Leia também:
X Homem comete suicídio após encontrar filho morto em carro

Sob nova doutrina, Otan se prepara para guerra com Rússia

Aliança também passou a classificar China como "desafio"

Thamirys Andrade - 30/06/2022 13h19 | atualizado em 30/06/2022 14h46

Primeiro ministro do Reino Unido, Boris Johnson, e o presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, na segunda jornada de trabalho da OTAN, em Madrid Foto: EFE/J.J. Guillén

A Otan fez nesta quarta-feira (29), sua maior revisão estratégica dos últimos 30 anos. Na cúpula de Madri, a aliança declarou a Rússia a “ameaça mais significativa e direta” à paz e segurança. A organização também considerou a China um “desafio” aos interesses de seus membros, com suas “ambições declaradas e políticas coercitivas”.

Na cúpula, a Otan ainda oficializou o processo de adesão de Finlândia e Suécia, um dia depois de a Turquia retirar suas objeções – uma mudança que representa uma consequência direta da decisão do presidente russo, Vladimir Putin, de invadir a Ucrânia.

Jens Stoltenberg, secretário-geral da Otan, lembrou que o conceito estratégico anterior, elaborado em 2010, considerava a Rússia um “parceiro estratégico”, que refletia uma relação mais amistosa. A China, que agora é um “desafio”, nem sequer era citada no documento anterior.

AJUDA
Ontem, a Otan também garantiu seu apoio à Ucrânia “pelo tempo que for preciso” para resistir à invasão russa. Os 30 membros da aliança condenaram a “crueldade terrível da guerra, que causa imenso sofrimento humano”.

– Moscou tem total responsabilidade por essa catástrofe humanitária – acrescentaram os membros em sua declaração final.

– A guerra de Putin contra a Ucrânia destruiu a paz na Europa e criou a maior crise de segurança desde a 2ª Guerra – acrescentou Stoltenberg.

O presidente dos EUA, Joe Biden, chamou a cúpula de uma “reunião histórica” e prometeu que a aliança (formada em 1949 para proteger a Europa de um eventual ataque soviético) estava comprometida em “defender cada centímetro” do território de seus membros. “Agora mais do que nunca”, disse Biden.

O presidente americano também anunciou que os EUA, pela primeira vez, enviarão forças permanentes para o flanco leste da Otan, implantando um quartel-general e um batalhão de apoio de campo na Polônia, posicionando um número ainda não revelado de tropas para ação rápida na fronteira com a Rússia.

PEDIDO
O presidente da Ucrânia, Volodmir Zelenski, discursou por videoconferência e pediu mais ajuda do Ocidente.

– Precisamos de sistemas e artilharia moderna. A Rússia continua recebendo bilhões a cada dia e os gasta na guerra. Temos um déficit bilionário. Não temos petróleo nem gasolina para cobrir – afirmou, antes de acrescentar que o apoio econômico “não é menos importante que a ajuda militar” e frisando que o país precisa de 5 bilhões de euros (R$ 26 bilhões) por mês para sua defesa.

O presidente ucraniano, porém, lamentou que a boa vontade da aliança atlântica para aceitar novos membros não se aplique ao seu país.

– A política de portas abertas da Otan não deve se assemelhar às velhas catracas do metrô de Kiev, que ficam abertas, mas se fecham quando você se aproxima para pagar. A Ucrânia não pagou o suficiente?

CHINA
Quem também oficialmente se tornou um foco de preocupação da Otan é a China. A nova estratégia da aliança mostrou que o Ocidente agora enxerga Pequim de uma maneira bem diferente.

– As ambições declaradas e as políticas coercitivas da China desafiam nossos interesses, segurança e valores. A China emprega uma gama de ferramentas políticas, econômicas e militares para aumentar sua presença global e projetar poder, mantendo ao mesmo tempo a opacidade sobre sua estratégia, intenções e desenvolvimento militar – afirma o texto, que orientará a Otan nos próximos anos.

AMEAÇAS
Putin falou nesta quarta pela primeira vez após a oficialização dos pedidos de adesão de suecos e finlandeses à Otan. Em viagem ao Turcomenistão, ele garantiu não considerar um problema a entrada dos dois países na aliança.

– Não temos problemas com Suécia e Finlândia como os que temos com a Ucrânia. Se Suécia e Finlândia desejarem, podem aderir. É assunto deles. Podem aderir ao que quiserem.

O presidente russo, porém, prometeu responder se a Otan instalar infraestrutura nos dois países.

O vice-chanceler, Serguei Riabkov, no entanto, demonstrou mais contrariedade.

– A expansão da Otan é um fator desestabilizador. Ela não dá segurança nem aos que a estão expandindo, nem aos que se juntam a ela, nem aos países que percebem a aliança como uma ameaça – disse.

*AE com agências internacionais

Leia também1 Israel convoca novas eleições; Netanyahu lidera pesquisa
2 EUA: Menor de idade é acusado como adulto por roubo de armas
3 Âncora da Fox News: Brasil é mais importante para EUA que guerra na Ucrânia
4 Governo dos EUA confirma piora do PIB no 1º trimestre
5 Israel flexibiliza etapas para acesso ao aborto no país

Siga-nos nas nossas redes!
WhatsApp
Entre e receba as notícias do dia
Entrar no Grupo
Telegram Entre e receba as notícias do dia Entrar no Grupo
O autor da mensagem, e não o Pleno.News, é o responsável pelo comentário.