Leia também:
X Biden vai liberar financiamento público para ONGs pró-aborto

Tempestade deixa 14 mortos e vários desabrigados na África

Eloise causou estragos em Moçambique, Zimbábue e outros países do continente

Pleno.News - 26/01/2021 16h55 | atualizado em 26/01/2021 17h34

A tempestade tropical Eloise passa por Botswana depois de ter causado pelo menos seis mortes no centro de Moçambique, três no Zimbábue, três em Eswatini e duas outras fatalidades entre Madagascar e o norte da África do Sul, segundo dados da ONU, de autoridades e serviços de emergência destes países.

O número total de mortes seria de pelo menos 14 pessoas, além de 8,3 mil deslocados só em Moçambique, segundo estimativas do Escritório de Coordenação de Assuntos Humanitários (Ocha, na sigla em inglês), sendo este o país mais afetado e onde Eloise tocou a terra no último dia 23, vindo do Oceano Índico.

Na passagem por Moçambique, a tempestade se intensificou brevemente até atingir a categoria de ciclone, com ventos de até 139 quilômetros por hora, e enfraqueceu horas depois em direção ao interior do continente africano.

Dias antes de sua chegada a Moçambique, Eloise atravessou a ilha de Madagascar como uma tempestade tropical, onde causou uma morte, segundo o Ocha, após invadir a cidade costeira de Antalaha, no dia 19 de janeiro, com ventos máximos de até 95 km/h.

A passagem de Eloise deixou mais três mortos no sudeste do Zimbábue, segundo dados da unidade de proteção civil do país, arrastados pelas enchentes em Chipinge, área já atingida em 2019 pelo ciclone Idai, que causou pelo menos 340 mortes.

Na pequena Eswatini (antiga Suazilândia), pelo menos três outras pessoas morreram, conforme a Cruz Vermelha confirmou hoje à Agência EFE; duas destas pessoas morreram depois que tiveram seu veículo levado pela água. A terceira vítima morreu devido ao desabamento de sua casa.

No último dia 23, um menino de cinco anos também foi arrastado pela correnteza de um rio na cidade de Masoyi, na África do Sul, segundo informaram fontes do governo da província de Mpumalanga.

A chegada de Eloise a Moçambique foi temida em especial pelos seus efeitos potencialmente devastadores na mesma área do país que sofreu a passagem catastrófica de Idai, em março de 2019, considerada a pior catástrofe natural do sudeste africano da história recente.

*Com informações da Agência EFE

Leia também1 Biden vai liberar financiamento público para ONGs pró-aborto
2 Giuseppe Conte, premiê italiano, renuncia oficialmente ao cargo
3 Twitter libera "cura milagrosa" de Maduro para a Covid-19
4 Biden quer imagem de escrava em cédulas de US$ 20
5 Oriente: Israel abrirá embaixada temporária nos Emirados Árabes

Siga-nos nas nossas redes!
WhatsApp
Entre e receba as notícias do dia
Entrar no Grupo
Telegram Entre e receba as notícias do dia Entrar no Grupo
O autor da mensagem, e não o Pleno.News, é o responsável pelo comentário.