Como lidar com o fim de um relacionamento?

É importante viver o luto do término. Precisamos entender que esse processo é difícil, mas necessário...

Como Lidar - 04/04/2019 10h02

Seu planejamento de vida está sendo alterado de uma maneira abrupta… Foto: Pixabay

“Meu marido e eu estamos nos divorciando e confesso que não estou conseguindo lidar com a destruição de todos os sonhos que tive com este casamento. Como lidar com a dor que estou sentindo e o medo do futuro sem ele?”

Andréa Guimarães, Jequié, BA

RESPOSTA

De repente você se dá conta de que aquela não será a pessoa com quem terminará sua vida… que aquele relacionamento está no fim. Seu planejamento de vida está sendo alterado de uma maneira abrupta… Seu coração fica em pedaços. “A culpa foi de quem?” – “Podemos dar um jeito!” – “Vamos ficar juntos de qualquer maneira” – são pensamentos que rondam a mente.

É comum que a separação traga uma dor que vai além da emocional como sensações físicas: falta de ar, dores no peito, alterações no apetite, no peso, no sono, etc.

É importante viver o luto do término. Precisamos entender que esse processo é difícil, mas necessário… A pessoa não faz mais parte da sua vida. Nesse caso, o luto é se dar conta da finitude do seu relacionamento. Apesar de ser doloroso, o luto é um processo natural e necessário, que só será patológico se estender-se por um período muito longo.

Seguem abaixo as fases desse luto. Você não precisa passar por eles nessa ordem. Mas em algum momento, você vai se identificar com um desses sentimentos.

  1. Estado de impacto ou choque – a pessoa age como se nada tivesse acontecido e as coisas permanecessem iguais.
  2. Negação – nesta fase a pessoa já tem consciência de que perdeu a pessoa amada, mas não quer aceitar e fantasia à sua volta.
  3. Tristeza – o enlutado entende e vive a dor do término. A tristeza é uma emoção necessária para que o indivíduo tenha condições de enfrentar a perda e, posteriormente, pouco a pouco, superar o sofrimento.
  4. Culpa – a culpa leva a pessoa a pensar no que poderia ter feito para não ter rompido o relacionamento. O pensamento repetitivo de que deve encontrar o responsável pelo término pode esgotar psicologicamente a pessoa e causar um grande estado de ansiedade. É importante repartir a culpa como responsabilidade compartilhada e focar no futuro.
  5. Raiva – esta é a fase mais “produtiva”, porque a pessoa evita e remove o outro da sua vida. Posteriormente o casal pode até voltar a ser amigo, mas durante o luto é importante que tenham pouco ou nenhum contato. Esta é uma boa fase para ficar bem longe daqueles que o machucaram, além de pensar e cuidar mais de si mesmo. Só fique atento para não ficar preso nesta fase, pois a mesma raiva que te protege poderá torná-la uma pessoa amarga ou revoltada.
  6. Aceitação – as pessoas começam a assumir o que aconteceu e a cuidar da sua própria vida. A aceitação é a maneira definitiva de superar o término.

Permita-se viver o luto. Após esse período, você terá condições de reconstruir-se como uma pessoa completa. Busque ajuda. Um psicólogo poderá te ajudar nesse processo.

Fernanda Rocha é Psicóloga, Pós Graduada em Gestão de Pessoas, Pós Graduanda em Psicopedagogia.

Clique para receber notícias
WhatsApp
Entre e receba as notícias do dia
Entrar no Grupo