Leia também:
X Biden anuncia restrições para viajantes vindos da África do Sul

Presidente da Ucrânia diz que Rússia tramou golpe contra ele

Volodimir Zelenski disse que o país está pronto para qualquer cenário

Pleno.News - 26/11/2021 21h41 | atualizado em 27/11/2021 14h30

Presidente da Ucrânia, Volodimir Zelenski, Foto: EFE/ Ludovic Marin

O presidente ucraniano, Volodimir Zelenski, afirmou nesta sexta-feira (26), que um grupo de russos e ucranianos planejava tentar um golpe na Ucrânia na próxima semana, e que os conspiradores tentaram obter a ajuda do homem mais rico do país, Rinat Akhmetov, um magnata ucraniano.

Zelenski, falando para a mídia local e internacional, disse que gravações de áudio, obtidas pelos serviços de segurança da Ucrânia, flagraram conspiradores discutindo seus planos e mencionando o nome de Akhmetov.

Ahkmetov tem negócios que vão desde metais, mineração e energia até bancos, telecomunicações, imóveis e mídia. Com um patrimônio líquido estimado pela revista Forbes em mais de 7 bilhões de dólares, Akhmetov é mais rico do que os outros três magnatas ucranianos juntos. Ele também é o maior contribuinte e empregador do país, com cerca de 200.000 funcionários.

Zelenski fez questão de frisar que o empresário não estava envolvido no suposto plano de golpe.

Apesar da acusação, o presidente ucraniano não apresentou provas, áudios, nem outros detalhes, deixando muitas perguntas sobre seus motivos para tornar públicas as acusações e quais possíveis ações as autoridades tomaram.

Além de ter um império da mineração e do aço, Akhmetov possui participações em veículos de mídia, e nas últimas semanas aumentou suas críticas a Zelenski e seu governo.

Uma declaração atribuída a Akhmetov chamou as afirmações de Zelenski de “uma mentira absoluta”. O porta-voz do Kremlin, Dmitry Peskov, negou qualquer papel russo no suposto complô.

– A Rússia nunca se envolve nessas coisas. Nunca houve tais planos – disse Peskov.

Tensão militar
Os comentários de Zelenski também vêm em um cenário de tensões crescentes entre Kiev e Moscou. Autoridades ocidentais e ucranianas dizem que observaram um aumento de forças russas na fronteira do país com a Ucrânia.

As razões para o aumento de tropas russas no local não são claras, mas os EUA e outras autoridades dizem que pode ser uma preparação para uma invasão ou uma escalada no conflito de sete anos no leste da Ucrânia, com insurgentes anti-Kiev, apoiados por Moscou, de acordo com autoridades ocidentais. e pesquisadores independentes.

“Acredito que [Akhmetov] esteja sendo arrastado para a guerra contra a Ucrânia (…) Isso será um grande erro, porque é impossível lutar contra o povo, contra o presidente eleito pelo povo da Ucrânia – disse Zelenski.

Zelenski disse que o suposto golpe estava sendo planejado para 1º ou 2 de dezembro. Ele não deu mais detalhes. A mídia ucraniana comentou nas últimas semanas sobre as crescentes tensões entre Zelenski e Akhmetov.

O presidente ucraniano lançou uma campanha de “desoligarquização” para reduzir a influência política das pessoas mais ricas da Ucrânia, que controlam setores importantes da economia.

– Estou indignado com a disseminação dessa mentira, não importa quais sejam os motivos do presidente (…) Minha posição foi e será explícita e definitiva: uma Ucrânia independente, democrática e unida com a Crimeia e minha região natal, Donbass – disse Akhmetov.

Donbass faz parte da região separatista no leste da Ucrânia. A Península da Crimeia foi anexada da Ucrânia pela Rússia em 2014. O presidente ucraniano disse que seu país estava preparado para qualquer cenário.

– Temos total controle de nossas fronteiras e estamos prontos caso haja uma escalada – disse Zelenski.

Ele acrescentou que o número de forças russas na fronteira é menor do que durante um exercícios militares realizados no começo deste ano, um episódio que também causou preocupação com uma possível ofensiva russa.

Zelenski disse que a Ucrânia recebeu promessas de apoio “em público e não em público” de seus parceiros ocidentais se a Rússia tomasse medidas militares, mas não forneceu detalhes.

– Quando a Rússia diz que está defendendo suas fronteiras, é muito perigoso – disse Zelenski.

Crise preocupa a Otan
O secretário-geral da Otan, Jens Stoltenberg, repetiu as preocupações ocidentais sobre a concentração de tropas russas na fronteira nesta sexta-feira, 26, e alertou que se a Rússia usar a força contra a Ucrânia, “isso terá custos, terá consequências”

Moscou rejeitou as acusações e culpou Washington por aumentar as tensões na região. O Kremlin também acusou Kiev de “provocações” em seu conflito de anos com separatistas pró-russos em duas regiões distantes do leste.

Em uma tentativa de impor uma linha vermelha para Putin, o presidente francês, Emmanuel Macron, e a chanceler alemã, Angela Merkel, falaram diretamente com ele nas últimas duas semanas. O secretário da Defesa britânico, Ben Wallace, encontrou-se com seu homólogo ucraniano em Kiev.

O ministro da Defesa da Suécia disse que estava pronto para enviar tropas suecas à Ucrânia para ajudar a treinar os militares do país. Oficiais de inteligência dos EUA e figuras importantes do exército ucraniano sugeriram que cerca de 92.000 soldados russos estão concentrados no norte e no leste da Ucrânia – muitos na área ao redor de Yelnya, perto da fronteira da Rússia com a aliada Belarus – e na Crimeia, a península que fica ao sul da Ucrânia continental.

*AE

Leia também1 Ex-global, Marco Pigossi assume namoro com diretor italiano
2 Biden anuncia restrições para viajantes vindos da África do Sul
3 China promete contra-ataque após novas sanções dos EUA
4 Trump encontra jovem absolvido de assassinato após se defender
5 Olavo de Carvalho depõe à PF no inquérito das milícias digitais

Siga-nos nas nossas redes!
WhatsApp
Entre e receba as notícias do dia
Entrar no Grupo
Telegram Entre e receba as notícias do dia Entrar no Grupo
O autor da mensagem, e não o Pleno.News, é o responsável pelo comentário.