Leia também:
X Um irmão que vem sendo alvo de pessoas inescrupulosas

7 verdades a respeito de Jesus que você precisa saber

A vida de nenhum outro homem foi examinada tão cuidadosa e criticamente

Edvaldo Oliveira - 27/07/2021 07h00

7 verdades a respeito de Jesus que você precisa saber Foto: Pixabay

Jesus é o filho de Deus que veio ao mundo para nos salvar. Ele sofreu por nós e morreu em nosso lugar, reconciliando-nos com o Pai. Mas desvendar tudo a respeito da sua vida é uma tarefa quase impossível.

João Batista disse que Jesus é o “cordeiro de Deus” e, em seguida, ele o batizou com a aprovação de Deus, pois uma voz foi ouvida dos céus, dizendo: “Este é o meu filho amado, em quem eu tenho alegria” (Mateus 3:17).

A verdade é que Jesus está acima de todos. Paulo, em Filipenses 2:9-11, disse que “Deus o exaltou sobremaneira e lhe deu o nome que está acima de todo o nome, para que ao nome de Jesus se dobre todo o joelho, nos céus, na terra e debaixo da terra, e toda língua confesse que Jesus Cristo é Senhor, para glória de Deus Pai”.

Mas por que Jesus é tão diferente dos outros homens? O que o torna tão especial e por que é dado a ele um lugar tão importante na Bíblia?

Hoje, quero falar de 7 verdades a respeito de Jesus que você precisa saber.

1. Jesus é o tema central da Bíblia. Qualquer um que leia o Antigo Testamento pode observar que é profetizado sobre Jesus em várias passagens – desde a sua vinda, passando pelo Seu nascimento, por Sua morte e por Sua obra na cruz. E, no Novo Testamento, Jesus está presente em centenas de textos. O primeiro versículo do Evangelho de Mateus diz: “Livro da genealogia de Jesus Cristo”. E, no último versículo de Apocalipse (22:21), está escrito: “A graça do Senhor Jesus seja com todos”.

Jesus é especial porque ele é o Filho de Deus, que está com o Senhor desde a fundação do mundo. Jesus não começa sua existência quando é gerado no ventre de Maria; afinal: “No princípio era o Verbo, e o Verbo estava com Deus, e o Verbo era Deus. Ele estava no princípio com Deus” (João 1:1-2).

Em João 17, no versículo 5, Jesus mesmo afirma que Ele tinha glória junto ao Pai “antes que houvesse o mundo”; e, no versículo 24, que Ele foi amado pelo Pai “antes da fundação do mundo”. Jesus nasceu e viveu entre nós. Mas, na verdade, muito antes disso Ele já existia; apenas “se fez carne e habitou entre nós” (João 1:14). E, por ter estado com Deus antes da criação do homem, Jesus sabe tudo a nosso respeito. Ele conhece os segredos e os anseios do nosso coração. Ele sabe das nossas necessidades e, pelo Seu poder, pode suprir todas elas.

2. O nascimento de Jesus foi um grande milagre. A Bíblia declara que a mãe de nosso Senhor era virgem, que a concepção Dele foi miraculosa e que o Agente da concepção foi o Espírito Santo. A Bíblia também diz: “Vindo, porém, a plenitude dos tempos, Deus enviou Seu Filho, nascido de mulher…” (Gálatas 4:4). A concepção e o nascimento de Jesus não foram comuns. Quando Maria, uma israelita virgem, entrou na misteriosa terra da maternidade, ela voltou de lá trazendo, em seus braços, o único bebê no mundo que nunca teve um ser humano como pai. Nenhum nascimento como este havia ocorrido antes. E nenhum nascimento como este acontecerá novamente.

Jesus, que se fez homem, nasceu à semelhança dos homens. Mas se o Seu nascimento não fosse sobrenatural, Ele não poderia ser o nosso Salvador, pois teria nascido em pecado, como todos nós, e, por conseguinte, Ele próprio precisaria de salvação.

Deus, porém, nunca esteve limitado ao comum. Deus não está preso às leis da natureza que nós conhecemos. Sendo assim, alguém que negue a concepção de Jesus pelo Espírito Santo (e atribua a José a paternidade de Jesus) tira a nossa única esperança de um Salvador perfeitamente puro e sem pecado. E, embora nós não possamos entender a concepção divina de Jesus, podemos crer nela!

3. Jesus é grandioso em Sua vida perfeita. Jesus é Deus, mas fez-se homem. Como homem, Ele teve fome (Mateus 21:18); como Deus, Ele é o Pão da vida (João 6:48). Como homem, Ele disse: “Tenho sede” (João 19:28); como Deus, Ele diz: “Deixai que aquele que tem sede venha a Mim e beba” (João 7:37). Como homem, Ele se cansou (João 4:7); como Deus, Ele dá descanso a todos que vão a Ele (Mateus 11:28-30). Como homem, Ele orou (Lucas 3:21); como Deus, Ele ouve e responde as nossas orações (Mateus 7:7). Como homem, Ele chorou (João 11:35); como Deus, Ele enxuga as nossas lágrimas (Apocalipse 21:4). Como homem, Ele foi tentado; como Deus, Ele não pecou (Hebreus 4:15; 1Pedro 2:22).

A vida de nenhum outro homem foi examinada tão cuidadosa e criticamente quanto a vida de Jesus. No entanto, homens de todas as gerações têm confessado que Jesus foi o único Homem perfeito que já viveu entre nós. Ele não errou nem uma vez sequer. Ele nunca disse uma palavra na qual tivesse que voltar atrás. Nem mesmo Seus cruéis inimigos (que seguiam Seus passos dia e noite, a fim de pegá-Lo em alguma falta) puderam encontrar alguma coisa para acusá-Lo.

O desafio lançado pelo próprio Jesus foi este: “Quem dentre vós me convence de pecado?” (João 8:46) O malfeitor na cruz foi compelido a admitir: “Este homem nenhum mal fez” (Lucas 23:41). Judas, aquele que traiu o Mestre, pegou o dinheiro de sangue e jogou-o aos pés do Sinédrio dizendo: “Pequei, traindo sangue inocente” (Mateus 27:4). E Pilatos, aquele que sentenciou Jesus no julgamento declarou três vezes: “Eu não acho culpa alguma neste homem” (Lucas 23:4,14,22). Todo homem tem certas qualidades, mas Jesus tem todas elas!

4. Jesus é grandioso em Seu poder sobrenatural. Jesus tem tanto poder que, quando Pedro sacou a espada e cortou a orelha do servo do sumo sacerdote, Jesus imediatamente tocou na orelha ferida, e ela foi curada/restaurada. Isto não é de admirar, pois, na verdade, foi Jesus quem criou a orelha.

Em João 1:3, lemos: “Todas as coisas foram feitas por Ele, e sem Ele nada do que foi feito se fez”. Quem concedeu graça ao jovem cervo? Quem concebeu a majestade das montanhas? Quem colocou a canção na garganta dos pássaros? A resposta para todas estas perguntas é um nome, o precioso nome de Jesus.

Quando ficou diante dos Seus discípulos, no Monte das Oliveiras (pouco antes de ascender aos céus), Jesus disse: “Toda a autoridade me foi dada no céu e na terra” (Mateus 28:18). Ele caminhou sobre as ondas, acalmou as tempestades, curou leprosos, ressuscitou mortos e abriu os olhos do cego.

Jesus pode suprir cada necessidade e satisfazer cada desejo. Ele pode dissipar todo o medo e solucionar todo problema. Ele é a “rosa de Sarom e o lírio dos vales”; “o mais belo entre milhares” (Cantares 2:1; 5:10); o “bálsamo de Gileade” (Jeremias 8:22). Ele criou os mundos. Ele muda o destino das nações. Ele tem poder sobre a morte e a doença. Na Bíblia, é dito que “até o vento e o mar Lhe obedecem” (Marcos 4:41).

5. Jesus é grandioso em Seu ensino com autoridade. No final do Sermão do Monte, é dito: “Quando Jesus acabou de proferir estas palavras, estavam as multidões maravilhadas da sua doutrina; porque Ele as ensinava como quem tem autoridade, e não como os escribas” (Mateus 7:28,29).

Os escribas eram os homens eruditos e professores da nação judaica. Eles eram, em grande parte, fariseus que ensinavam imbuídos dos sentimentos rabínicos e das tradições herdadas dos pais. Eles gastavam a maior parte do seu tempo em vãs disputas/debates e citando autoridades religiosas. Mas Jesus de Nazaré falava muito diferente deles. Havia um ar de autoridade completa e final em tudo o que Jesus dizia. Ele nunca disse: “Provavelmente é desta maneira” ou “consulte os experts no assunto”. Jesus Cristo é a autoridade em todos os assuntos! Ele sempre dizia: “Eu voz digo”, e não “fulano de tal disse”.

6. Jesus é grandioso em Seu sofrimento sacrificial. Os grandes homens deste mundo podem ser avaliados por sua vida, mas Jesus é conhecido acima de tudo por Sua morte. A expiação feita por Jesus é o fio escarlate que percorre toda a Bíblia. Sua morte foi profetizada no jardim do Éden. Sua morte foi tipificada nos sacrifícios de Israel. Jesus falou de Sua morte quando disse: “Por esta causa vim ao mundo” (João 12:27).

Há 255 versículos no Novo Testamento que se referem diretamente à morte de Jesus. Um quinto do Evangelho de Mateus e quase metade do Evangelho de João registram a última semana do Mestre, que culminou na cruz. A morte de Jesus Cristo é de um valor supremo. Naquela tarde – quando o céu ficou escuro, o sol escondeu sua face, e o véu do templo foi rasgado ao meio – o Filho de Deus clamou: “Está consumado” (João 19:30). Naquele grande dia, o preço de nossa redenção foi pago.

Jesus, por causa de Seu grandioso sofrimento, pôde descer ao fundo do poço da corrupção humana, levantar o pecador do lamaçal do pecado e lavá-lo na fonte que contém o sangue vertido das veias do Emanuel.

Jesus – o Deus todo-poderoso encarnado – não sofreu uma morte comum. Ele levou sobre Si o pecado de toda a humanidade caída. “Ele foi traspassado pelas nossas transgressões, e moído pelas nossas iniquidades… o Senhor fez cair sobre Ele a iniquidade de nós todos” (Isaías 53:5,6). Jesus carregou meus pecados em Seu próprio corpo no madeiro. Jesus ficou onde eu deveria ter ficado. As dores do inferno que eram minha herança foram lançadas sobre Ele.

7. Jesus é grandioso quanto à Sua volta prometida. Tão certo quanto Jesus veio a primeira vez, é certo que Ele voltará. Um dia, em breve, este grandioso, maravilhoso, incomparável Jesus virá em toda Sua glória, e todos Seus santos anjos virão com Ele.

Nos 260 capítulos do Novo Testamento, a segunda vinda de Jesus é mencionada 318 vezes. O próprio Jesus disse: “Ficai também vós apercebidos porque à hora em que não cuidais o Filho do homem virá” (Lucas 12:40).

Quando Jesus vier novamente com poder e grande glória, Ele será o juiz do céu que “trará a juízo todas as obras até as que estão escondidas, quer sejam boas, quer sejam más” (Eclesiastes 12:14). Os livros serão abertos. Os segredos de todos os corações serão trazidos à luz. Aqueles que foram servos fiéis serão levados para a casa do Pai (João 14:1-3).

Jesus é a luz do mundo, o pão da vida, a videira verdadeira, o bom pastor, a porta para o céu. Este Jesus a quem nós amamos e servimos é inigualável, incomparável, grandioso. Não há ninguém igual a Ele! Jesus está acima de tudo! Não há outro que possa ser comparado a Ele!

As questões que eu e você devemos encarar honestamente no momento são aquelas com relação à Sua supremacia em nossa vida: Onde colocamos este tremendo Jesus a quem Deus tanto exaltou? Estamos Lhe dando o lugar de maior destaque? Jesus é supremo em todos os reinos; como, então, podemos proibi-Lo de reinar por completo no pequenino império do nosso coração?

Então, se você nunca O aceitou, se vive dizendo: “Eu quero viver a minha própria vida, quero remar sozinho na minha canoa, quero ser o único rei do meu castelo”, lembre-se disto: está chegando o dia em que “todo joelho se dobrará e toda língua confessará que Jesus Cristo é o Senhor, para a glória de Deus Pai” (Filipenses 2:10,11).

Durante o julgamento de Jesus, Pilatos levantou a questão: “O que farei, então, com Jesus que é chamado Cristo?” (Mateus 27:22) Esta é a pergunta que você precisa responder hoje. O que você fará com Jesus? A sua resposta determinará o seu destino eterno. Ou você estará para sempre com Ele, ou para sempre sem Ele.

Hoje a pergunta é: O que você fará com Jesus? Se rejeitá-Lo por toda a sua vida e morrer sem Ele, um dia a pergunta não será mais O que eu farei com Jesus?, e sim O que Ele fará comigo?

 

Edvaldo Oliveira é coordenador e idealizador do Ministério Minuto com Deus. É formado em Teologia Ministerial pelo Seminário Cristo para as Nações e em Administração de Empresas. Mora em Belo Horizonte e congrega na Igreja Batista Videira.

* Este texto reflete a opinião do autor e não, necessariamente, a do Pleno.News.
Siga-nos nas nossas redes!
WhatsApp
Entre e receba as notícias do dia
Entrar no Grupo
Telegram Entre e receba as notícias do dia Entrar no Grupo
O autor da mensagem, e não o Pleno.News, é o responsável pelo comentário.