Princípios Bíblicos para se obter a verdadeira prosperidade: Mordomia

"Cada um exerça o dom que recebeu para servir os outros, administrando fielmente a graça de Deus em suas múltiplas formas" (1 Pedro 4:10)

Anderson de Alcantara - 03/09/2019 17h11

O Mordomo da Casa Branca Foto: Reprodução

Dando continuidade à série de artigos sobre os Princípios Bíblicos para se obter a verdadeira prosperidade (clique aqui para ler o primeiro texto), hoje falaremos sobre o princípio da MORDOMIA.

O termo mordomia deriva de uma profissão quase em desuso hoje em dia: a do mordomo. Aquele sujeito que hoje só se vê nos filmes, mas que cuida de tudo numa casa e garante que as coisas funcionem perfeitamente, tanto na presença como na ausência de seus patrões.

Mas, ao contrário do que se pensa, o princípio da mordomia é algo que não saiu de moda e todos nós devemos cultivar – como boa parte do que está contido nas Escrituras Sagradas – para sermos aprovados como bons servos do Senhor.

Além dos nossos dons espirituais, também devemos administrar e cuidar com amor de todos os bens materiais que nos foram confiados por Deus, seja uma simples roupa à nossa preciosa família, passando pelo carro e pela casa que moramos. Isso é um principio para a vida.

O primeiro mordomo da história foi Adão – o primeiro homem : “Tomou, pois, o Senhor Deus o homem e o pôs no Jardim do Éden, para o cultivar e o guardar”. (Gênesis 2:15).

Repare duas coisas importantes neste texto:
1. Antes de Deus criar o homem Ele preparou a Terra para oferecer tudo o que o ser humano viria a precisar. Todos os minerais, vegetais e animais foram colocados à disposição do homem para serem usufruídos e administrados com sabedoria e fidelidade. Portanto, a responsabilidade de cuidarmos daquilo que nos foi dado (nosso planeta) é de todos;

2. O trabalho foi instituído por Deus antes da tentação e queda do homem. O trabalho não é um castigo divino. É muito comum ver pessoas fazendo falsas afirmações neste sentido. Isso indica uma falta de cuidado e atenção ao ler a Bíblia.

Deus é o criador e dono de tudo o que existe. Ele também nos deu a responsabilidade de administrarmos fielmente tudo o que Ele criou. O princípio da mordomia deve ser aplicado em todos os aspectos da nossa vida: no bom uso dos nossos dons e talentos; no cuidado com o corpo (que é Templo do Espírito Santo – não se esqueça disto); na gestão do nosso tempo; no cuidado com a alma e o espírito; no zelo e preservação dos bens materiais (públicos e privados); na preservação do meio ambiente (pois é criação de Deus); na boa administração do dinheiro; no cuidado com a família e amigos; na cooperação com o próximo; etc.

Cristo também nos ensinou que a mordomia é um cuidado temporário do que pertence a uma outra pessoa e que o verdadeiro dono exigirá uma prestação de contas da administração depois.

“E dizia também aos seus discípulos: Havia um certo homem rico, o qual tinha um mordomo; e este foi acusado perante ele de dissipar os seus bens. E ele, chamando-o, disse-lhe: Que é isso que ouço de ti? Presta contas da tua mordomia, porque já não poderás ser mais meu mordomo” (Lucas 16:1,2)

Temos exemplos bíblicos de uma boa mordomia sendo louvada e também de uma má mordomia sendo punida. Vemos isto nos exemplos que Jesus deu na Parábola das Dez Minas (ou dos Talentos, conforme o evangelista – Lucas ou Mateus):

“E aconteceu que, voltando ele, depois de ter tomado o reino, disse que lhe chamassem aqueles servos a quem tinha dado o dinheiro, para saber o que cada um tinha ganhado, negociando” (Lucas 19.15)

”E, muito tempo depois, veio o senhor daqueles servos e ajustou contas com eles” (Mateus 25:19)

Estas são duas ênfases encontradas em toda a Bíblia: ninguém pode fugir da prestação de contas, e que nada passará despercebido aos olhos de Deus:

“Disse o Senhor: Quem é, pois, o mordomo fiel e prudente, a quem o senhor confiará os seus conservos para dar-lhes o sustento a seu tempo? Bem-aventurado aquele servo a quem seu senhor, quando vier, achar fazendo assim. Verdadeiramente vos digo que lhe confiará todos os seus bens. Mas se aquele servo disser consigo mesmo: Meu senhor tarda em vir, e passar a espancar os criados e as criadas, a comer, a beber, e a embriagar-se, virá o senhor daquele servo em dia que não o espera, e em hora que não sabe, e castigá-lo-á, lançando-lhe a sorte com os infiéis” (Lucas 12:42-46)

”E não há criatura que não seja manifesta na sua presença; pelo contrário, todas as coisas estão descobertas e patentes aos olhos daquele a quem temos de prestar contas” (Hebreus 4:13)

Isso posto, tenha sempre em mente que um MORDOMO FIEL:

1. Reconhece que Tudo Pertence a Deus
2. Submete-se à Autoridade
3. Busca Conselhos
4. Age com Absoluta Honestidade
5. Trabalha Diligentemente
6. Gasta com Sabedoria
7. Evita Dívidas
8. Economiza com Prudência
9. Contribui Generosamente
10. Não Cobiça, nem é Ganancioso
11. Ensina os Filhos a lidar com o Dinheiro
12. Experimenta uma Vida de Contentamento
13. Estabelece um Estilo de Vida coerente com o Propósito de Deus para a sua Vida
14. Vive na Perspectiva da Eternidade

Tenha como meta viver estes princípios cada vez mais na sua vida, e experimente grandes mudanças que começarão a acontecer em seus relacionamentos, sua carreira, e seu ministério.

“Pois a quem tem, mais será dado, e terá em grande quantidade. Mas a quem não tem, até o que tem lhe será tirado” (Mateus 25:29)

Por hoje fico aqui, lembrando que, caso você tenha alguma questão ou dúvida relacionada a Finanças Pessoais, envie-a para redacao@plenonews.com.br e eu terei o maior prazer em responder e tentar lhe ajudar.

Forte abraço, sucesso, fiquem na Paz, e até semana que vem se Deus quiser!

Anderson de Alcantara é profissional do mercado financeiro há 30 anos, atua como consultor financeiro na 3468 Finance e é professor titular do Ministério Videira – Educação Financeira à luz da Bíblia.

Clique para receber notícias
WhatsApp
Entre e receba as notícias do dia
Entrar no Grupo