararam a sua dependência do Senhor. Houve um tempo para oração e estratégias de guerra. Até os levitas foram para frente da batalha e usaram o louvor como arma, mas, antes de qualquer coisa, no versículo 3, é dito que Josafá consultou Deus e proclamou um jejum em todo o reino de Judá.

A fé é algo que está ligada ao nosso espírito, e não à nossa carne. Quando jejuamos, de certa forma estamos dizendo à nossa carne que podemos ter domínio sobre ela. Por exemplo, algumas pessoas fazem jejum de determinados alimentos. E, em um certo momento, a carne clama para que a pessoa coma aquele alimento, mas, em sua mente, a pessoa já determinou que irá abster-se daquilo.

Outra coisa importante que precisamos saber é que o jejum deve sempre ser seguido de oração e de santidade. Jejum sem santidade e sem oração é como se fosse um regime. Não adianta nos jejuarmos sem buscarmos também a consagração. Estaríamos passando fome por nada.

O profeta Isaías falou sobre um tipo de jejum que não agrada a Deus. O texto está em Isaías 58:3-8 (NTLH) e diz assim:

O povo pergunta a Deus: “Que adianta jejuar, se tu nem notas? Por que passar fome, se não te importas com isso?” O Senhor responde: “A verdade é que nos dias de jejum vocês cuidam dos seus negócios e exploram os seus empregados. Vocês passam os dias de jejum discutindo e brigando e chegam até a bater uns nos outros. Será que vocês pensam que, quando jejuam assim, eu vou ouvir as suas orações? O que é que eu quero que vocês façam nos dias de jejum? Será que desejo que passem fome, que se curvem como um bambu, que vistam roupa feita de pano grosseiro e se deitem em cima de cinzas? É isso o que vocês chamam de jejum? Acham que um dia de jejum assim me agrada? “Não! Não é esse o jejum que eu quero. Eu quero que soltem aqueles que foram presos injustamente, que tirem de cima deles o peso que os faz sofrer, que ponham em liberdade os que estão sendo oprimidos, que acabem com todo tipo de escravidão. O jejum que me agrada é que vocês repartam a sua comida com os famintos, que recebam em casa os pobres que estão desabrigados, que deem roupas aos que não têm e que nunca deixem de socorrer os seus parentes. “Então a luz da minha salvação brilhará como o sol, e logo vocês todos ficarão curados. O seu Salvador os guiará, e a presença do Senhor Deus os protegerá por todos os lados”.

Podemos concluir que o jejum que agrada ao Senhor é aquele que é seguido por atos de justiça e por uma vida de integridade.

Se você tem buscado uma vitória de Deus, seja em que área da sua vida for, quero motivá-lo a continuar buscando ao Senhor em oração e, caso o Espírito Santo lhe dê essa direção, que você faça também um jejum parcial, em um horário específico, conforme o que Deus colocar em seu coração.

Edvaldo Oliveira é coordenador e idealizador do Ministério Minuto com Deus. É formado em Teologia Ministerial pelo Seminário Cristo para as Nações e em Administração de Empresas. Mora em Belo Horizonte e congrega na Igreja Batista Videira.

* Este texto reflete a opinião do autor e não, necessariamente, a do Pleno.News.
Siga-nos nas nossas redes!
WhatsApp
Entre e receba as notícias do dia
Entrar no Grupo
Telegram Entre e receba as notícias do dia Entrar no Grupo
O autor da mensagem, e não o Pleno.News, é o responsável pelo comentário.