Leia também:
X BH: “Nós vamos trancar a cidade novamente”, afirma Kalil

Covid: UE apoia proibição da exportação de vacina

Nesta sexta, decisão da Itália foi apoiada por outros países

Pleno.News - 05/03/2021 21h06 | atualizado em 05/03/2021 21h13

União Europeia apoia proibição da exportação de vacina contra Covid-19 Foto: EFE/Alejandro García/Arquivo

A decisão da Itália de bloquear o envio para a Austrália de 250 mil doses da vacina da AstraZeneca produzidas no país recebeu, nesta sexta-feira (5), o apoio de França, Alemanha e União Europeia, acirrando a disputa global por vacinas em um cenário de aumento no número de contágios na Europa e em diferentes regiões do mundo.

O país se tornou o primeiro a utilizar a nova regulamentação da UE que permite impedir as exportações das vacinas contra o coronavírus produzidas no bloco se a companhia em questão não tiver cumprido com suas obrigações contratuais.

O impedimento ocorreu em meio à lentidão do processo de vacinação na UE, que enfrenta críticas de vários de seus 27 estados-membros. Apenas 7% dos 444 milhões de habitantes do bloco receberam pelo menos uma dose.

Destacando o papel da UE na pesquisa, desenvolvimento e produção, o governo alemão justificou a restrição à exportação.

– As exportações de vacinas não serão interrompidas se os contratos com a UE forem obedecidos. Muitas das vacinas produzidas na UE vão para terceiros países, enquanto nada ou quase nada é exportado dos EUA ou Reino Unido – disse o porta-voz do governo alemão, Steffen Seibert.

O ministro da Saúde da França, Olivier Véran, respaldou os italianos e afirmou que seu país “pode fazer o mesmo”.

O ministro de Relações Exteriores da Itália, Luigi di Maio, disse que seu país continuará impedindo as exportações de vacinas.

– Se ainda houver esses atrasos, é justo que os países da UE bloqueiem sua exportação para países que não são vulneráveis – declarou.

A UE deixou claro que a medida não é contra a Austrália, mas um aviso para a AstraZeneca, já que não foram proibidos envios das vacinas dos laboratórios Pfizer/BioNTech e Moderna, que estão cumprindo seus contratos. O governo australiano, que já havia recebido 300 milhões de doses da AstraZeneca e também está vacinando sua população com o imunizante Pfizer/BioNTech, pediu à UE que revise a decisão.

O vice-presidente da Comissão Europeia, Valdis Dombrovskis, afirmou que a UE autorizou o bloqueio das 250 mil doses porque a AstraZeneca não está cumprindo seu contrato ao continuar com a “sistemática entrega insuficiente de doses”. Apesar das dificuldades atuais, a meta da UE é vacinar 70% da população adulta do bloco até outubro.

*Estadão

Leia também1 EUA proíbem que seus cidadãos invistam na Xiaomi
2 Ataque terrorista na Somália deixa ao menos 25 mortos
3 Covid: Espanha tem queda na incidência de casos de infecção
4 Cientistas querem criar peixes na Lua. Entenda como funciona!
5 Conheça os bens mais caros e inusitados da Rainha Elizabeth II

Siga-nos nas nossas redes!
WhatsApp
Entre e receba as notícias do dia
Entrar no Grupo
Telegram Entre e receba as notícias do dia Entrar no Grupo
O autor da mensagem, e não o Pleno.News, é o responsável pelo comentário.