CORONAVÍRUS
- Tudo o que você precisa saber
-->
Leia também:
X O coronavírus e o autoritarismo privado e estatal

Seu armário provoca preguiça ou provoca gratidão?

Manter a organização não é tirar um dia e fazer tudo de uma vez. É construção de hábito que deve ser revisado a cada três meses

Bia Sartori - 08/04/2020 13h22

Comece com o cabideiro, depois vá para as prateleiras e gavetas

Imagine que você precisa se mudar, temporariamente (no meu caso por conta da pandemia, serão cinco semanas) para um local mais isolado e só pode levar o essencial, o que realmente usa!

E por que pensar no armário que provoca preguiça? Lembramos de que sempre precisamos organizar alguma coisa lá. Existem pessoas que tem impresso no DNA uma palavra chamada organização. Mas, a grande maioria, precisa desenvolver uma metodologia própria e que faça sentido.

Aquela ideia de olhar para dentro do seu armário e observar cada espaço preenchido de forma categorizada, por tipos de peças, cores e pilhas dobradas perfeitamente, muitas vezes, não é possível para muita gente, por não dispor de espaço suficiente para guardar tudo adequadamente. Isso sem falar de todos os cabides exatamente iguais, ajudando na estética da visão.

Armários para roupas podem ser em variados formatos ou mesmo no closet

O armário que conhecemos hoje, nasceu da necessidade de guardar e organizar adequadamente as armas, por volta do século IX. O uso para guardar e organizar roupas e outras peças do vestuário só foi amplamente difundido no século XIV, pois até então, essas peças eram guardadas em baús e caixotes.

Em nossos dias, costumamos denominá-los guarda-roupas (geralmente móveis), armários (móveis ou embutidos e planejados) e closets (módulos dispostos dentro de um quarto ou ambiente específico, com ou sem portas). Também existem peças que nos lembram a função dos antigos baús, que são as cômodas.

Peças podem ser separadas por classificação de cor, de com manga ou sem manga e outras

Minha sugestão é que você encare o possível. Se você já está há 2-3 semanas cumprindo as orientações de distanciamento social para conter o pico da pandemia, provavelmente, em algum momento, você pensou em fazer alguma arrumação no seu armário, que por tempos foi adiada. Então, chegou a hora da coragem e do enfrentamento.

Mantenha a sanidade, fazendo por etapas. As dicas de tirar tudo de uma vez e aí sim, iniciar o processo de organização é só para os fortes ou quem conta com ajuda de alguém. Então, vá por partes!

O armário que conhecemos hoje, nasceu da necessidade de guardar e organizar adequadamente as armas, por volta do século IX

Comece com o cabideiro, depois vá para as prateleiras e gavetas. Faça uma parte de cada vez por completo. Tire tudo, limpe bem e aí comece o trabalho de separar peças que você usa sempre, peças que são para ocasiões especiais, aquelas que você já não gosta mais ou não usa (direto para a caixa de doação), aquelas que precisam de conserto, e aquelas que não servem mais. Separe por categorias: camisas e camisetas de manga curta, comprida, regatas, alcinha, vestidos curtos e longos (sem manga, com manga), calças (esportivas e sociais), casacos, etc.

Feita a separação, tire do ambiente a caixa de doação e as peças separadas para conserto. Estratégia contra a tentação de pegar tudo de volta. Dê uma volta, tome um suco, coma um lanche e prossiga. Assim, você terá condições de avaliar quantas peças você realmente necessita de cada categoria.

Vá colocando tudo de volta nos cabides e organize de acordo com o que você acha prático. Métodos só funcionam se fazem sentido para a sua lógica interna. Alguns preferem por cores, outros em subcategorias como dia-dia e especiais, manga curta e manga longa, verão e inverno. Não há certo e errado. Há o que funciona para você.

Usar os cabides ao contrário é umas das estratégias

Uma estratégia que uso é voltar todos os cabides ao contrário, e na medida que vou usando coloco da forma correta. Assim, na próxima arrumação, tiro primeiro aquelas peças que deixei de usar, que ainda permanecem com o cabide ao contrário. Fica mais fácil analisar se elas voltam ou não para o armário.

Mais uma pausa, respire fundo e vá para a fase mais difícil: decida por cada peça que não serve ou não fica bem, experimentando e lançando mão de honestidade brutal. Passada essa fase, deixe para outro momento continuar com as prateleiras, as gavetas, a cômoda e a sapateira. Mantenha sua sanidade e ânimo! E persista, até tudo estar organizado.

Uma estratégia que uso é voltar todos os cabides ao contrário, e na medida que vou usando coloco da forma correta

Lembre-se, manter a organização não é tirar um dia e fazer tudo de uma vez. É construção de hábito que deve ser revisado a cada três meses. Assim, o trabalho pesado vai diminuindo e olhar para nosso armário provoca gratidão pelo que Deus nos dá para usar, e senso de responsabilidade em cuidar e administrar esses recursos. Ainda, podendo exercer a generosidade, abençoando outras pessoas!

Bia Sartori , designer de interiores formada pelo SENAC e pós-graduada pelo IPOG; personal organizer formada pela OZ!, pedagoga com especialização em Orientação Educacional pela PUCC.
Telegram Entre e receba as notícias do dia Entrar no Grupo