Leia também:
X SP: Associação de Restaurantes e Bares critica novo lockdown

Pouca procura pela CoronaVac preocupa autoridades uruguaias

Procura pelo imunizante da farmacêutica chinesa Sinovac foi menor do o esperado

Pleno.News - 03/03/2021 17h30 | atualizado em 03/03/2021 18h05

Pouca procura para tomar vacina contra Covid-19 preocupa autoridades uruguaias Foto: EFE/ Andre Borges/Archivo

A inscrição dos uruguaios para receber a vacina contra a Covid-19 da farmacêutica chinesa Sinovac foi menor que o esperado. A constatação gerou, nesta quarta-feira (3), críticas por parte das autoridades, que mais uma vez defenderam a eficácia do imunizante.

O presidente da Administração dos Serviços de Saúde do Estado (Asse), Leonardo Cipriani, declarou que a CoronaVac é altamente eficaz e que a vacina pode evitar “praticamente 100%” que uma pessoa morra em decorrência da doença causada pelo vírus SARS-CoV-2.

Em testes realizados no Brasil pelo Instituto Butantan, a vacina da Sinovac teve 50,38% de eficácia global, percentual que sobe para 78% quando se trata de casos leves de Covid-19 e 100% contra casos graves e mortes. Nesta quarta, a Universidade Hacettepe, da Turquia, país que também usa a CoronaVac, divulgou uma eficácia global de 83,5%.

Cipriani destacou que a forma como a vacina foi negociada permitirá ao Uruguai, com 3,5 milhões de habitantes, tornar-se um dos primeiros a imunizar toda a população, apesar de ter iniciado o processo depois de outros países.

– O Uruguai vai ser capaz de fazer uma boa surpresa, se as pessoas cooperarem – afirmou o presidente da Asse.

Ele disse ainda que acredita que, até o meio do ano, 80% da vacinação poderia ser concluída.

Nesse contexto, o Ministério de Saúde Pública do Uruguai planeja distribuir as sobras de doses para grupos de prisioneiros e moradores de rua. Esses grupos começariam a ser vacinados na terceira semana do plano, juntamente com residentes de asilos e casas de repousos e funcionários desses espaços, trabalhadores da área da saúde e pessoas com menos de 60 anos com doenças crônicas.

Os centros de vacinação abriram suas portas na última segunda-feira (1º), para ministrar as 192 mil doses da CoronaVac a policiais, militares, bombeiros, professores e trabalhadores do Instituto Nacional da Criança e do Adolescente (Inau) com menos de 60 anos de idade.

Os trabalhadores da saúde começarão a ser vacinados na próxima segunda-feira (8), quando chegará ao país vizinho o primeiro lote de imunizantes da Pfizer, procedente dos Estados Unidos.

O Uruguai, que é o último país da América do Sul a iniciar a vacinação, registrou 59.171 casos de coronavírus até hoje, dos quais 7.189 são considerados ativos. Há 75 pessoas internadas em unidades de terapia intensiva, e 617 pessoas morreram de Covid-19.

*Com informações da Agência EFE

Leia também1 Pazuello diz que pode fechar hoje compra da vacina da Pfizer
2 Avião com doses de vacina bate em jumento em pista de pouso
3 Covaxin tem eficácia de 80,6%, apontam dados preliminares
4 Chanceler irá a Israel por spray contra Covid-19, diz Bolsonaro
5 Covid-19: Brasil já vacinou mais de 7,1 milhões de pessoas

Siga-nos nas nossas redes!
WhatsApp
Entre e receba as notícias do dia
Entrar no Grupo
Telegram Entre e receba as notícias do dia Entrar no Grupo
O autor da mensagem, e não o Pleno.News, é o responsável pelo comentário.