Leia também:
X Biden acusa Facebook de ‘matar pessoas’ com desinformação

Senador oferece ajuda ao BLM para “emigrar para Cuba”

Marco Rubio é de origem cubana e ficou revoltado com um comunicado da organização

Pleno.News - 16/07/2021 21h27 | atualizado em 16/07/2021 21h30

Senador Marco Rubio Foto: Reprodução

O senador americano de origem cubana Marco Rubio ofereceu ajuda aos líderes do Black Lives Matter (BLM) para que “emigrem” para Cuba, em resposta a um comunicado do movimento antirracismo que atribuía a situação econômica crítica do país caribenho ao embargo comercial dos Estados Unidos.

– Meu gabinete está pronto para ajudar os líderes da organização Black Lives Matter a emigrar para #Cuba – escreveu Rubio, do Partido Republicano, nas redes sociais.

O comunicado da Fundação Global do BLM sobre a situação em Cuba, onde desde o último domingo (11) têm acontecido protestos pacíficos que têm sido reprimidos pelas autoridades, foi mal recebido pela grande comunidade cubana que vive no Sul do estado da Flórida.

Na quinta-feira (15), em uma manifestação de apoio aos protestos, uma mulher ergueu um cartaz com a mensagem “Cuban Lives Matter” (“vidas cubanas importam”, em tradução livre), em clara referência à organização que denuncia a violência policial contra afro-americanos e ganhou mais força após a morte de George Floyd em 2020, provocada por um policial branco.

Políticos do Sul da Florida criticaram o comunicado divulgado pelo BLM no Instagram na quinta-feira e acusaram a organização de apoiar um governo que oprime pessoas que exerciam pacificamente seu direito à liberdade de expressão.

Segundo o BLM, os protestos em Cuba são uma consequência de “anos de embargo”, uma política que a organização definiu como “tratamento desumano e cruel” dos EUA com o objetivo de “desestabilizar o país caribenho e minar o direito dos cubanos de escolher seu próprio governo”.

A rede de televisão NBC pediu ao BLM que apresentasse argumentos, e a organização respondeu que o comunicado se baseia em seu “apoio inequívoco a Cuba” e na necessidade de ampliar as vozes dos cubanos negros contra a opressão que sofrem “de todos os agentes, incluindo os EUA”.

– Somos inequivocamente solidários com o povo cubano contra a repressão e a violência por parte de agentes internos ou externos invisíveis – disse o BLM à emissora.

Congressista republicano pela Flórida, William Gregory Steube classificou como “lixo” o comunicado do BLM.

– Uma organização comunista em defesa de outra. Estas pessoas (em Cuba) agitam bandeiras americanas e protestam contra um regime comunista brutal que as oprime há gerações – escreveu o político no Twitter.

*EFE

Leia também1 Repórter de jornal espanhol é liberada de presídio em Cuba
2 Ciro chama Cuba de ditadura e critica bloqueio dos EUA
3 Cuba: Maioria das redes sociais segue bloqueada após protestos
4 EUA condenam comunismo em Cuba: "Ideologia fracassada"
5 Em denúncia à ONU, ativistas apontam 162 prisões em Cuba

Siga-nos nas nossas redes!
WhatsApp
Entre e receba as notícias do dia
Entrar no Grupo
Telegram Entre e receba as notícias do dia Entrar no Grupo
O autor da mensagem, e não o Pleno.News, é o responsável pelo comentário.