Leia também:
X A CPI da Covid e o verdadeiro assalto aos cargos da comissão

Em tempo de “por enquanto”… CasaCor Rio 2021

Participei de duas edições da CasaCor

Bia Sartori - 26/04/2021 20h15

A reabertura da CasaCor Rio responde, de certo modo, alguns questionamentos. Enquanto não chegamos lá, àquele futuro desconhecido, em formação, precisamos sair da inércia e continuar caminhando.

Ter participado de duas edições da CasaCor, no interior do estado de São Paulo, deu-me a oportunidade de mergulhar nesse universo grandioso que envolve a maior mostra de decoração da América Latina.

E a edição da CasaCor Rio 2021 celebra 30 anos de uma revolução na moradia, registrando nossa história, resgatando e revitalizando o patrimônio histórico e cultural, criando novos espaços, preservando aquilo que é importante, além de fazer uma mistura do antigo e do contemporâneo, com sabedoria e sutileza.

São inúmeros os profissionais envolvidos nos projetos: arquitetos, engenheiros, paisagistas, equipes de execução. Todos trabalham com o objetivo de expressar essa arte com excelência e apontar as tendências da nossa história da moradia.

Outra revolução que celebramos é o pensamento logístico, que precisou ser acrescentado para viabilizar a continuidade das atividades em tempos de “por enquanto” – unindo tecnologia e determinações de ordem sanitária. Assim, soluções criativas e efetivas são propostas.

Da compra dos ingressos ao agendamento, vejo a interseção do que já era usado, com toques da inovação do necessário. São 5 turnos de visitação, com horários determinados – tanto nos espaços internos como nos externos. Há medição de temperatura eletrônica, antes de os visitantes adentrarem à Mostra, vários totens com álcool gel em pontos estratégicos e até mesmo lavatórios.

O palacete Brando Barbosa foi construído pelo casal Jorge e Odaléa Brando Barbosa no bairro do Jardim Botânico. Sua construção durou cerca de seis anos, e cada detalhe foi idealizado e executado com muito cuidado. Assim, o palacete foi se tornando um verdadeiro acervo de obras de arte, que se concretiza na Fundação Brando Barbosa.

Cada ambiente da Mostra daria uma matéria completa, devido à tanta história e a tantos detalhes, mas vou apontar resumidamente pequenos encantos que chamam a atenção dos visitantes. E todas as imagens são retiradas da mídia oficial da Mostra, preservando os direitos autorais do autor das imagens e do direito de propriedade da Mostra.

A imponência da construção é acolhida no acolhedor e exuberante jardim, que fica pequeno diante do Cristo Redentor. Logo ao entrar, detenha seu olhar no piso de mármore Carrara que veio em dois navios com exclusividade para a construção. E cada desenho, cada detalhe, foi idealizado pelo proprietário, tornando-se uma obra de arte.

Algo que não é um mero detalhe, mas que é uma relíquia é a banheira do banheiro do casal. Ela foi esculpida em um bloco de mármore que pertenceu à Imperatriz Teresa Cristina, esposa de D. Pedro II. Só esse momento, para mim, já vale a visita! É como entrar no mundo imaginário de muitos pensamentos e emoções que foram suscitados em pessoas que se banharam naquela peça tão ordinária que, mesmo sendo uma banheira, torna-se tão extraordinária pela sua beleza e história.

No hall de entrada, outra relíquia: o lustre! Mas só quem foi ao Palácio de Versalhes pode ver seu par. Ele compõe uma moldura perfeita com a escadaria de jacarandá, com seu corrimão esculpido em volutas e adornos espetaculares.

Outro detalhe interessante: há diversos tipos de maçanetas nas portas que encontramos na mostra; algumas são em metal, outras, em murano. Hoje, temos o hábito de uniformizar tudo, mas essa diversidade nos surpreende e encanta!

E, nesse “por enquanto”, podemos descobrir experiências que nos conectem, renovem e recarreguem. É bom encontrar na solidariedade do desconhecido a coragem para prosseguir, tendo como meta o equilíbrio e a estabilidade que dão descanso à alma.

A CasaCor Rio celebra os 30 anos da Mostra estimulando a reflexão e a autocrítica, reavaliando nosso passado e valorizando nossas tradições, criando legados para gerações futuras.

Bia Sartori é designer de interiores formada pelo SENAC e pós-graduada pelo IPOG; personal organizer formada pela OZ!, pedagoga com especialização em Orientação Educacional pela PUCC.

* Este texto reflete a opinião do autor e não, necessariamente, a do Pleno.News.
Siga-nos nas nossas redes!
WhatsApp
Entre e receba as notícias do dia
Entrar no Grupo
Telegram Entre e receba as notícias do dia Entrar no Grupo
O autor da mensagem, e não o Pleno.News, é o responsável pelo comentário.