Como lidar com o bullying?

Jovem leitor questiona o que fazer, já que é maltratado por colegas de escola. Especialista responde

Como Lidar - 24/04/2018 13h48

“Tenho 16 anos e não me encaixo nos padrões físicos que muitos consideram como “normais”. Sou gordo, uso óculos com um grau elevado e a galera da escola gosta de me dar apelidos que me me deixam muito chateado. Já conversei diversas vezes com meus pais, pois queria a ajuda deles. Mas eles me falam pra não ligar, que também já sofreram com isso, no tempo de escola deles. Meu pai até contou que, na época dele, o ideal era revidar. Bater mesmo. Afinal, o que devo fazer? Como lidar com essa situação?”.

Sérgio Tavares, Araxá, Minas Gerais.

Resposta:
Meu caro, é muito grande o número de pessoas que dizem que antigamente não existia bullying e que a melhor solução para quando eram humilhadas ou maltratadas era sair no braço ou ignorar. Mas a razão de, em tempos passados, “não existir” bullying é apenas porque não se falava tão abertamente sobre saúde mental. O número de pessoas que sofria calada era enorme. Porque se elas falassem, suas emoções não seriam validadas, muito menos seria feito algo. A sugestão era: “Estão perturbando você? Faça o mesmo”.

Contudo, havia muita gente mesmo que sofria e quieto ficava. Muitos se isolavam e ficavam arredios. Ou mudavam o papel e passavam a fazer bullying.

Porém, os tempos mudaram e cada um é um. Hoje, as pessoas falam de seus problemas, de suas dores, das humilhações que estão sofrendo. Algumas ofensas são duras e muitos dolorosas. Essa fala de “só estou zoando” é um tipo de violência e pode ter sérias consequências. Algumas dessas consequências são depressão, crises de ansiedade, automutilação, transtorno alimentar e até suicídio.

Devemos ficar atentos às reações e as tais “brincadeirinhas” que, na verdade não são brincadeiras. Dizer para uma menina negra: “Saí daí, sua macaca, seu cabelo é de Bombril!”, é agressão. Isso machuca uma pessoa. Isso fere psicologicamente, pois cada um interpretará de uma forma e reagirá de um jeito.

Não sei o que você tem ouvido, mas você mesmo diz que fica muito triste. Então, analise seus sentimentos. E caso precise de ajuda, não tenha vergonha; recorra à psicoterapia e também busque ter uma rede de apoio (pais, amigos e familiares). Você está sendo vítima de bullying e isso é algo que fere e adoece mentalmente.

Livia Marques é coach, psicóloga organizacional e clínica, com foco em Terapia Cognitiva Comportamental.

COMO LIDAR tem o propósito de servir como ferramenta de esclarecimento e apoio aos leitores apresentando perguntas e respostas, sobre variados temas.

Se você tem alguma questão ou dúvida que precise da explicação de um profissional, envie para redacao@plenonews.com.br