Leia também:
X Homens que deixaram de ser homens, uma tragédia para a família

Mensagem de otimismo

Temos previsões de crescimento do PIB para 2021 de 3,2% da SPE, 3,9% do BACEN, 3,6% do IPEA e 3,4% da FOCUS, em 2021

Bia Kicis - 05/01/2021 15h53

Mensagem de otimismo da deputada Bia Kicis

Todos sabemos que o crescimento econômico ocorre graças a indivíduos que assumem riscos ao investirem capital em uma ideia. Não há crescimento econômico sem a tomada de risco. Para que um país possa prosperar e se desenvolver, necessita de pessoas corajosas, capazes de entrar nesse jogo de incertezas.

No entanto, é claro que ninguém contava com o risco que começamos a viver desde o início de 2020, que trouxe consequências piores do que a própria doença que assolou o mundo, graças a atitudes equivocadas de muitos governantes estaduais e municipais em prol de um projeto de poder.

O trabalhador é impedido de produzir, as crianças são impedidas de ir à escola, os provedores não podem levar seu sustento para casa, as liberdades individuais são dosadas, e o pânico paira sobre a sociedade, fruto de notícias veiculadas de forma desonesta.

Não há crescimento econômico sem a tomada de risco

Determinaram que, no ápice de tudo, apenas os serviços essenciais poderiam funcionar. Mas espere um momento, o que seriam esses serviços essenciais? Essenciais para quem? Quem determina o que é ou não essencial? De fato, uma farmácia não pode fechar, o mercado também não. Mas e aquele salão de beleza? O trabalho daqueles funcionários não é essencial para eles? E as lojas de roupas? Como ficam os funcionários que muitas vezes trabalham por comissão?

E os restaurantes? Muitos deles precisaram se reinventar para poder funcionar, e precisaram investir um dinheiro que não tinham para se adaptar à realidade. E as academias? Quem disse que isso não é um serviço essencial? De novo eu pergunto, quem determina o que é ou não essencial? Todo serviço é essencial para o trabalhador e para o consumidor que quer consumir aquele serviço.

De fato, foram tempos difíceis. Ainda estamos vivendo este tempo difícil, em que muitos estão tentando se estabilizar e voltar aos poucos e se recuperar. Mas estamos conseguindo. Se tem algo que eu admiro no brasileiro é a garra, a vontade de continuar. Trago alguns dados que comprovam que o Brasil está se reerguendo.

De novo eu pergunto, quem determina o que é ou não essencial?

De acordo com o Ministério da Economia, a nossa recuperação econômica está surpreendendo. Uma das principais causas da rápida recuperação foram as medidas econômicas de sucesso – como a ajuda à população carente, a preservação de empregos e empresas, e o aumento da liquidez para irrigar o mercado de crédito.

Outra causa responsável pela rápida recuperação foi a inteligência inovativa do trabalhador brasileiro – assunto que quero explanar mais para frente em minha fala.

Segundo dados do Banco Central e IBGE, dados estes que me foram encaminhados pelo Ministério da Economia, em meados de março houve uma queda econômica nos vários setores, como produção industrial, comércio restrito, produção agrícola.

O pico negativo chegou em abril. No entanto, por volta de julho de 2020, houve a retomado do crescimento.

O setor de fármacos obteve um aumento maior do que antes da queda, assim como os setores de construção e móveis e eletrodomésticos. O desempenho agrícola conseguiu ser maior que no ano de 2019, aproximando-se a 250 mil toneladas.

Os dados relacionados ao mercado de trabalho demonstram que houve uma queda acentuada da criação de postos de trabalho entre abril e maio, começando a recuperação ascendente a partir de maio de 2020.

A título de exemplo, entre março e abril deste ano foram fechados 912 mil postos de trabalhos. No entanto, a partir de maio de 2020, houve uma retomada ascendente, alcançando, em julho de 2020, o patamar de 168 mil novos postos de trabalho, além da recuperação dos 912 mil postos fechados anteriormente. Este índice é superior à média de postos criados no acumulado de um ano.

Ainda será feito o complemento dos estímulos governamentais, que podem injetar cerca de R$138 bilhões na economia até o final do ano. Temos previsões de crescimento do PIB para 2021 de 3,2% da SPE, 3,9% do BACEN, 3,6% do IPEA e 3,4% da FOCUS, em 2021.

A estratégia de longo prazo consiste em redução consistente da relação dívida/pib, e o aumento da produtividade – combatendo a má alocação de recursos, melhora dos marcos legais e aumento da segurança jurídica, privatizações e concessões, abertura econômica e a tão desejada desburocratização.

Um movimento muito importante e necessário é o do PPI (Programa de Parcerias de Investimentos). Tivemos 36 leilões realizados em 2019, incluindo portos, energia, ferrovias, rodovia, aeroportos, mineração, óleo e gás. De janeiro a outubro de 2020 são 10 leilões com a expectativa de investimentos de R$13,4 bilhões; e outorga e bônus de R$4,7 bilhões.
Os leilões previstos para 2021 são de 117 ativos nas áreas de terminais portuários (16), rodovias (7), ferrovias (4), defesa e segurança (2), telecomunicação (1), 6ª rodada de aeroportos (24), terminais pesqueiros (7), parques e florestas (5), óleo e gás (3), desestatização (13) – como a Eletrobras, SERPRO, TELEBRAS, Correios, entre outros -, direitos minerários (2), desenvolvimento regional (2), mobilidade urbana (1), subnacionais (22).

Um movimento muito importante e necessário é o do PPI (Programa de Parcerias de Investimentos)

O aumento da produtividade é essencial, é o motor, para o crescimento econômico sustentável de longo prazo. Quanto mais produtivos, mais nosso país crescerá.
Conseguimos perceber que o Brasil está trabalhando firme para voltar ao seu estado normal, e até crescer. Eu acredito nisso, pois eu acompanhei muitas histórias durante esses meses e vi o quanto o ser humano é capaz de se adaptar, de ser versátil, de agir de forma rápida e sólida para encarar as situações.

Anteriormente eu disse que gostaria de falar sobre a inteligência inovativa do trabalhador brasileiro, que foi uma causa responsável pela boa recuperação econômica nesses tempos.
Quero, então, trazer para vocês um caso de dois empresários, marido e mulher. Eles tinham um buffet famoso em Brasília, ainda o tem, mas durante o lockdown não estavam acontecendo eventos, e o buffet ficou parado.

Eles conseguiram segurar as pontas por 2 meses, mas depois disso, o sono deles já não era mais o mesmo. Eles tinham outras empresas e conseguiriam tranquilamente se manter, pois as empresas estavam indo bem. No entanto, eles perderam o sono por noites pensando em seus funcionários. Eles não podiam deixar de lado a possibilidade de tê-los que mandar embora, e não podiam deixar de pensar no que aqueles funcionários fariam. Eles sabiam da dificuldade de arrumar emprego durante a pandemia, e precisavam tomar uma atitude para impedir que isso acontecesse.

Sendo assim, eles tiveram a ideia de abrir um restaurante pop-up. A ideia de um pop-up é justamente ficar aberto por pouco tempo, e logo fechar, e assim eles conseguiriam manter seus funcionários. O senso de responsabilidade dos empresários foi tão verdadeiro, que fizeram muito sucesso, a ponto de precisar aumentar a equipe de trabalho, e assim eles se tornaram uma empresa consolidada, não mais pop-up.

Sendo assim, eles tiveram a ideia de abrir um restaurante pop-up

Recebi, recentemente, um empresário em meu gabinete que tinha acabado de investir um valor alto no setor de eventos. Logo veio a pandemia. Ele se reinventou, pensou em um tipo de evento que pudesse acolher as pessoas de uma forma que elas se sentiriam à vontade em ir e participar sem preocupações. Este mesmo empresário já está pensando alto, e começará a executar um grande projeto que será capaz de mudar o rumo da cidade, tudo isso durante este momento de incertezas.

O brasileiro possui, de fato, uma inteligência inovativa e adaptativa de mercado impressionante. Estes são apenas alguns exemplos de casos dentre vários que ocorreram durante a dificuldade que o ano de 2020 nos trouxe.

Recentemente, eu lia um artigo no site Mises Brasil, e um trecho do qual me recordo é muito propício para citar agora, “A rapidez de empreendedores em se adaptar a condições exigentes e contrárias, ao ponto de nos manter vivos e com entretenimento, é algo que beira a ficção”. Realmente, é impressionante como o brasileiro se adapta, quase que como a água. A água é uma substância que assume o formato do recipiente no qual se encontra, e, além disso, ainda é capaz de estar em 3 estados, sólido, líquido e gasoso.

O brasileiro possui, de fato, uma inteligência inovativa e adaptativa de mercado impressionante

O brasileiro, ao se adaptar, está assumindo o seu dever perante a sociedade, compreendendo a importância de ser responsável pelos seus. Muitos trabalhadores mantiveram seu negócio, ou se reinventaram, por terem lutado incessantemente para que nenhum de seus familiares e funcionários ficassem desamparados.

Isso demonstra coragem, muita coragem. É claro que muitos com o olhar corrompido pela miséria são incapazes de perceber isso. Mas acreditem, eu percebo, muitos parlamentares percebem, e nosso Presidente Jair Bolsonaro percebe. As pessoas não foram miseráveis, não foram covardes. Muito pelo contrário, foram e continuam sendo fortes, prontos para a labuta diária.

Fiquei pensando em qual mensagem de otimismo e fé poderia passar diante dessa situação. Mas, no final das contas, o próprio cidadão é a mensagem de otimismo e fé.

Nós vamos sair desta situação difícil juntos

Saibam que estou lutando incessantemente, junto ao Presidente e ao Ministério da Economia, para que a sociedade tenha o que merecem, um ambiente que lhes permita atuar, acabar com qualquer barreira que os dificulte de manter seus negócios vivos e prósperos. Esse governo veio para facilitar as coisas para aqueles que facilitam a vida para a sociedade e trazem qualidade para o País.

Nós vamos sair desta situação difícil juntos. Gostaria de encerrar com uma frase que pode ser acalento para todos antes de dormir, com o peso das preocupações em vossos travesseiros, “é justo que muito custe o que muito vale”, Santa Teresa D’Ávila. As dificuldades vão aparecer, mas com coragem, patriotismo, caráter e parceria, vamos conquistar um rumo cada vez melhor para nosso país.

Bia Kicis foi procuradora do Distrito Federal durante 24 anos, ativista e atualmente é deputada federal pelo PSL/DF.

* Este texto reflete a opinião do autor e não, necessariamente, a do Pleno.News.

Leia também1 'Oswaldo Eustáquio não está paraplégico', revela Bia Kicis
2 'Urna eletrônica sem voto impresso não oferece segurança ao eleitor', diz Bia Kicis
3 Bia Kicis: "Justiça Eleitoral falha na hora H, mas tudo normal"
4 Bia Kicis propõe 'Lei Constantino' para castração de estupradores

Siga-nos nas nossas redes!
WhatsApp
Entre e receba as notícias do dia
Entrar no Grupo
Telegram Entre e receba as notícias do dia Entrar no Grupo
O autor da mensagem, e não o Pleno.News, é o responsável pelo comentário.