Como lidar com a acne na adolescência?

A acne causa lesões cutâneas e afeta a aparência dos adolescentes. O impacto na autoestima pode levar à depressão e a transtornos de ansiedade, danos que podem durar longos períodos

Como Lidar - 26/03/2019 10h08

A acne, em especial, causa lesões cutâneas e afeta a aparência dos adolescentes Foto: Pixabay

“Tenho 16 anos e tenho muita acne no rosto. No colégio sofro muito bullying e tenho vergonha de mim por causa disso. Já fiz alguns tratamentos e nenhum resolveu, como posso me livrar das espinhas para sempre?”

Mariana Santos, Itaperuna, RJ

RESPOSTA

Chamamos de acne o surgimento de cravos e espinhas na pele. A acne é causada por processos inflamatórios das glândulas sebáceas e folículos pilossebáceos. Ela pode iniciar na adolescência e se estender até a fase adulta.

Durante a adolescência, passamos por muitas mudanças corporais e comportamentais, em grande parte devido às alterações hormonais comuns ao período. A acne, em especial, causa lesões cutâneas e afeta a aparência dos adolescentes. Em muitos casos, chega a comprometer a forma como o jovem se enxerga e se relaciona com outras pessoas. Sendo assim, é comum o adolescente se tornar mais inseguro, tímido ou deprimido. O impacto na autoestima pode levar à depressão e a transtornos de ansiedade, danos que podem durar longos períodos.

É importante ressaltar que a acne não é contagiosa, tampouco significa falta de higiene. Corticoides e vitaminas do complexo B, bem como outros medicamentos e intensa exposição ao sol podem piorar o quadro. Manipular as lesões pode até ser gostoso, mas não é indicado, pois pode deixar marcas na pele.

A acne se caracteriza por alterações na aparência da pele. A região mais afetada é a área da face, mas pode ocorrer nas costas, nos ombros e no peito. No rosto, espinhas e cravos tendem aparecer na testa, no nariz e na parte superior das bochechas. Pessoas com pele oleosa sofrem mais com a acne e as crises são mais frequentes.

O controle e a resolução da acne podem levar tempo, por isso o ideal é que seja tratada o quanto antes, de forma a evitar cicatrizes e maiores danos à pele. Além disso, com o início precoce do tratamento, impactos psicológicos também são menores. Porém é fundamental que haja constância e paciência ao longo do tratamento.

Existem terapias locais e também orais e seu tratamento será definido pelo dermatologista, após a análise do seu quadro individual. As terapias locais podem utilizar sabonetes e ácidos, como ácido salicílico, peróxido de benzoíla, retinoides antibióticos e ácido azeláico. As terapias orais incluem o uso de antibióticos específicos ou Isotretinoína oral. O médico também pode orientar a combinação das duas terapias, bem como procedimentos aliados. Entre eles estão limpeza de pele, peelings, esfoliações, extração dos cravos e drenagem de abscessos.

De maneira geral, sabonetes e outros produtos específicos devem ser adotados na rotina de limpeza da pele. É importante ter em mente que o uso destes produtos, bem como a limpeza em excesso são prejudiciais à saúde da pele. Evitar a exposição prolongada aos raios solares também é essencial para prevenção.

Para conhecer a maneira mais adequada de proteger a sua pele contra a acne, procure um dermatologista de confiança.

Simone Abdalla é diretora médica da Clinderm – Centro Dermatológico, pós-graduada em Dermatologia pela PUC-RJ (instituto de Dermatologia Prof. Ruben David Azulay), membro efetivo da Sociedade Brasileira de Dermatologia e membro da Sociedade Brasileira de Cirurgia Dermatológica.

COMO LIDAR tem o propósito de servir como ferramenta de esclarecimento e apoio aos leitores apresentando perguntas e respostas, sobre variados temas.

Se você tem alguma questão ou dúvida que precise da explicação de um profissional, envie para redacao@plenonews.com.br


Clique para receber notícias
WhatsApp
Entre e receba as notícias do dia
Entrar no Grupo