Finanças a dois: Como falar de dinheiro sem brigar?

Num relacionamento a dois, conversar sobre finanças é essencial para garantir a tranquilidade mútua

Anderson de Alcantara - 23/07/2019 10h42

Que tal aproveitar esses dias de férias para matar algumas pendências com seu marido/esposa? Andar juntos de mãos dadas pelo campo ou pela areia, curtir um jantarzinho a dois, realinhar planos para o futuro e… conversar sobre finanças – de forma positiva e construtiva.

Muito se fala no dinheiro como motivo de muitas brigas entre casais. De fato, o dinheiro é uma das principais causas de divórcio. No entanto, você sabia que parceiros, quando aprendem a planejar a vida financeira juntos, conseguem excelentes resultados?

Embora pareça não ser tão fácil falar de dinheiro em um relacionamento, se você não conversar sobre isso com seu cônjuge, isso poderá afetar seriamente suas finanças, sua vida e seu casamento. As conversas sobre as finanças do casal devem ser bem honestas em relação à situação monetária da família e suas preocupações com o futuro, aquilo que vocês desejam alcançar no tempo em que estiverem juntos. É claro, porém, que isso não será nada produtivo se sempre ocorrer uma briga a cada conversa que tiverem sobre o tema.

Os casais têm que ter um projeto de vida juntos e os dois devem estar em sintonia para poder alcançar as metas da família. Entender o que vocês querem alcançar em termos individuais e em conjunto é o que vai pautar os objetivos do relacionamento.

Foquem em vencer
Em um relacionamento a dois, as discussões sobre finanças devem ter o foco em seus objetivos. Lembrem-se que vocês se amam e que devem ter metas conjuntas.

Sempre abordem o tema finanças olhando para o futuro, com amor esperança e fé. Evitem trazer mágoas passadas que estejam pendentes e focar muito no cenário atual.

Dividam as responsabilidades, porque esta pode ser a melhor opção para equilibrar o peso das tarefas e compreender o outro. Porém se você paga as contas em dia e o seu cônjuge tem dificuldade em fazer isso, pense em trocar essa tarefa. O objetivo principal deve ser evitar os atrasos e pagamentos de juros, o que é benéfico para as finanças do casal.

Juntos é melhor que separados
Dentro de um casamento, recomendo veementemente que todas as informações e tarefas financeiras sejam compartilhadas e que haja prestação de contas. Não há necessidade de caminhos extremos: cada um com sua conta corrente, sem mostrar o saldo ao outro de jeito nenhum, para “proteger sua individualidade”.

Entretanto, o extremo oposto também, não é necessário. Um cônjuge não precisa pedir autorização ao outro para ir na padaria ou perguntar quanto pode gastar hoje no salão de cabeleireiro…

A palavra de ordem é o equilíbrio: o casal deve encontrar a alternativa que melhor funcione para eles. Podem manter suas contas individualmente e abrir uma terceira, conjunta, para começarem a poupar. Podem dividir a responsabilidade pelas despesas da casa, com cada um arcando com determinados pagamentos. O importante é: conversar periodicamente a respeito, definir objetivos em comum e estabelecer uma estratégia adequada e justa para o casal.

Compreensão e respeito são essenciais
Vamos combinar? Isso é a base para manter um bom casamento, em todas as áreas. Nas finanças também.

Tente compreender e respeitar o ponto de vista do seu parceiro, mesmo que você não concorde com ele. Ainda que não aceite, por exemplo, a filiação a um clube de futebol ou aquele kit de maquiagem que você considera muito caro. Não confronte o outro diretamente, tentando impedi-lo de realizar a ação. Apresente as suas razões e mostre que vocês podem fazer uma boa economia ao invés de ter essas despesas “supérfluas”.

É muito importante escutar cada questão citada pelo seu parceiro e não selecionar apenas os pontos que lhe interessam. Além disso, repita tudo o que você ouvir para ter certeza que é o que significa para o seu parceiro. Diálogo é a base de sobrevivência de qualquer casamento.

Se vocês observarem bem, estes pontos não servem apenas para discutir finanças, mas na verdade são excelentes ferramentas de comunicação que podem fortalecer muito o seu relacionamento.

Como qualquer outra habilidade, compreensão e respeito precisam de algum tempo para serem dominados; mas vale a pena tentar, pois só assim vocês passarão a ter sucesso em suas conversas de casal.

Conclusão
É um fato que muitos casais terminam seus relacionamentos por problemas financeiros, mas por baixo desta questão está, principalmente, a falta de conversa e a falta de procurarem solucionar suas dificuldades de maneira conjunta.

Vocês não precisam fazer parte dessas estatísticas!

Se ainda não é acostumado a falar de finanças com o seu cônjuge, aproveite nossos conselhos para mudar suas atitudes e contribua para a continuidade e felicidade do seu casamento. Salvem o endereço da nossa coluna https://pleno.news/opiniao/anderson-de-alcantara em sua barra de favoritos, sentem uma vez por semana para conversar sobre dinheiro e leiam os artigos que já escrevi, de baixo para cima, na ordem que foram escritos. É conteúdo gratuito, equivalente a muitos cursos pagos por aí, à disposição para lhes fazer prosperar em harmonia.

Por hoje fico aqui, lembrando que, caso você tenha alguma questão ou dúvida relacionada a Finanças Pessoais, envie-a para redacao@plenonews.com.br e eu terei o maior prazer em responder e tentar lhe ajudar.

Forte abraço, e até semana que vem (com dicas sobre como colocar as contas nos eixos depois das férias), se Deus quiser. Sucesso, e fiquem em Paz!

Anderson de Alcantara é profissional do mercado financeiro há 30 anos, atua como consultor financeiro na 3468 Finance e é professor titular do Ministério Videira – Educação Financeira à luz da Bíblia.

Clique para receber notícias
WhatsApp
Entre e receba as notícias do dia
Entrar no Grupo