Leia também:
X Vídeo mostra pane e queda de helicóptero de empresário

Chefe da ONU nomeia novo enviado especial para a Síria

O norueguês Geir Pedersen ocupa, atualmente, o cargo de embaixador na China

Camille Dornelles - 01/11/2018 12h12 | atualizado em 15/08/2019 12h18

O norueguês Geir Pedersen foi escolhido novo enviado especial para a Síria Foto: EFE/Loey Felipe

O secretário-geral da Organização das Nações Unidas (ONU), António Guterres, anunciou, nesta quarta-feira (31), a nomeação do diplomata norueguês Geir Pedersen como novo enviado especial para a Síria.

Pedersen substituirá Staffan de Mistura, que deve deixar o cargo no final de novembro. Mistura ficou pouco mais de quatro anos no cargo. O objetivo do enviado especial da ONU é mediar os rumos do conflito para o fim da guerra no país.

Em comunicado, Guterres destacou que o novo enviado tem “décadas de experiência política e diplomática”. Pedersen será o quarto enviado especial das Nações Unidas para a Síria desde o início da guerra, em 2011.

O primeiro, o ex-secretário-geral da ONU Kofi Annan, deixou o cargo poucos meses depois de assumir, frustrado pela falta de cooperação das partes em conflito e pelo bloqueio no Conselho de Segurança. Seu sucessor, Lakhdar Brahimi, ocupou o posto por cerca de dois anos e também saiu diante da falta de avanço nas negociações.

Mistura, um diplomata experiente, afirmou que sua renúncia se deve a questões familiares, mas acrescentou que também tomou tal decisão por não conseguir grandes progressos durante mais de quatro anos na função.

CARREIRA
Atualmente, o norueguês é embaixador de seu país na China e possui ampla trajetória diplomática, tanto representando a Noruega quanto trabalhando para as Nações Unidas. Em 1993, Pedersen estava na equipe norueguesa que participou das negociações dos Acordos de Paz de Oslo entre Israel e a Organização para a Libertação da Palestina (OLP).

Na ONU, ocupou diferentes funções, inclusive a de coordenador especial para o Líbano, entre 2007 e 2008, e a de representante para o sul do Líbano, entre 2005 e 2007.

*Com informações da Agência EFE

Leia também1 Síria reabre Museu Nacional de Damasco para visitantes
2 Síria: Opositores tiram armas de área desmilitarizada
3 Síria expõe peças recuperadas das mãos de terroristas

WhatsApp
Entre e receba as notícias do dia
Entrar no Grupo
Telegram Entre e receba as notícias do dia Entrar no Grupo
O autor da mensagem, e não o Pleno.News, é o responsável pelo comentário.