Leia também:
X Nos EUA, percepção negativa da China é a maior em 15 anos

União Europeia aplica sanções a hackers chineses e russos

Ataques virtuais geraram prejuízos a empresas do bloco

Pleno.News - 30/07/2020 22h10

União Europeia aplicou sanções a hackers chineses e russos Foto: Reprodução

Em uma decisão inédita, a União Europeia (UE) anunciou sanções nesta quinta-feira (30) a dois chineses e a quatro russos, além de um centro vinculado à inteligência russa, pela acusação de terem lançado ataques virtuais.

– Trata-se de uma resposta à tentativa de ciberataque contra a Opaq (Organização para a Proibição das Armas Químicas) – afirmou o Conselho da UE em um comunicado.

A tentativa de ataque à Opaq, frustrada pelos serviços de inteligência holandeses em 2018, levou a UE a sancionar dois agentes e dois especialistas em informática do GRU, centro de inteligência militar da Rússia.

Os agentes, Alexey Minin e Oleg Sotnikov, e os especialistas Evgenii Serebriakov e Aleksei Morenets, não poderão viajar para o bloco. Além disso, seus ativos na UE serão congelados.

O bloco acusa o serviço russo de estar ligado a dois ataques virtuais em junho de 2017, que atingiu várias empresas europeias e gerou prejuízos financeiros, e de outras duas operações que tiveram como alvo o sistema de fornecimento de energia da Ucrânia, em 2015 e 2016.

A UE também incluiu na lista o Centro Principal de Tecnologias Especiais do GRU pelo ciberataque “NotPetya”, em 2017, assim como a entidade chinesa Huaying Haitai e a norte-coreana Chosun Expo pelos ataques que ficaram conhecidos como “Cloud Hopper” e “WannaCry”, respectivamente.

O Chosun Expo é suspeito de ter ajudado em uma série de ataques, incluindo um roubo de US$ 81 milhões da conta do Banco de Bangladesh no Federal Reserve Bank em Nova York.

O grupo coreano também é apontado como participante do ataque ao estúdio Sony Pictures, que tentou impedir o lançamento de um filme de comédia sobre o ditador Kim Jong-un, em 2014.

Os chineses Gao Qiang e Zhang Shilong foram punidos pela acusação de participar da operação “Cloud Hopper”, direcionada contra sistemas em nuvem de empresas multinacionais na Europa e em outros países.

– As medidas são consequência da constante sinalização e determinação da UE (…) para proteger a integridade, segurança, o bem-estar social e a prosperidade de nossas sociedades livres e democráticas – declarou o chefe da diplomacia comunitária, Josep Borrell.

Já o ministro holandês das Relações Exteriores, Stef Blok, destacou o endurecimento de punições para este tipo de ataque.

– O preço do mau comportamento está aumentando, porque os ‘maus’ estavam se safando com muita frequência – disse Blok.

Em 2019, a UE estabeleceu um programa de sanções para os responsáveis por ciberataques, que ainda não havia aplicado punições. O grupo, no entanto, havia denunciado antes ataques da China, da Rússia e da Coreia do Norte.

*Folhapress

Leia também1 Nos EUA, percepção negativa da China é a maior em 15 anos
2 Em teste, única dose de vacina neutralizou o coronavírus
3 Donald Trump sugere adiar as eleições presidenciais nos EUA
4 China é acusada de fazer ataque hacker ao Vaticano
5 Governo volta a permitir entrada aérea de estrangeiros

WhatsApp
Entre e receba as notícias do dia
Entrar no Grupo
Telegram Entre e receba as notícias do dia Entrar no Grupo
O autor da mensagem, e não o Pleno.News, é o responsável pelo comentário.